Glutol finalidade



Baixar 249.81 Kb.
Página1/2
Encontro12.03.2020
Tamanho249.81 Kb.
  1   2


GLUTOL






Finalidade:

Glicose aromatizada, para realização do Teste de Tolerância a Glicose.



Registro ANVISA:

10097010001



Apresentação:

610125 GLUTOL LIMÃO PÓ 600g POTE

610126 GLUTOL LIMÃO PÓ 600g SACHÊ

610667 GLUTOL LIMÃO 75g FR 300mL 1UN

610671 GLUTOL GUARANA 75g FR 300mL 1UN

610672 GLUTOL LIMÃO 50g FR 200mL 1UN

610673 GLUTOL LIMÃO 100g FR 300mL 1UN

610668 GLUTOL FRUTAS VERMELHAS 75g FR 300mL 1UN

610669 GLUTOL MAÇÃ VERDE 75g FR 300mL 1UN



LB 170140

Rev. 16 – 10/2019




1. INTRODUÇÃO

Diabetes mellitus (DM) não é uma única doença, mas um grupo heterogêneo de distúrbios metabólicos que apresenta em comum a hiperglicemia, resultante de defeitos na ação da insulina, na secreção de insulina ou em ambas.

No diabetes se verificam níveis elevados de glicose no sangue durante um longo intervalo de tempo. Os sintomas da elevada quantidade de glicose incluem necessidade frequente de urinar e aumento da sede e da fome. Quando não é tratada, a diabetes pode causar várias complicações. Entre as complicações agudas estão a cetoacidose, coma hiperosmolar, hiperglicêmico ou morte. Entre as complicações em longo prazo estão doenças cardiovasculares, acidentes vasculares cerebrais, doença renal crónica, úlceras no pé e retinopatia diabética.

Dentre os fatores de risco para o Diabetes mellitus podem ser citados:

- Idade igual ou superior a 45 anos

- Histórico familiar da doença (pais, filhos e irmãos)

- Excesso de peso

- Sedentarismo

- HDL colesterol baixo ou triglicerídeos elevados

- Hipertensão arterial

- Doença coronariana

- DM gestacional prévio

- História de abortos de repetição, de mortalidade perinatal ou de recém-nascidos macrossômicos

- Uso de medicação hiperglicemiante (corticosteróides, tiazídicos e betabloqueadores)
Esta doença pode ser classificada em Diabetes mellitus tipo 1, acometendo 5 a 15% dos pacientes, havendo destruição das células ß do pâncreas com absoluta deficiência de insulina, ocorrendo por um processo patológico autoimune. E em Diabetes mellitus tipo 2, acometendo 85 a 95% dos pacientes por resistência idiopática ou por predisposição genética à insulina.
A Diabetes mellitus tipo 1 resulta da produção de quantidade insuficiente de insulina pelo pâncreas. Este tipo era anteriormente denominado "diabetes insulino-dependente". As causas são desconhecidas.

A Diabetes mellitus tipo 2 tem origem na resistência à insulina, uma condição em que as células do corpo não respondem à insulina de forma adequada. À medida que a doença avança, pode também desenvolver-se insuficiência na produção de insulina. Este tipo era anteriormente denominado "diabetes não insulino-dependente". A principal causa é peso excessivo e falta de exercício físico.


Outro tipo é a diabetes gestacional (DMG), que é a condição em que uma mulher sem diabetes apresenta níveis elevados de glicose no sangue durante a gravidez.
No teste de tolerância a glicose (TTG), um resultado negativo não garante que o paciente não venha a desenvolver a sintomatologia futuramente. O TTG é indicado exclusivamente como auxiliar no diagnóstico do Diabetes mellitus, para o controle da doença e tratamento, recomenda-se outras provas (hemoglobina glicosilada, frutosamina etc.).
O Glutol apresenta uma série de vantagens comparadas às formas tradicionais de se administrar a sobrecarga de glicose no paciente para execução do TTG, entre elas a de possuir o teor de ácido ascórbico controlado de forma a não interferir no doseamento, ser aromatizado e sua forma em pó ser solúvel em água gelada.
Tratamento

A Diabetes mellitus é uma doença crônica, sem cura por tratamentos convencionais, e sua ênfase médica deve ser necessariamente em evitar/administrar problemas possivelmente relacionados à diabetes a longo ou curto prazo.

O tratamento é baseado em cinco conceitos:

- Conscientização e educação do paciente, sem a qual não existe aderência.

- Alimentação e dieta adequada para cada tipo de diabetes e para o perfil do paciente.

- Vida ativa, mais do que simplesmente exercícios.

- Medicamentos: Hipoglicemiantes orais e Insulina

- Monitoramento dos níveis de glicose e hemoglobina glicada.


Tanto a prevenção, como o tratamento da diabetes consiste em manter uma dieta saudável, praticar regularmente exercício físico, manter um peso normal e abster-se de fumar.

É extremamente importante a educação do paciente, o acompanhamento de sua dieta, exercícios físicos, monitoramento próprio de seus níveis de glicose, com o objetivo de manter os níveis de glicose a longo e curto prazo adequado. Um controle cuidadoso é necessário para reduzir os riscos das complicações em longo prazo.

Isso pode ser alcançado com uma combinação de dietas, exercícios e perda de peso (tipo 2), várias drogas diabéticas orais (tipo 2 somente) e o uso de insulina (tipo 1 e tipo 2 que não esteja respondendo à medicação oral). Além disso, devido aos altos riscos associados de doença cardiovascular, devem ser feitas modificações no estilo de vida de modo a controlar a pressão arterial e o colesterol, se exercitando mais, fumando menos e consumindo alimentos apropriados para diabéticos, e se necessário, tomando medicamentos para reduzir a pressão.

O uso de bombas de insulina pode ajudar na administração regular de insulina, porém tem custo elevado quando comparadas as seringas comuns. Outras opções incluem as canetas de insulina e os injetores de insulina a jato.



A diabetes gestacional geralmente resolve-se por si própria após o nascimento do bebé. No entanto, se não for tratada durante a gravidez pode ser a causa de várias complicações para a mãe e para o bebê.

2. COMPOSIÇÃO






Compartilhe com seus amigos:
  1   2


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal