Geografia volume 3 Manual do Professor



Baixar 2.45 Mb.
Pdf preview
Página13/125
Encontro27.07.2022
Tamanho2.45 Mb.
#24383
1   ...   9   10   11   12   13   14   15   16   ...   125
silo.tips geografia-volume-3-manual-do-professor
Manual do Professor
11
EE_G15GSM3.indb 11
24/05/13 09:15


Interdisciplinaridade
Conforme explicitado nos itens anteriores, o processo de ensino-aprendizagem no mundo contemporâneo 
requer a abordagem interdisciplinar, salientada também nas orientações presentes nos documentos oficiais, 
retomamos que a interdisciplinaridade acrescida de contextualização deve assegurar a transversalidade do 
conhecimento de diferentes componentes curriculares, propiciando a interlocução entre os saberes e os dife-
rentes campos do conhecimento. (BRASIL, 2012)
O termo “interdisciplinaridade”, entretanto, tem sido utilizado e reproduzido com vários significados e, em 
geral, subentende a busca de um “denominador comum” entre as diferentes disciplinas, no qual estas perdem 
sua importância. Diante disso, Jantsch e Bianchetti salientam:
A interdisciplinaridade, enquanto princípio mediador entre as diferentes disciplinas, não poderá jamais 
ser elemento de redução a um denominador comum, mas elemento teórico-metodológico da diferença 
e da criatividade. A interdisciplinaridade é o princípio da máxima exploração das potencialidades de 
cada ciência, da compreensão dos seus limites, mas, acima de tudo, é o princípio da diversidade e da 
criatividade. (JANTSCH e BIANCHETTI, 1995, p. 14) 
Nota-se, portanto, a importância do conhecimento disciplinar, cujas potencialidades precisam ser exploradas 
ao máximo, até mesmo para que o interdisciplinar possa existir. Mas adotar o princípio da diversidade não significa 
que se possa ignorar que há limites para esse conhecimento parcial e que ele necessita da interdisciplinaridade 
como “princípio mediador” entre as diferentes disciplinas. 
Preocupação semelhante é manifestada por Frigotto, para quem a necessidade de se pensar na interdiscipli-
naridade funda-se na própria realidade social, que é dialética no sentido de ser, ao mesmo tempo, una e diversa
o que nos impõe distinguir os limites reais dos sujeitos que investigam o objeto. 
[...] se o processo de conhecimento nos impõe a delimitação de determinado problema, isto não sig-
nifica que tenhamos que abandonar as múltiplas determinações que o constituem. E, neste sentido, 
mesmo delimitado, um fato teima em não perder o tecido da totalidade de que faz parte indissociável. 
(FRIGOTTO, 1995, p. 27)
A reflexão de Frigotto, ainda que se volte mais para a questão da produção do conhecimento no meio acadêmico 
e em especial nas Ciências Sociais, permite estabelecer um paralelo com o que se passa na escola, que muitas 
vezes também é fragmentado, o que a impede de atuar no sentido de buscar a superação dos próprios problemas 
e limitações. Veremos mais adiante que o método do Estudo do Meio pode contribuir para o desenvolvimento de 
uma abordagem que situe os problemas e os desafios da escola no “tecido da totalidade”.
A interdisciplinaridade coloca-se, portanto, como um processo necessário no sentido de se vencer as barreiras 
impostas pela fragmentação do conhecimento. Nesse sentido, Pontuschka (1994) destaca o vínculo que deve 
ser criado entre os sujeitos que pretendem construir um conhecimento em conjunto, afinal a ciência é feita por 
pessoas e por individualidades que emergem durante qualquer discussão e ação coletiva. 
Isso é particularmente importante no ambiente escolar e, junto com as dificuldades teórico-metodológicas 
do trabalho interdisciplinar, talvez seja uma das razões do seu lento avanço nas práticas pedagógicas. Trata-se, 
portanto, de um processo que não se dá sem o trabalho individual – cada professor conhecendo profundamente a 
própria especialidade e seus respectivos conceitos e categorias – nem sem o trabalho coletivo. E, com este último, 
surgem as diferenças que permeiam o espaço social da escola e, ao mesmo tempo, fortalecem a solidariedade e 
a busca da totalidade (PONTUSCHKA, 1994, p. 122-123).
Portanto, é preciso ter presente que a perspectiva interdisciplinar não visa ao consenso, à eliminação das 
diferenças. Ao contrário, faz emergir as diferenças, dando-lhes um novo sentido, segundo o qual o conflito é 

Baixar 2.45 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   9   10   11   12   13   14   15   16   ...   125




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal