Hpp historia V3 pnld2018 Capa al pr indd



Baixar 43.85 Mb.
Pdf preview
Página436/513
Encontro04.08.2022
Tamanho43.85 Mb.
#24483
1   ...   432   433   434   435   436   437   438   439   ...   513
HisTPassadoPresente 3 MP 0027P18043 PNLD2018
MANUAL DO PROFESSOR 327
sentimento de desonra e revanchismo decorrente 
dos termos do Tratado de Versalhes impostos aos 
alemães ao fim da Primeira Guerra. Essas condições 
favoreceram a formação do Partido Nazista, sob a 
liderança de Adolf Hitler, de orientação ultranacio-
nalista e que defendia a instauração de um governo 
forte, capaz de lutar pela recuperação da Alemanha 
e da grandeza nacional.
4. Hitler, como führer, anulou a Constituição de 1919, 
instituiu a censura e suspendeu direitos e garantias 
civis. A polícia secreta alemã (a Gestapo) e as tro-
pas de elite nazistas (SS) começaram a perseguir, 
prender e torturar líderes religiosos, ciganos, ho-
mossexuais, judeus, líderes sindicais, comunistas 
e opositores em geral. Ao mesmo tempo, alcoóla-
tras, doentes mentais e pessoas com deficiência 
eram internados à força e submetidos a cirurgias 
de esterilização. Intelectuais, artistas e cientistas 
foram obrigados a exilar-se no exterior e os que 
permaneceram correram o risco de ser enviados 
aos campos de concentração. A partir de 1934, o 
antissemitismo tornou-se política oficial do Esta-
do, e os judeus foram proibidos de trabalhar em 
órgãos públicos, seus bens foram confiscados e 
eles não podiam mais se casar com pessoas consi-
deradas arianas. O Estado interveio diretamente 
na economia, promovendo a construção de obras 
públicas, incentivando a indústria de armamentos 
e definindo formas de planejamento econômico. 
Com a recuperação da economia, Hitler reconstruiu 
o poder militar da Alemanha e colocou em prática 
uma política territorial expansionista, violando o 
Tratado de Versalhes.
5. Com Stalin, o governo da União Soviética tornou-
-se cada vez mais centralizado, suprimindo a vida 
democrática, os direitos dos indivíduos, prendendo 
e assassinando seus opositores e criando um Estado 
totalitário de partido único – o Partido Comunista 
da União Soviética –, rígido e burocrático. Os di-
reitos individuais e coletivos foram praticamente 
extintos, as greves proibidas e o terror de Estado 
transformado num dos componentes da vida sovié-
tica. A polícia secreta perseguiu os opositores do re-
gime e até mesmo antigos aliados. Os camponeses 
que reagiram à coletivização forçada nas fazendas 
estatais foram igualmente presos e assassinados. 
Muitos foram enviados para os 
gulags, campos de 
trabalho forçado que abrigavam os opositores 
do regime. O stalinismo também silenciou uma 
geração extremamente criativa de intelectuais 
e artistas. Controlada pelo governo, a imprensa 
tornou-se mera propagandista do regime. Graças a 
ela e aos departamentos de propaganda, o ditador 
era cultuado em paradas militares e retratos pelo 
país. Assim, com Stalin, o sonho de uma sociedade 
igualitária e democrática transformou-se num 
pesadelo de um Estado policial ferreamente con-
trolado pela liderança do Partido Comunista.
6. A Guerra Civil Espanhola foi um conflito armado 
entre dois grupos antagônicos que disputavam o 
poder na Espanha. De um lado, a Frente Popular, 
legitimamente eleita em 1936, que reunia setores 
democráticos republicanos e grupos de esquerda 
apoiados pelos trabalhadores e por uma parte das 
classes médias. Do outro, a Falange, facção golpista 
liderada por Francisco Franco, de tendência fascis-
ta e de caráter nacionalista, que agrupava militares, 
grandes proprietários de terra, representantes da 
Igreja e da burguesia urbana. Ao final do conflito, 
os falangistas venceram e Franco assumiu o poder 
como ditador, no qual permaneceu até sua morte
em 1975. Questões ideológicas contribuíram para 
que a Guerra Civil Espanhola ganhasse dimensões 
internacionais. Os falangistas, grupo de direita, 
conseguiram o apoio dos governos da Itália e da 
Alemanha, que, na época, viviam sob os regimes do 
fascismo e do nazismo, respectivamente. Já a Fren-
te Popular, que tinha em suas fileiras comunistas, 
conseguiu o apoio do governo da União Soviética, 
que vivia sob o comunismo. A União Soviética, a 
Itália e a Alemanha enviaram armas, veículos de 
guerra e combustível para as tropas que apoiavam. 
Portugal, que apoiou os militares rebelados, enviou 
13 mil soldados para lutarem contra a Frente Popu-
lar. Os republicanos, por sua vez, contaram com a 
força de 50 mil voluntários vindos de 53 países que 
formaram as Brigadas Internacionais. A França, a 
Inglaterra e os Estados Unidos preferiram manter 
a neutralidade.

Baixar 43.85 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   432   433   434   435   436   437   438   439   ...   513




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal