Faculdade de letras universidade do porto



Baixar 0.57 Mb.
Página27/42
Encontro08.02.2022
Tamanho0.57 Mb.
#21499
1   ...   23   24   25   26   27   28   29   30   ...   42

Contos de Fadas

Referi acima uma colagem aos contos de fadas que se pode verificar em “Os Assassínios de Fall River”. Neste conto, realidade e fantasia estão constantemente a ultrapassar as respetivas fronteiras, como nos diz Janet L. Langlois (1998), “Andrew Borden’s Little Girl – Fairy-Tale Fragments In Angela Carter’s ‘The Fall River Axe Murders’ And ‘Lizzie’s Tiger” em Marvels & Tales, volume 12 article 12 Issue I Angela Carter and the Literary Märchen. A ligação ao conto de fadas começa logo na rima infantil inicial. Carter transforma a história de Lizzie Borden num conto de fadas (Märchen), focando-se nos retratos. A imagem inicial de um dia de calor, com a do modo como o Sol brilha, enforma o resto da história, ancorando-a no realismo social (veja-se a descrição crua dos cheiros das pessoas e da atmosfera). A história é parada e opressiva, como o dia, a casa e as próprias personagens. Não tem enredo, no sentido em que para antes que a narrativa dos crimes comece. Aliás, penso que Angela Carter se preocupa com os pormenores históricos, transgredindo a fronteira entre o conto de fadas e o real e indo mais ao encontro de uma certa “gramática” do realismo social. Parte do princípio, aceite na época pela classe operária de Fall River, de que foi realmente Lizzie a criminosa, mas preocupa-se em retratar, apesar de “com muito poucas cores” este “apocalipse doméstico” para “se obter um efeito emblemático máximo.”

O uso da palavra “emblemático” é, ele próprio, simbólico. Toda a história é um símbolo em si mesma. Símbolo da opressão da classe operária; símbolo da opressão da filha pelo pai; símbolo da opressão feminina por outra mulher (neste sentido, Lizzie é “devorada” pela madrasta), vista pela lente de outra mulher. É até símbolo dos efeitos perversos de uma das necessidades mais básicas do ser humano, o ato de comer (Lizzie vai-se desumanizando, superhumanizando, licantropomorfizando). Se virmos bem, todas as outras necessidades básicas são negadas a Lizzie pelas excentricidades do pai, que é um autêntico misantropo.



Baixar 0.57 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   23   24   25   26   27   28   29   30   ...   42




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal