Hpp historia V3 pnld2018 Capa al pr indd


iNterpretaNdO dOcuMeNtOs: iMaGeM



Baixar 43.85 Mb.
Pdf preview
Página324/513
Encontro04.08.2022
Tamanho43.85 Mb.
#24483
1   ...   320   321   322   323   324   325   326   327   ...   513
HisTPassadoPresente 3 MP 0027P18043 PNLD2018
iNterpretaNdO dOcuMeNtOs: iMaGeM
Observe a imagem ao lado. Trata-se da capa da 
edição especial da revista americana 
Time. Anual-
mente, essa revista elege uma personalidade do 
ano, por conta de suas realizações positivas ou ne-
gativas, que influenciaram o mundo naquele ano.
A capa selecionada é da edição de 2011, que elegeu 
como personalidade do ano o manifestante. A par-
tir da análise da imagem, responda ao que se pede.
a) A capa da revista foi produzida em 2011. Qual 
era o contexto histórico que justifica a escolha 
do manifestante como a personalidade do ano 
naquele momento?
b) O desenho do manifestante permite situá-lo 
em algum país específico? Por que a revista de-
cidiu representá-lo dessa maneira? Formule hi-
póteses para responder aos questionamentos.
c) A capa é um registro do começo da década de 
2010. Você acredita que a figura do manifestan-
te continua relevante? Justifique sua resposta 
com exemplos concretos.
R
e
p
ro
d
u
ç
ã
o/
T
im
e
I
nc
.
O manifestante foi o escolhido pela 
Time em 2011.
255
Mundo globalizado 

CAPÍTULO 12
HMOV_v3_PNLD2018_242a258_U4_C12.indd 255
21/05/16 20:21


teste seu cONHeciMeNtO
(Unicamp
-SP)
Desde a queda do império comunista na Europa, nos 
anos 1989-1991, assiste-se a uma nova forma de messia-
nismo político que consiste em impor o regime democrá-
tico e os direitos humanos pela força.
(Adaptado de Tzvetan Todorov, Os inimigos íntimos da
democracia. São Paulo: Companhia das Letras, 2012, p. 55.)
O quadro descrito pelo texto pode ser ana-
lisado
a) como herança das lutas anticoloniais 
exemplificada na organização em torno 
do Estado multiétnico, como ocorreu na 
África do Sul.
b) como parte da nova ordem mundial sob 
a liderança dos EUA e seu poder bélico 
em regiões como a Síria e o Afeganistão.
c) como o estabelecimento de um princí-
pio que desestabiliza as lógicas internas 
de organização, como ocorreu no Iraque 
e na ex-Iugoslávia.
d) como herança da Guerra Fria e como 
utilização da lógica militar que inviabi-
liza a adoção da democracia em regiões 
como a Ucrânia.
(Fuvest
-SP)
O processo de expansão das características multila-
terais do sistema ocidental nas diversas áreas do mundo 
conheceu crescente impasse a partir do início do novo 
século. A sustentabilidade de um sistema substancial-
mente unipolar mostrou-se cada vez mais crítica, preci-
samente em face das transformações estruturais, liga-
das, antes de mais nada, ao crescimento econômico da 
Ásia, que pareciam complementar e sustentar a ordem 
mundial do pós-Guerra Fria. A ameaça do fundamenta-
lismo islâmico e do terrorismo internacional dividiu o 
Ocidente. O papel de pilar dos Estados Unidos oscilou 
entre um unilateralismo imperial, tendendo a renegar as 
próprias características da hegemonia, e um novo multi-
lateralismo, ainda a ser pensado e definido.
Silvio Pons. A revolução global: história
do comunismo internacional (1917–1991).
Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.
O texto propõe uma interpretação do ce-
nário internacional no princípio do século XXI 
e afirma a necessidade de se
a) valorizar a liderança norte-americana 
sobre o Ocidente, pois apenas os Esta-
dos Unidos dispõem de recursos finan-
ceiros e militares para assegurar a nova 
ordem mundial.
b) reconhecer a falência do modelo co-
munista, hegemônico durante a Guerra 
Fria, e aceitar a vitória do capitalismo e 
da lógica multilateral que se constituiu 
a partir do final do século XX.
c) combater o terrorismo islâmico, pois ele 
representa a principal ameaça à estabi-
lidade e à harmonia econômica e políti-
ca entre os Estados nacionais.
d) reavaliar o sentido da chamada globa-
lização, pois a hegemonia política e fi-
nanceira norte-americana tem enfren-
tado impasses e resistências.
e) identificar o crescimento vertiginoso da 
China e reconhecer o atual predomínio 
econômico e financeiro dos países do 
Oriente na nova ordem mundial.
(IFSC)
Em meados da década de 1970, começou um período 
que muitos analistas chamam de Terceira Revolução Indus-
trial, com o desenvolvimento da microeletrônica e das co-
municações pela criação das redes de computadores, fibra 
óptica e satélites que proporcionaram o processamento e 
a difusão de informações numa velocidade cada vez maior. 
A facilidade de comunicação e transporte possibilitaram 
a expansão de empresas transnacionais pelo mundo todo.
Adaptado de MORENO, Jean Carlos; GOMES,
Sandro Vieira. História: cultura e sociedade. Ensino Médio,
Curitiba: Ed. Positivo, 2010. p. 324.
Sobre a globalização assinale a alternativa 
correta.
a) Um dos efeitos da globalização foi o fim 
das crises econômicas em cadeia, pelo 
fato de a economia mundial ser coorde-
nada por instituições centralizadas que 
planejam as ações financeiras em todo 
o mundo.
b) As fusões e aquisições de grandes em-
presas impediram a mundialização do 
comércio, das indústrias e do capital fi-
nanceiro, fortalecendo o mercado local.
1
2
3
NÃO
ESCREVA
NO
LIVRO
256

Baixar 43.85 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   320   321   322   323   324   325   326   327   ...   513




©historiapt.info 2023
enviar mensagem

    Página principal