Instrumento para desenvolver a agricultura



Baixar 0.91 Mb.
Pdf preview
Página1/2
Encontro30.06.2021
Tamanho0.91 Mb.
  1   2


211

Unoesc & Ciência - ACSA, Joaçaba, v. 4, n. 2, p. 213-220, jul./dez. 2013



MERCADO PÚBLICO DE XANXERÊ: 

INSTRUMENTO PARA DESENVOLVER A AGRICULTURA 

FAMILIAR

Lorena P. Waihrich

*

Kelvin Henrique Paludo



**

Paula Martiéli Dill Santos

***

Resumo


O artigo aborda a possibilidade de implantação de um mercado público no município de Xanxe-

rê, Santa Catarina, e a sua área abrangente, a região da Associação dos Municípios do Alto Irani 

(AMAI). A agricultura familiar será analisada no município, e dados ajudaram a fundamentar 

a carência dessa variedade de comércio em Xanxerê. Para justificar o presente tema se tomará 

como exemplo dois mercados públicos, de diferentes cidades, sendo um do século XIX, e o ou-

tro contemporâneo, do século XXI. Será evidenciada e analisada a arquitetura de cada um, bem 

como a sua importância para beneficiar a população em geral, o que é fundamental no desenvol-

vimento deste trabalho.

Palavras-chave: Agricultura familiar. Mercado público. Xanxerê.

1 INTRODUÇÃO

Os mercados públicos fazem parte da história de muitas cidades; por meio deles o comér-

cio se desenvolveu. Sendo antecedentes aos supermercados modernos, essas estruturas se carac-

terizam por acompanhar o crescimento de muitas cidades pelo Brasil, sendo, nos dias atuais, 

estruturas que ajudam a compor a identidade cultural desses locais.

Fundado em 27 de fevereiro de 1954, o município de Xanxerê conta com uma população 

de 44.128 mil habitantes (IBGE, 2010) e está situado na região Oeste do Estado de Santa Catari-

na (Mapa 1). Em seus 58 anos de história, Xanxerê tornou-se um polo para as cidades vizinhas 

de menor porte.

Atualmente, faz parte da região da Associação dos Municípios do Alto Irani  (AMAI). 

A AMAI é constituída de 14 municípios e tem como objetivo o fortalecimento das capacidades 

administrativas, econômicas e sociais dos municípios.

Orientadora; lorena.waihrich@unoesc.edu.br



**

 kelvin_paludo@hotmail.com

*** 

paula_dill@yahoo.com.br




212

Lorena P. Waihrich, Kelvin Henrique Paludo, Paula Martiéli Dill Santos

Unoesc & Ciência - ACSA, Joaçaba, v. 4, n. 2, p. 213-220, jul./dez. 2013

         Mapa 1 – Mapa do Brasil, de Santa Catarina e do município de Xanxerê

          Fonte: os autores.

A base da economia da cidade de Xanxerê está ancorada no setor primário, especialmente 

no plantio de milho, soja, feijão e trigo, além de apresentar forte retorno financeiro de indústrias 

e principalmente de serviços em geral (IBGE, 2009) (Gráfico 1). A criação de animais também se 

destaca, sendo uma expressiva fonte de renda para o município.

                    Gráfico 1 – Produto Interno Bruto (PIB) do município de Xanxerê

                   Fonte: IBGE (2009).

As produções agrícolas e as atividades pecuárias são favorecidas pela existência de cursos 

técnicos e de graduação com essa temática no município. As pequenas propriedades estão pre-

sentes em grande número, representando uma grande fatia da economia a ser explorada.

Estas propriedades têm enorme potencial para a produção e a venda direta no comércio 

de Xanxerê. Muitas delas já fazem uso da feira semanal como complemento aos ganhos mensais, 




213

Mercado público de Xanxerê...

Unoesc & Ciência - ACSA, Joaçaba, v. 4, n. 2, p. 213-220, jul./dez. 2013

mas essa área pode se desenvolver mais com investimentos e organização mais adequada, uma 

vez que a produção é contínua.

A agricultura familiar no Brasil vem sofrendo inúmeras transformações ao longo dos 

anos. Esta passou de atividade de subsistência à fonte de renda com um amplo horizonte de 

expansão. É o que afirma Wanderley (2001, p. 21):

A agricultura familiar não é uma categoria social recente, nem a ela corresponde uma 

categoria analítica nova na sociologia rural. No entanto, sua utilização, com o significa-

do e abrangência que lhe tem sido atribuído nos últimos anos, no Brasil, assume ares de 

novidade e renovação.

Essa tendência é validada pelo Censo Agropecuário de 2006, o qual aponta o número de 

16.567.544 pessoas trabalhando em estabelecimentos agropecuários no Brasil (incluindo produ-

tores, seus familiares e empregados temporários ou permanentes). Este número correspondia a 

18,9% da população ocupada no país (87.628.961 pessoas) (INFORMAÇÕES DO BRASIL, 2012). 

O crescimento da agricultura familiar nos anos 1990, também teve outro motivo: a divi-

são do espaço entre a produção e a industrialização agrícola. Assim como menciona Silva (1999, 

p. 26), “[...] a criação de empregos não agrícolas nas zonas rurais é, portanto, a única estratégia 

possível capaz de, simultaneamente, reter essa população rural pobre nos seus atuais locais de 

moradia e ao mesmo tempo, elevar o seu nível de renda.”

Isso significa que a agricultura familiar tem muito mais a oferecer do que apenas os fru-

tos da colheita. A agroindústria enriquece a economia e amplia a gama de possibilidades para o 

produtor, que pode oferecer maior diversidade de produtos para a comercialização.

A agricultura familiar no município de Xanxerê tem uma grande representatividade, são 

720 propriedades no interior da cidade (INFORMAÇÕES DO BRAIL 2012). Além das ativida-

des agropecuárias, essas famílias normalmente produzem itens a serem revendidos, como quei-

jos, geleias e doces, entre outros produtos.

A produção e a capacidade de crescimento desse tipo de agricultura tornam a instalação 

de um mercado público muito conveniente. Por meio dessa nova estrutura, a maior parte da 

produção familiar pode ser destinada a um único local, cuja infraestrutura facilita e incentiva 

este tipo de atividade comercial.

 No mercado público, o produtor está mais protegido, além de estar focado em um só local 

de vendas. Este local também gera mais empregos, uma vez que a exposição dos produtos impli-

ca a necessidade de funcionários no setor de vendas, podendo ser uma alternativa de manter a 

família inteira de produtores rurais nessa gama de negócios.

A construção de um mercado público na cidade de Xanxerê pode ser justificada não ape-

nas pelos índices de crescimento na agricultura familiar e em seu Produto interno bruto (PIB), 

mas também pela possibilidade de trazer um novo e próspero tipo de comércio no município, 

estando também preparado para as mudanças futuras. O mercado público trará desenvolvimen-

to no âmbito da agricultura familiar, sendo também vantajoso ao consumidor e ao produtor, não 

apenas da cidade, mas também da região da AMAI.




214

Lorena P. Waihrich, Kelvin Henrique Paludo, Paula Martiéli Dill Santos

Unoesc & Ciência - ACSA, Joaçaba, v. 4, n. 2, p. 213-220, jul./dez. 2013

Outra vantagem criada com a instalação de um mercado público na cidade de Xanxerê 

é a preparação para o crescimento dos próximos anos, estando o município, assim, pronto para 

transformações. O mercado público também impulsionará o comércio mediante preços mais 

baixos que os usuais em supermercados, sendo, portanto, vantajoso tanto para o produtor quan-

to para o consumidor.

A pesquisa parte da metodologia comparativa entre dois exemplos de mercados públicos 

já instalados anteriormente. O primeiro deles, o Mercado Público de Porto Alegre, escolhido por 

sua história e por representar um mercado que cresceu e acompanhou o crescimento da cidade, 

sendo hoje um símbolo, exercendo funções econômicas e de memória histórica. O segundo, o 

Mercado Público de Chapecó, representante recente desse tipo de atividade econômica, que não 

traz o cunho histórico-cultural.

Essa comparação tem como objetivo mostrar as características necessárias em um novo 

mercado público, e o que ele pode se tornar no contexto da cidade em longo prazo. Tal compara-

ção permite perceber melhor as funções econômicas e as necessidades de infraestrutura em cada 

um dos casos.

2 RESULTADOS E DISCUSÕES

 

Os mercados públicos têm origem nas antigas feiras de troca de produtos, normalmente 



estas aconteciam nas praças das cidades, antes de terem local permanente. Para Munford (1982, 

p. 84), o que faz com que o mercado tenha: 

[...] um lugar permanente na cidade é a população suficientemente grande para oferecer 

um bom meio de vida a mercadores que têm ligações distantes e produtos caros, e sufi-

ciente produtividade local para permitir que os excedentes das oficinas urbanas sejam 

oferecidos à venda em geral. 

Portanto, esta cidade tinha, então, requisitos importantes para se constituir em um centro 

de trocas de mercadorias, de informação, financeiro, de modelos culturais e artísticos, sem falar 

das outras funções que desde logo estão presentes nas cidades como a administrativa, educacional 

e religiosa (CALABI, 1993, p. 30). O mercado público, já nos primórdios do capitalismo, era uma 

forma de centralizar o comércio em um determinado local, com a finalidade de facilitar o controle 

sobre as trocas de mercadorias ali efetuadas, bem como das fontes abastecedoras de produtos.

 

Um fator da sobrevivência desses locais é a facilidade de cumprir as leis sanitárias, o que é 



mais difícil nas feiras livres, presentes hoje em um número muito menor. Os mercados públicos 

são, portanto, locais de fácil fiscalização e oferecem uma estrutura fixa, cujo funcionamento não 

depende das condições climáticas.

COMPARAÇÃO

Patrimônio histórico e cultural de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, o Mercado Público 

foi inaugurado em 1869 para abrigar o comércio da cidade (Fotografia 1). Em 12 de dezembro 




215

Mercado público de Xanxerê...

Unoesc & Ciência - ACSA, Joaçaba, v. 4, n. 2, p. 213-220, jul./dez. 2013

de 1979, o Mercado Público foi tombado pelo Patrimônio Histórico e Cultural de Porto Alegre, 

conforme a Lei n. 4.317 de 1977. 

Tombado como bem cultural, passou entre 1990 e 1997 por um processo de restauração, 

agregando mais qualidade à sua estrutura e recuperando a concepção arquitetônica original, 

restaurando a estética, valorizando e maximizando espaços sociais. A reforma recuperou a per-

cepção das arcadas, resgatou as circulações internas, criou novos espaços de convivência e im-

plantou redes de infraestrutura compatíveis com o funcionamento do Mercado. 

Foi construída uma nova cobertura que possibilitou a integração entre o térreo e o segun-

do pavimento. Com essas modificações, a área total do Mercado é de 15.394,04 m² (Fotografia 

2). O Mercado Público também atua como espaço para manifestações culturais e comunitárias.

                               Fotografia 1 – Mercado Público de Porto Alegre na década de 1890

 

                               Fonte: Mercado Público de Porto Alegre (2011).



                           Fotografia 2 – Mercado Público de Porto Alegre em 2010

                           Fonte: Mercado Público de Porto Alegre (2011).




216

Lorena P. Waihrich, Kelvin Henrique Paludo, Paula Martiéli Dill Santos

Unoesc & Ciência - ACSA, Joaçaba, v. 4, n. 2, p. 213-220, jul./dez. 2013

O Mercado possui, hoje, 

110

 estabelecimentos, com algumas das atividades: açougues, pei-

xarias e frutos do mar, restaurantes, lancherias, pastelaria, padarias, fruteiras, verduras e legumes, 

artesanato regional, bomboniére, lotéricas, bancas de revistas e jornais, flora e artigos para umban-

da, peixes ornamentais e produtos para aquários, cafeteria, barbearia, livraria, entre outras.

Um exemplo mais atual é o Mercado Público Regional de Chapecó, Santa Catarina, reali-

zado pelo Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico, Social e Meio Ambiente 

(Cidema). A construção da obra iniciou-se em 2004 e foi concluída em 2007.

O projeto do Mercado Público Regional (Fotografia 3) tem uma praça de alimentação 

com palco para apresentações culturais, um espaço para livraria, loja de discos, banca de revistas, 

local de leitura e auditório para 50 pessoas. Além disso, banheiros, área de circulação, espaço 

para comercialização de pescado, loja de panificados, box para artesanato e mostruário de con-

fecções, sala de apoio a entidades, sala de equipe de informações de mercado, sala de reunião e 

sala para serviços gerais.

Atualmente o projeto integra os municípios de Caxambu do Sul, Chapecó, Cordilheira 

Alta, Coronel Freitas, Guatambu, Nova Itaberaba, Planalto Alegre, Quilombo, Santiago do Sul, 

São Carlos, Sul Brasil e União do Oeste.

                            Fotografia 3 – Mercado Público de Chapecó

                            Fonte: ClicRBS (2010).

Em geral, os mercados públicos, com a finalidade de sobreviverem nos tempos atuais, 

fazem uso da tradição e de sua história, os quais são atrativos que configuram um meio de con-

tinuar em funcionamento. Estes mercados estão sobrevivendo ao tempo por meio de renovações 

e restaurações periódicas.

Na instalação de um mercado público nos dias atuais, sem identidade cultural anterior, o 

apelo e o foco devem ser diferenciados dos mercados públicos tradicionais. 

Mesmo os antigos mercados hoje possuem outras opções como restaurantes e apresenta-

ções artísticas que ajudam a movimentar e a manter os ares boêmios de épocas passadas. O desa-




217

Mercado público de Xanxerê...

Unoesc & Ciência - ACSA, Joaçaba, v. 4, n. 2, p. 213-220, jul./dez. 2013

fio em uma nova estrutura é dar o foco certeiro para que o local possa, no futuro, fazer parte da 

identidade do lugar, tendo como ponto de partida a sua eficiência imediata no setor econômico.

PROPOSTA DE MERCADO PÚBLICO EM XANXERÊ

Propõe-se que as instalações físicas deste mercado público deva respeitar o Plano Diretor 

do município de Xanxerê bem como o Código de Obras (Lei Complementar BLB n. 3.430/12 - 

Art. 34, áreas não residenciais), sendo preferencialmente instalado em algum local próximo ao 

centro da cidade. A edificação deve conter as seguintes instalações: sanitários, depósitos, admi-

nistração, lojas, café ou restaurante, doca e espaço para apresentações.

CONCLUSÃO

O motivo de realizar um empreendimento como este na cidade de Xanxerê pode ser jus-

tificado pelos seus índices de crescimento e pela possibilidade de trazer uma nova e próspera 

variedade de comércio para o município. Um pré-requisito para que isso ocorra é a instalação do 

mercado público no centro da cidade, com a finalidade de auxiliar na divulgação e despertar a 

curiosidade, dando o impulso inicial dessa atividade comercial distinta dos mercados usualmen-

te encontrados no município.

Atualmente, os mercados públicos têm a função de oferecer um atendimento diferen-

ciado ao consumidor, mais pessoal, com possibilidade de negociação e preços fixos mais baixos 

que os supermercados. Nesses locais, o próprio produtor pode fazer a função de vendedor, sendo 

conhecedor da mercadoria que oferece.  

Um mercado público na cidade de Xanxerê teria função semelhante ao também recente 

Mercado Público de Chapecó: a atividade comercial. Esse é o foco da instalação de uma estrutu-

ra como essa no município: desenvolver a economia, beneficiar o consumidor e, principalmente, 

apresentar uma nova e eficiente perspectiva ao produtor rural.






Compartilhe com seus amigos:
  1   2


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal