Hpp historia V3 pnld2018 Capa al pr indd



Baixar 43.85 Mb.
Pdf preview
Página149/513
Encontro04.08.2022
Tamanho43.85 Mb.
#24483
1   ...   145   146   147   148   149   150   151   152   ...   513
HisTPassadoPresente 3 MP 0027P18043 PNLD2018
Formule uma argumentação 
para explicar a utilização de cartazes 
ao longo da História e aponte quais 
meios de comunicação você acredita 
que cumprem uma função semelhante 
no presente.
teste seu cOnHeciMentO
(Uerj) Os mapas constituem uma represen-
tação da realidade. Observe, na imagem 
abaixo, dois mapas presentes na reporta-
gem intitulada “Um estudo sobre impé-
rios”, publicada em 1940.
Adaptado de MONMONIER, M. 
How to lie with maps
[como mentir com mapas]. chicago/Londres:
The University of chicago Press, 1996.
O uso da cartografia nessa reportagem 
evidencia uma interpretação acerca da Se-
gunda Guerra Mundial. Naquele contexto 
é possível reconhecer que essa represen-
tação cartográfica tinha como finalidade:
a) criticar o nacionalismo alemão.
b) justificar o expansionismo alemão.
c) enfraquecer o colonialismo britânico.
d) destacar o multiculturalismo britânico.
(Unesp)
A viagem levou uns vinte minutos. O caminhão 
parou; via-se um grande portão e, em cima do portão, 
uma frase bem iluminada (cuja lembrança ainda hoje 
me atormenta nos sonhos): ARBEIT MACHT FREI — o 
trabalho liberta. Descemos, fazem-nos entrar numa 
sala ampla, nua e fracamente aquecida. Que sede! O 
leve zumbido da água nos canos da calefação nos en-
louquece: faz quatro dias que não bebemos nada. Há 
uma torneira e, acima, um cartaz: proibido beber, água 
poluída. Besteira: é óbvio que o aviso é um deboche. 
“Eles” sabem que estamos morrendo de sede [...]. Bebo, 
e convido os companheiros a beber também, mas logo 
cuspo fora a água: está morna, adocicada, com chei-
ro de pântano. Isto é o inferno. Hoje, em nossos dias, o 
inferno deve ser assim: uma sala grande e vazia, e nós, 
cansados, de pé, diante de uma torneira gotejante, mas 
que não tem água potável, esperando algo certamen-
te terrível acontecer, e nada acontece, e continua não 
acontecendo nada.
LEVI, Primo. 
É isto um homem? Rio de Janeiro:
Editora Rocco, 1988.
A descrição, por Primo Levi, de sua chega-
da a Auschwitz em 1944 revela
a) o reconhecimento da própria culpa, por 
um prisioneiro recolhido a um campo de 
concentração nazista.
b) o alívio com o fim da viagem em dire-
ção à prisão e a aceitação das condi-
ções de vida existentes no campo de 
concentração.
1
2
NÃO
ESCREVA
NO
LIVRO
R
e
p
ro
du
ç
ão
/U
er
j
112

Baixar 43.85 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   145   146   147   148   149   150   151   152   ...   513




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal