Histórico e contextualização do Programa



Baixar 334.08 Kb.
Página4/50
Encontro17.03.2020
Tamanho334.08 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   50



Proposta Curricular


Estrutura Curricular

A estrutura acadêmica e curricular do Programa está em consonância com suas linhas de pesquisa e com os projetos de pesquisa desenvolvidos em seus núcleos. O Programa conta com 12 linhas de pesquisa e 47 disciplinas de 04 créditos/60 horas cada – 04 obrigatórias e as demais eletivas – que são ofertadas pelos seus professores regularmente e de forma alternada. Além das disciplinas, a grade curricular do Programa inclui 08 tópicos de 01 crédito/15 horas ou 02 créditos/30 horas, que são ofertados esporadicamente por professores do Programa geralmente em parceria com professores visitantes. As disciplinas oferecem os conteúdos fundamentais para a formação clássica de um antropólogo, ao passo que os tópicos apresentam temas emergentes e inovadores que buscam abrir horizontes e perspectivas novas para os estudantes. O Programa possui os cursos de mestrado acadêmico e de doutorado.


O prazo regimental para obtenção do título de mestre é de 02 anos, a contar da data inicial da matrícula do aluno. Em 2014 houve uma mudança no Regimento do Programa e o número de créditos para o mestrado passou de 32 para 28, sendo que o número de créditos obrigatórios permaneceu o mesmo. Dos 28 créditos, 12 créditos são provenientes das disciplinas obrigatórias – Teoria Antropológica I; Teoria Antropológica II e Métodos e Técnicas de Pesquisa – os demais a partir do elenco de disciplinas e tópicos especiais, oferecido pelo Programa. Os alunos devem cursar um mínimo de 08 créditos em disciplinas eletivas e um máximo de 04 créditos em tópicos especiais. Outros créditos podem ser obtidos com as disciplinas Estágio Docência e Práticas Acadêmicas. A fase de obtenção de créditos ocorre nos três semestres que seguem a data de ingresso do aluno no Programa. No decorrer do terceiro semestre, é exigido do aluno a apresentação de um plano de estudos em vista à elaboração da dissertação. A defesa da dissertação se realiza em sessão pública, diante de uma Banca Examinadora, constituída, além do orientador, de três doutores designados pela Comissão de Pós-Graduação, sendo pelo menos um deles externo ao Programa.
O prazo regimental para a obtenção do título de doutorado é de 04 anos e a exigência mínima é 44 créditos, dos quais 12 são oriundos de disciplinas obrigatórias do mestrado, 04 créditos da disciplina "Seminário de Doutorado". Os outros 28 créditos devem ser cursados como disciplinas eletivas ou tópicos especiais. O Programa pode reconhecer até um terço dos créditos opcionais cursados em outros programas de pós-graduação. Os alunos que cursaram o mestrado no PPGAS/UFRGS têm validados todos os créditos concluídos anteriormente, desde que os mesmos tenham sido cursados a menos de 06 anos. O aluno de doutorado deverá apresentar, até o final do segundo semestre letivo, o projeto de tese. No final do quinto semestre do curso ele deverá realizar o Exame de Qualificação diante de uma banca constituída para esta finalidade que será composta pelo orientador, que presidirá o exame, e por dois outros professores doutores. A defesa da tese é feita em sessão pública, diante de uma Banca Examinadora, constituída, além do orientador, de, no mínimo, três doutores, sendo pelo menos dois examinadores externos ao Programa, e, um destes, externo à UFRGS.
O processo de seleção para ingresso no mestrado e no doutorado é realizado mediante editais públicos específico para cada um dos níveis, elaborado pelas respectivas comissões de seleção, aprovados pela Câmara de Pós-Graduação da UFRGS e divulgados na página web do Programa. As inscrições são realizadas online e os resultados de cada uma das etapas do processo são divulgados na página web do Programa. Ao lado do processo regido por estes editais, o Programa também contempla estudantes selecionados pelo Edital PEC-PG do Ministério do Exterior/CNPq.
Em 2015, o Programa passou a discutir de forma efetiva a implantação das políticas afirmativas, criando uma Comissão de Políticas Afirmativas, composta por docentes e discentes, a qual estudou formas de implementação nacional das ações afirmativas na pós-graduação, assim como analisou as experiências locais na gestão das ações afirmativas na graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Esta Comissão também realizou uma série de eventos e reuniões abertas com objetivo de discutir as ações afirmativas na pós-graduação, com participação ampla de professores de outros Programas de Pós-Graduação, bem como de discentes de mestrado e de doutorado em Antropologia que ingressaram através das ações afirmativas. Em consonância com as orientações da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação (ANPOCS) que, em reunião anual de outubro de 2015 aprovou a menção 003/2015 referente à recomendação aos cursos de pós-graduação em Ciências Sociais que estabeleçam cotas para pessoas com deficiência e criem comitês de acessibilidade para garantir direitos, o Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFRGS criou uma Comissão de Acessibilidade. Tal Comissão, composta por docentes e discentes do Programa, tem o objetivo de analisar e apontar melhores estratégias para o ingresso e permanência de alunos com deficiência. O desafio da discussão acerca da implantação das políticas afirmativas para negros, indígenas e deficientes é um dos compromissos importantes que o Programa assumiu em 2015.



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   50


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal