Inf: oitenta e nove para ehh o que é que dá? Inq1: até agora?



Baixar 27.23 Kb.
Encontro21.08.2021
Tamanho27.23 Kb.
#16854


INF: oitenta e nove para ehh_ o que é que dá?

INQ1: até agora?

INF: sim

INQ2 : hum

INQ1: e já e já reside aqui há esses anos todos?

INF: sim


INQ1: sim

INF: desde oitenta e nove

INQ1:quais são os pontos mais positivos da daqui da nazaré e o que é que gosta mais da qui daqui?

INF: o qu`é que eu gosto mais olhe_ eu gosto porque tem este apartamento é assim pequenino é aqui as pessoas deste bloco são impecáveis do bloco ao lado nã tenhe problemas o qu`eu tenho pena é de ver ooo_ a nazaré assim um pedacinho estragado

INQ1: estragada ehh

INF: ehh _ destruída e falta de limpeza

INQ2: acha que

INF: as pessoas que deitam coisas pela janela essas coisas todas

INQ1: mas já viu

INF: e sim diga

INQ1: mas já viu algumas alterações significativas desde que que entrou aqui na nazaré até agora?

INF: pa pior

INQ1: pra pior

INF: ehhh_para pior num certo sentide [sentido] de degradação ehh _ noutro sentide quando vim pra aqui havia hum agora é capaz de tar pior mas _ ehh em relação à droga e essas coisas ma não tenho problemas nenhuns quando vim pra aqui nã estava habituada ao ambiente e vi um uma pecadenada togue já creschidos já tá diferente eu não não gostava muito palavrão muita ah muita _ agora em relação a vejo muita coisa estragada

INQ1: acha que podi podia ser feito mais pela pela nazaré?

INF: sim isto precisava de uma remodelação _ uma limpeza ehh_ uma educação às pess_ a certas pessoas não digo a todas mas a certas pessoas _ah embora ache que quando vim pra aqui ouvi muito falar em facadas e e brigas aqui _e agora não oiço não sei o que é _tou no meu cantinho

INQ1: ah já_ antes de chegar aqui já

INF: nã nã não quando eu vim pra aqui nos primeiro tempos era ho hou houve uma morreu ai um rapaz acolá houve uma facada acolá aqui neste próprio tinha medo porque isto não tinha não tinha tapa sois vinha pra`qui brigavam muito e isso isso acabou podem vir par`qui conversar _ fazer não sei o que mas não não incomodam demais

INQ2: sim_ mas o que é que acha que podia melhorar eh em relação há pouco tempo construíram umm centro de saúde novo?

INF: ah


INQ2 : muito melhor

INF : isso um centro de saúde é bom

INQ2: mas acha que o atendimento lá é melhor do que no tá claro que um hospital é diferente mas acha que é um bom atendimento lá?

INF: eu tenho bom atendimento

INQ2: hum

INF : eu tenho e acho que é bom eee por exemplo temos a igreja pronto eu sou católica temos eh ehhh eu penso tenho tem a casa do povo que ajuda muitas pessoas duma certa idade isso também sei e uhm não sei o qu`é que há há aí uns uns serviços do governo eu não tenho ido por que não tenho não tenho necessidade mas ainda não precisei de ir pedir qualquer coisa mas eu sei que há e ali uns prédios novos e há as creches

INQ2: hum

INF : hum

INQ2 : ah

INF : ah hum

INQ2 : e em relação à sua profissão era professora tal como já disse

INF: professora do primeiro ciclo

INQ2: ehh qual foram as suas experiências em relação a professora de primeiro ciclo?

INF: foram enormes porque eu andei comecei eh no porto da cruz num lugar onde não tinha estrada nem com crianças com os quatro com os quatro anos crianças de seis anos até às vezes treze catorze depois passei para o santo outra experiência a seguir fiquei nas quebradas eh de são martinho santa rita onde acabei o meu o meu serviço

INQ2: hum ehh já não dá au aulas há quanto tempo?

INF: em noventa e oito portanto é só fazer as contas

INQ2: hum e tem assim alguma alguma experiência com algum aluno que tenha marcado bastante?

INF: tenho tenho vários aluno houve vários alunos que me marcaram _ bastante

INQ2: não tem nenhuma história que

INF: olhe tenho ehh_olhe no porto da cruz havia eu dava aulas era regime normal até às três e tenho crianças que ehh a seguir iam trabalhar pá fazenda e ficava muito frio e como ê vivia em cima num num quarto eh ficava com eles eles não queriam ir pra casa queriam ficar lá mais horas pra não ir para o frio _ e gostavam de ficar dentro da sala por causa disso depois também eh no fim do ano choravam choravam tenho alunos que __ na ca _ alunos rebeldes que me marcaram porque eu gostava dos alunos rebeldes pa poder-lo pra rebeldes mas no mas penso que muito diferentes dos de hoje precisavam de atenção eh _ tenho alunos que se que se formaram

INQ2: hum mas ach

INF : todos todos eram especiais

INQ2 : hum

INF : havia uns especiais por um género e outros pronto_eu tive óptimos alunos alunos muito bons eh a nível escolar

INQ2: mas acha que os alunos como já foi professora antigamente eles estavam mais disponíveis pra aprender do que actualmente? o que é que acha?

INF: eu como já vim há uns anos pra cá nunca tive ehhh muitos problemas já estou aqui ao quê? há uns dez anos onze anos ehh nunca tive muitos problemas como digo comecei numa zona rural _ em que o ambiente era diferente em que as crianças tinham de ir pra casa trabalhar em que os pais a maior parte era ana an analfabetos e ehh e _ tinham dificuldade em estudar ehh embora houvesse bons alunos_ depois tive uma grande diferença senti uma grande diferença quando passei pr’ás quebradas mas mais em emocionalmente em _ ehh senti mais os alunos afastados __ portanto quando tava numa zona eh rural eles eram sentimentalmente mais ligados e tudo mas o depois tudo isso se ultrapassou eu penso que tamém surgiram novas matérias novas maneiras de ensinar e por isso dispersou muito os alunos e eles precisavam sempre de de incentivos de coisas novas _ coisas engraçadas senão desligam-se

INQ1: acha que que que agora tá melhor? ou a escola

INF: eu não sei eu já estou em casa há onze anos eu não sei ehh _ é em em relação ao desenvolvimento certo em conversarem em falarem de um assunto ehh naquele tempo estudavam história geografia hum tudo de seguido agora vamos tratar de um assunto junta o ambiente às àreas hum como é se chama áreas escola não é?

INQ2: hum

INF : não é do seu tempo _ _ o que faziam um projecto área escola havia um projecto

INQ1: sim área projecto sim

INF: área escola e vamos desenvolver o estudo do meio tamém muito mais desenvolvido e e é isso

INQ1: em relação aos seus tempos de infância ehh tem com certeza várias histórias vou-lhe pedir para contar uma história que que esteja marcante que tenha gostado muito

INF: o momento de infância foi um bocadinho _ solitário talvez _ diferente

INQ2: era filha única?

INF : não _ fui a oitava fui a oitava filha mas me me o meu pai ehh morreu eu ainda não tinha nascido faltava meses e e e vivíamos todos com a avó paterna depois a minha mãe ehh teve um naquele tempo o o que se chama hoje uma trombose um avc chamavam umm ataque apopléctico e ficou um bocado incapacitada e nessa altura fui viver com a madrinha __ ahm nada de especial

INQ1: ehh

INF: ehh


INQ1: o que é que acha das famílias actuais em relação às

INF: aaeh

INQ1 : as famílias de antigamente ah acha que as famílias actuais ehh estão mais ligadas a famílias ou são mais dispersas?

INF: hum hum hum eu sei que há famílias que continuam muito ligadas há uma maior abertura entre pais e filhos não há aquela rigidez _ ehh _mas também tão dispersas devido o às contingência do trabalho da

INQ1: a vida de hoje

INF : a vida de hoje

INQ1 : obriga

INF : sim mas eu tamém vejo que há muita ligação entre os pais e os filhos quando há há muita ligação talvez naquele tempo hum a figura principalmente o pai era uma figura talvez mais afastada _ ehh e isso tudo depende das famílias do grau _ de educação do grau de possibilidades até económicas

INQ2: hum

INQ1: ehh andou no liceu como já já referiu

INF: no liceu jaime moniz

INQ1 : o que é que recorda de desse tempo?

INF: olhe eu andei no no chamado primeiro ano que é o quinto actual no liceu nós tínhamos era havia muitas regras o que eu recordo foi havia haviam zonas proibidas de descer no corrimão sentada e ser apanhada pelo professor que eu não sei que era o doutor telantino ai um senhor_ já passou tanto tempo e pela professora de francês a dona lolia e aí foi um desgosto havia as como é as as participações mas perdoaram-nos eramos nós fedelhos três fedelhas perdoaram-nos e não tenho assim mais coisas do liceu

INQ2: quer dizer que naquela altura era uma criança calma?

INF: era eu descia o corrimão porque via os outros descer é calma por que sempre fui_ ehh hum embora em casa qu’eu vivesse numa numa casa grande com árvores subia árvores descia árvores eu brincava com bonecas lia comecei a ler muito nova e e lia muito

INQ2: ah


INF: agora leio

INQ1: desde cedo já teve o gosto de ser professora esse desejo?

INF: sim eu vou dizer por que a minha madrinha tinha um colégio não um colégio de meninos ricos ou um colégio pago não sei como é que aquilo funcionava podia ser com subsídios não não sei tinha um colégio de rapazes e hum_ portanto sempre vivi num ambiente de escola no meio dos meninos dos rapazinhos com problemas com não eram meninos ricos nem nada eh e portanto andava sempre no meio deles e _ pronto foi estudando a escola tava em mim depois havia possi ehh tinha de seguir uma carreira tinha acabou o o quinto ano que é o nono antigo e tinha de escolher qualquer coisa para eh um futuro_ portanto a minha madrinha também não tinha grandes pronto queria seguir eh eu morro mas ela fica com familía com quem eu vivia onde eu tou ou enfermagem ou pro ou professora pra ir estudar pra fora não havia possibilidades tamém não era hum uma aluna por aí além e eu gostava de ser professora enfermeira de maneira nenhuma tinha um pavor e fui e gostei muito e tirei o meu curso e e gostei muito de dar aulas tive uma altura que tava ehh noventa e cinco noventa quase cem porcento da minha vida em traba_ os primeiros anos principalmente porque eu trabalhei só tava em escolas a trabalhar só depois então _ com outros professores

INQ1: no primeiro dia em que entrou e viu os alunos sentiu-se nervosa? conte-me como

INF: muito muito nervosa eh cheia de medo ehh e depois fiz uma coisa no magistério eu tinha uma professora hum enquanto houver vagas enquanto não chegar aos quarenta alunos vocês vão matriculando as crianças memo com seis anos e eu muito ingénua fiz isso portanto fiquei com quarenta alunos quatro quatro classes como nós chamávamos com meninos de seis anos_ portanto via toda a gente o depois me chamou mas tu és parva foste ingénua ah mas a dona teresa disse-me que matriculava e podia ter tido menos alunos mas o depois eh

INQ1: conseguiu controlar

INF : consegui pois e e tamém os pais a princípio olhavam com uma desconfiança portanto era do funchal uma roupa mais curtinha uma ehh mas o depois gostei muito eh de estar no porto da cruz eh efectivei-me logo naquele tempo éramos as agregadas e as efectivas e como agregada não ganhávamos três meses ou dois meses e meio e efectivei-me fiquei lá três anos quando saí foi uma choradeira e eu eu gostava muito dos miúdos de de havia miúdos com problemas ou mas afectivos não é que os pais não os tratassem bem mas era o trabalho eles saiam cedo de casa _ eh saiam cedo de casa e deixavam os miúdos eu lembro-me que fiz um que fiz eu que eu gostava mais era de fazer festas dia da mãe dia foi foi uma inovação e lembro-me que as mães foram no porto da cruz foram à primeira festa eu falei não tinham preparado nada e falei até desconhecer um pouco a realidade e chamei à atenção _ eu sei que as mães choraram e dizia aí eu desculpo e dizia_ chamei a atenção achava que existiam pouca ligação entre os filhos _ e eu dizia pronto agora vão dar um beijinho e oferecer a prenda e dar um beijinho à mãe eles ficavam tão envergonhados de levarem um beijo à mãe à frente dos outros _ e houve uma modificação gostei muito de tar lá em todos os lugares gostei

INQ1: hum

INF: portanto no santo tamém fazia uma festa do dia do dia natal fest do dia da mãe e o primeiro ano qu’eu fiz fiquei muito sensibilizada porque houve crianças as que tinha mais que me trouxeram prendas _ e eu fiquei ehh pronto e quando e tamém dava aqueles passeiozinhos a pé para que ver as plantas e não sei quê e então diziam ai a senhora professora com os seus anjinhos tamém quatro classes ehh _ pronto _ _há várias histórias mas não me lembro bem

INQ1: eh pratica algum tipo de desporto a a actualmente?

INF: desporto desporto não ia lá à praia e nadava já estive ali no só nadar na natação pra cá e pra lá e ando mas desporto não

INQ1: sim mas continua a a andar e

INF: ah tenho de andar ultimamente não tenho andando muito mas tenho tem de ser tenho de andar um bocadinho e ah já tive num ginásio a fazer só passadeira por causa a a a bicicleta depois tive de deixar por causa das costas

INQ1: mas quando era mais nova praticava?

INF: não não só não só se for à praia nadar um bocadito mas custa a andar só

INQ2: e o que é que costuma fazer nos fins-de-semana?

INF: olhe nos fins-de-semana eh eu gosto de tar em casa às vezes saio quando tenho não faço muita coisa ehh _ dou uma voltinha _ ao sábado vou lá abaixo e encontro com as eh com as pessoas amigas e e o resto fico aqui em casa vou

INQ2: hum

INF: só se tiver algum programa diferente um um um aniversário uma festa uma reunião de qualquer coisa

INQ2: eh devido à sua experiência como professora acha que as escolas particulares são melhores do que as escolas públicas?

INF: eu tenho de defender o meu coisa o as escolas públicas são melhores eh não sei se as escolas particulares antigamente parece que eram muito mais rígidas e como tamém tenho tinha aquele colégio o a madrinha tinha um colégio onde apesar de haver crianças com problemas crianças com dificuldades eh eram havia distinções porque naquele tempo a quarta classe dava para passar e com distinção havia muitos muito bons alunos _ não sei como mas havia tamém havia devia haver muita repressão eh havia bons alunos só que havia sempre uma guerrinha entre os pro nos exames entre os professores chamados oficiais que era do dos públicos e os particulares eh _ não sei não tenho muito contacto _eu tenho de tirar pelos meus colegas os meus colegas são hum hum (riso)

INQ1: ainda tem contacto com os seus colegas ainda?

INF: sim agora maior parte já está tudo reformado e porque eu vim pra casa e continuei a ir à escola me convidarem ia nas nas nas festas na _ nas celebrações e só que agora tá mais ou menos tudo reformados já são pessoas todas novas depois deixei dir [de ir] tamém não tenho lá já alunos

INQ2: hum

INQ1: ehh sente-se realizada com com a sua vida? cumpriu todos

INF: sim


INQ1: os sonhos que gostaria ou há alguma coisa que ainda gostaria de fazer

INF: não _ cumpri _ gostava de ter tido um filho ma não mas pronto aí com vinte e tal anos eh devia ter mas pronto

INQ1: mas

INF: mas tenho pessoas tenho sobrinhos tenho pessoas amigas eh gente jovem eh _ vão crescendo deixam de ser criancinhas

INQ2: eh porque que acha que actualmente há cada vez mais divórcios há cada vez mais familias a se separar? na sua opinião

INF: porque é que há _ porque as pessoas ehh já não toleram certas coisas portanto há um bocadinho de intolerância penso eu e ehh e à primeira muita gente e à primeira _ eh _ ou à primeira ou à segunda pronto não toleram ehhe há uma abertura maior andam sempre à procura de qualquer coisa as pessoas estão insatisfeitas andam à procura de e agora não há não há a pessoa pode estar junta e encontrar outra pessoa portanto como também liga mais há há mais contacto _ com outr com os outros se com as outras pessoas nos trabalhos nos serviços há maior abertura é natural que as pessoas a a comecem a gostar doutra _ e e há separação depois _e não lutam eu penso que naquele tempo ah gostava doutra pessoa ah mas sou casado ou sou casada vou-me manter agora não _ eh ou então escondiam _ eu penso que é por isso e depois tamém não há tolerância

INQ2: hum hum

INF: eh


INQ2: podemos ver isso também em relação aos filhos cada vez mais os casais decidem ter menos filhos

INF: menos filhos mas isso isso muitas vezes é a rela _eh _ a situação económica eh a situação económica o querer dar mais até podiam ter mais filhos o querer dar mais a este filho outras vezes são situações profissionais _ o que é que eu faço tenho um já tenho um filho _ é um trabalho _ é mais trabalho nós sabemos que uma criança pequenina começar tudo de novo e depôs [depois] às vezes arrependem-se e quando já têm os filhinhos o ohhh filho grande não ter dado um irmão e às vezes arrependem-se _ ter de terem posto o trabalho em cima de um m _eh profissional o a vida profissional acima do dos filhos mas eu penso que sim o mundo é incerto o que será não tendo filhos eu penso o que será hum eh _ penso que é por isso a a situação económica o trabalho ehh situação e mesmo o próprio trabalho que uma criança dá _ e sem saber o futuro que eles vão ter

INQ1: já que falamos em situação económica e situação a política e de profissão como é que acha que está o país _ hoje em dia _ a vida?

INF: hum assusta-me um pouco principalmente em relação ao ehh há muito desemprego _ eu não sei não percebo muito de política não sei que volta dar a isto eh mas acho que tá hum devem estar deve estar um país pobre eh não vejo saída de eh vemos as pessoas formadas às vezes sem não quero hum tar aqui eh ah outros conseguem _ mas pronto em relação ao futuro da das pessoas novas ainda _ e das pessoas que têm já ou que querem continuar a sua vida e estão no desemprego o desemprego pas [para os] mais antigos pode durar três anos _ e depois eh não sei _ a agricultura tá tudo e então agora a madeira depois disto _ deste acontecimento

INQ1: deve ter sido algo chocante ver isto na madeira

INF: sss


INQ1: nunca já assistiu a alguma coisa assim?

INF: ehh não _ não _ ouvia falar em pequenas coisas ma não sei em que ano há muitos anos na ribeira brava acont na ribeira brava _ também mas em machico houve uma coisa muito grande não sei se vocês já ouviram falar também foi a ribeira mas nada disto não sei eu já tava aqui não sei em que ano foi _ noventa e tal eu ainda estava a dar aulas noventa e seis _ ou noventa e sete houve qualquer coisa também _ eh que fica mas nada disto nada

INQ1: pensa que a madeira vai voltar a ser o que era _ vai voltar a se levantar?

INF: eu penso que sim mas temos muita dificuldade porque temos de ver a orografia _ da madeira _ é muito bonito e muitas pessoas dizem ai a madeira parece uma lapinha _ mas nós vivemos nas encostas _ tão frágeis por isso e o homem sempre procurou pra viver eh a os vales e os os rios as junto à agua vemos na história junto ao litoral por que devido ao desenvolvimento vivia tudo aí e isto não sei __ é difícil por que nós não não temos agora pela venda deitam o lixo lá em baixo mas onde é que vão deita-lo? onde é que vão pôr? _ vão levá-lo outra vez pôs pó alto pra vir pra baixo _ no paul da serra é mais plano eh

INQ2: acha que o turismo devido a esta tragédia vai diminuir muito? o que é que acha ?

INF: diminuir vai diminuir _ em princípio

INQ2: hum

INF: depois pode ser que _ penso que vai voltar isto tudo depende do dinheiro que houver pra arranjar isto

INQ2: hum

INF: e do tempo e se conseguem estabilizar essas percas e tamém acho que deviam arranjar aqueles passeios_ pedestres que deixaram as estradas as estradas antigas deviam ser ser manu mas não há dinheiro pra tudo_ a manutenção mas é provável que volte _ até por hum uma certa curiosidade nós vemos os países onde aconteceram tantas desgraças _e as pessoas a seguir vão vamos esperar que sim que não que não falhe assim tanto o turismo

INQ1: na madeira qual é o sotaque que gosta mais? que acha mais que acha mais engraçado pronto?

INF: mais engraçado nós todos falamos à madeirense _ bem o que as minhas colegas às vezes quando trabalharam foi o de câmara de lobos porque elas eu não sei hum acho piada quando elas começam a falar _ colegas que trabalharam lá e começam a falar eh eh talvez seja o mais engraçado não sei se é

INQ2: eh

INF: câmara de lobos tem um certo

INQ2: mas consegue diferenciar _ quando as pessoas falam pela maneira de falar e pelo seu pela sua pela sua pronúncia donde que estas pessoas vêm?

INF: eh aqui na madeira?

INQ2: sim

INF: pronto câmara de lobos sabemos eh depois havia havia uma coisa que em são martinho era tudo são martinhe_quando eu não vivia aqui _ eh não sei se é verdade se não_ sim sei dum agora tenho pena que eh eh aqui nas periferias santo antónio e são roque tinham assim uma pronúncia_não é bem a pronúncia é a maneira de falar um bocadinho

INQ2: hum

INF: o português ehhh formação das das frases e tudo

INQ2: eh

INQ1: eu penso que tá tá tudo

INQ2: ehh visto que foi muito nova morar com a sua madrinha não foi?

INF: dois anos

INQ2: hum

INF: e depois a minha mãe a mãe ficou boa mas já não

INQ2: hum

INF: mas tive sempre em contacto com as minhas irmãs com os meus com os meus avós paternos ia lá visitá-los eles vinham a minha mãe tamém enquanto não morreu

INQ2: hum

INF: morreu eu tinha dez anos _ ficava o depôs deu-lhe outra vez repetido

INQ2: que tipo de educação recebeu? foi educação assim mais rígida?

INF: fui uma educação muito rígida foi bastante rígida

INQ2: hum

INF: comportamental ehh de saber estar ehh de saber ehh foi foi rígida mas penso que era normal nu numa classe média

INQ2: hum

INF: mas fui rígida _ rígida porque é que se uma menina tem de se comportar assim embora eu por andar eh eh me vestissem à rapaz à rapazinho não por que era assim com uns folhinhos e não sei qué mas por eu viver ter de andar no meio dos rapazinhos que era os da escola ah fazer umas roupinhas de de de calça o que não era muito pás [para as] meninas embora tivessem uns folhinhos folhinhos de jardineiro _ então a menina vai andar no meio dos rapazes por causa de de dar pulos e para se levantar era era mas pronto _ e e muito e depois só quando tinha a visita de uma irmã ou qualquer coisa _ e tinha companhia

INQ1: tem muitas histórias com com com a sua irmã teve oito oito irmãos não é assim?

INF: e são todos mais velhos

INQ1: e são todos mais velhos eh tem ehh tem alguma história que nos queira contar?

INF: ehh pronto a a minha irmã mais acima eh que vinha à minha casa _ brincava com as minhas bonecas e ela fazia a cos cos fazia as roupinhas da boneca e eu não tinha muito muito jeito pra isso ehh eram eram visitas _ só comecei a ligar muito mais depois ah tínhamos assim quando ia à casa eh ia a casa e era assim _ eh ela pediu uns tostões _ à mãe íamos à _ lá à venda à mercearia comprar tremoços por que eu em casa onde eu vivia não havia tremoços aquilo eram uma eram um um e uns rebuçados deviam ser uns supe às perinhas e então tremoço aquilo era uma alegria _ a mãe arranjava um um tostão um tostão de tremoços e vínhamos as duas muito contentes _ e eu então tremoços que não comia na minha casa (riso) ir a casa da mãe era uma festa _ e e brincávamos as duas as outras eram mais velhas já

INQ2: hum

INQ1: penso que está tudo eh obrigado pelo pelo seu tempo

INF: de nada de nada tenho pena tamém já tar um bocadinho esquecida

INQ1: hum

INF: de nada tenho pena tamém já tar um bocadinho esquecida nã ter_ contado alguma história _ como professora __ eh mas eh só lhe posso dizer que _ no santo jogava à à à jogávamos à matança e à bola e ensinava _ fazia passeios íamos fazer recolha de _ de materiais ehh hum _ umas histórias assim _ traziam muitas flores muitas_ eu tenho um miúdo qu’éra muito rebelde _ desinquieto _ e uma vez ele ehh numa frase que ele disse eh aos outros _ ai eu posso fazer tudo posso fazer tudo qu`eu sou o menino da senhora professora brigava com ele dava-lhe às vezes umas palmadas e ele dizia sou o menino da senhora professora posso fazer tudo e eu às vezes tinha de desculpar e tinha de levá-lo da _ é assim a vida

INQ1: bem mais uma vez obrigado



INF: de nada

Baixar 27.23 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal