Hfd revista, V. 5, n. 10, p. 73-90, ago/dez 2016 Uma análise crítica das condições de trabalho



Baixar 252.45 Kb.
Pdf preview
Página4/14
Encontro13.07.2022
Tamanho252.45 Kb.
#24247
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   14
8832-Texto do artigo-28251-1-10-20161201
O aprimoramento das máquinas 
Como dito anteriormente e conforme Hobsbawm (2009), um dos fatores que 
provocaram a industrialização está relacionado à matéria-prima do vestuário, prin-
cipalmente o algodão. Isso porque, o problema técnico que levou a mecanização 
na fabricação do tecido de algodão foi o desequilíbrio entre a eficiência da fiação e 
a eficiência da tecelagem. A roca de fiar era um mecanismo menos produtivo que o 
tear e já não supria os tecelões com fios em quantidade suficiente. 
De acordo com Henderson (1969), essas foram invenções fundamentais que al-
teraram a produção:
• Em 1733, John Kay inventou a lançadeira impulsionada, que duplicava o ren-
dimento do tecelão de tear manual. Construiu também uma máquina para 
cardas desenredarem as fibras antes da fiação. 
• Em 1759, um dos filhos de Kay inventou o caixão de lançadeiras múltiplas, no 
qual uma peça de pano podia ser tecida em três cores, quase tão depressa 
quanto uma branca.
• Em 1760, James Hargreaves inventou o jenny (fiandeira múltipla manual), 
que permitia ao fiandeiro trabalhar com oito fusos em vez de um – também 
chamada de Spinning Jenny.
• Em 1769, Richard Arkwright inventou uma máquina de cardar com motor 
hidráulico.
• Em 1779, Samuel Crompton inventou uma máquina movida a água, chamada 
de mula, por combinar característica de duas outras, conhecida como Spin-
ning Mule. (BRAUDEL, 1996).
• Em 1784, o reverendo Edmund Cartwright construiu um tear mecânico
• (power loom), ainda bastante rudimentar. (BURNS e BRYANT, 2007).
Os avanços ocorridos nas máquinas têxteis, inicialmente tinham o objetivo de 
suprir a necessidade de fios, citada no início do capítulo, para que os tecelões pudes-
sem produzir os tecidos. Porém, essa necessidade se transformou, como mostra o 
seguinte quadro:
Trabalho manual
Período
Trabalho mecanizado
Fiação não supria os tece-
lões com fios o bastante
Século XVIII
A tecelagem era mais veloz 
do que a carda e a fiação
A tecelagem manual coexistiu aproximadamente meio século (1750-1800) com a 
fiação mecânica
A tecelagem não acompa-
nhava o ritmo da fiação
Século XIX
A fiação era mais veloz do 
que a tecelagem
Tabela 1: A divisão do trabalho
Fonte: Elaborado pelos autores.


Tatiana Castro Longhi
Flávio Anthero Nunes Vianna dos Santos
Uma análise crítica das condições de trabalho na indústria têxtil desde 
a industrialização do setor até os dias atuais
78
HFD Revista, v.5, n.10, p.73-90, ago/dez 2016
Segundo Braudel (1996), a tecelagem manual teve que aumentar substancial-
mente o seu efetivo, com salários atrativos, levando os camponeses a se apresenta-
rem com toda a família para as vagas nas fábricas, causando um grande crescimento 
demográfico. Em Manchester, de 1760 a 1830 a população passou de 17.000 para 
180.000 habitantes. Entretanto, a estrutura urbana não acompanhou esse cresci-
mento. Homens, mulheres e crianças viviam amontoados até em porões, e ainda não 
eram suficientes para suprir a demanda. Assim, uma massa de imigrantes, veio se 
juntar as mulheres e crianças, pois estes também aceitavam salários menores que os 
dos homens locais.

Baixar 252.45 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   14




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal