Geografia no cotidiano: ensino médio, 3º ano



Baixar 11.43 Mb.
Página89/239
Encontro18.07.2022
Tamanho11.43 Mb.
#24300
1   ...   85   86   87   88   89   90   91   92   ...   239
Geografia no cotidiano ensino m dio, 3 ano
ticket
VÁ FUNDO!
Assista a:
Josué de Castro – cidadão do mundo
Direção: Silvio Tendler. Brasil, 1994. 50 min.
Documentário sobre o pensamento do geógrafo Josué de Castro.
Josué de Castro
O médico e geógrafo Josué de Castro (1908-1973) foi professor e estudioso dos problemas de alimentação em vários países. Na década de 1950, foi presidente do Conselho da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e da Associação Mundial de Luta contra a Fome. No início da década de 1960, foi embaixador do Brasil na ONU, em Genebra, mas demitiu-se em razão do Golpe Militar de 1964, quando teve seus direitos políticos cassados. Escreveu obras importantes, como Geografia da fome, O problema da alimentação no Brasil, A explosão demográfica e a fome no mundo, entre outras.

BIBLIOTECA NACIONAL DA FRANÇA, PARIS
Josué de Castro, em 1956.

Página 148


Características dos países menos desenvolvidos
Interdisciplinaridade Matemática
Ao longo dos últimos séculos, os países pobres foram submetidos a diversos interesses dos países ricos, que estabeleceram estratégias de desenvolvimento danosas ao ambiente e desestruturadoras das sociedades, não considerando as especificidades culturais e as dinâmicas regionais.
Esse tipo de relação determinou características socioeconômicas semelhantes nas nações menos desenvolvidas. Onde se estabeleceram colônias de exploração, até hoje é marcante a presença da miséria, da falta de recursos e de infraestrutura e a existência de grande desigualdade social.
Se é verdade que algumas dessas nações mais pobres conseguiram, mesmo que tardiamente, certo desenvolvimento industrial e outras acumularam riquezas graças à extração mineral (principalmente do petróleo), a maioria sempre esteve à margem desse processo e viu aumentar cada vez mais sua distância em relação ao Norte rico.
De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), no início do século XXI havia no mundo 1,2 bilhão de habitantes vivendo com menos de 1 dólar por dia e 2,8 bilhões – quase a metade da população –, com menos de 2 dólares por dia.
Grandes desigualdades sociais

Índice Gini de alguns países – 2010-2013

País

Índice de Gini

Ucrânia

0,25

Noruega

0,26

França

0,33

Estados Unidos

0,41

Uruguai

0,41

China

0,42

Brasil

0,53

África do Sul

0,63

Fonte: Banco Mundial. Disponível em:. Acesso em: 16 fev. 2016.
Segundo dados do PNUD, a soma do patrimônio das 15 pessoas mais ricas do mundo é superior ao PIB de toda a África Subsaariana. Outro levantamento, feito pelo banco Credit Suisse em 2015, mostrou que a fortuna de 62 pessoas juntas correspondia à renda de cerca de 3,6 bilhões de indivíduos do planeta.
Esse acúmulo de riquezas concentradas entre poucas pessoas, no entanto, não se impõe apenas por parte de algumas nações mais ricas sobre a maioria das mais pobres. No interior dos países menos desenvolvidos também há uma grande disparidade entre a renda de uma pequena classe dominante e a do restante de sua população.
Para calcular essa disparidade, a ONU se baseia no índice Gini, que consiste em medir a desigualdade entre ricos e pobres, conforme você estudou no Capítulo 3. Ele varia de 0, quando não há desigualdade, a 1, quando a desigualdade é máxima. Veja na tabela acima o índice de algumas nações do mundo e perceba que as mais pobres apresentam pior distribuição de renda.

Página 149



Baixar 11.43 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   85   86   87   88   89   90   91   92   ...   239




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal