Geologia estrutural da porçÃo noroeste da folha taperuaba (SB. 24-v-b-ii), região de taperuaba, sobral ceará Valber do Carmo de Souza Gaia



Baixar 213.27 Kb.
Página3/3
Encontro17.03.2020
Tamanho213.27 Kb.
1   2   3
História Da Deformação

O primeiro estágio deformacional atuante na área é caracterizado por uma etapa de deformação dúctil. Esta etapa é marcada por um cavalgamento de baixo ângulo num esquema de nappes, evidenciado pelo baixo ângulo de foliação e pelo forte valor de rake na relação entre lineação de estiramento mineral e a direção da foliação. A análise destas evidências permite concluir que ocorreu transporte de massa de NW para SE. A foliação representa geometricamente o plano XY que equivale ao plano de movimentação de massas.

Provavelmente estes processos de deformação estão atribuídos a aos eventos do Ciclo Brasiliano (0,7 – 0,5 Ga) que provavelmente atuaram nas rochas neoproterozóicas e também sobrepuseram o Ciclo Transamazônico (2,2 – 1,8 Ga) que atuaram sobre as rochas paleoproterozóicas do Complexo Ceará. O processo de deformação do Ciclo Brasiliano foi responsável pela homogeneização das rochas metamórficas da área.

Ao final do evento deformacional dúctil ocorreram fraturamentos tardios do tipo cisalhamento, relacionados ao regime não coaxial dúctil, resultando na geração dos pares cisalhantes encontrados próximos às zonas de cisalhamento.



Representando o segundo evento, encontam-se todas as estruturas rúpteis marcadas pelas falhas e fraturas de tensão relacionadas a vários momentos de deformação.

De modo geral, pode-se afirmar que esta área possui estruturas formadas em dois grandes eventos deformacionais distintos, ocorridos sem momentos diferentes, durante a evolução geológica do noroeste do Ceará.


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal