Descomplicando a Mobilidade Urbana


Figura 1.  Exemplo de fl uxo de  ações para criação de  uma campanha educa- tivacongestionamento. Fonte



Baixar 35.11 Mb.
Pdf preview
Página169/374
Encontro11.08.2021
Tamanho35.11 Mb.
#16753
1   ...   165   166   167   168   169   170   171   172   ...   374
Descomplicando a Mobilidade Urbana - Manual de Ações para Gestores Públicos
Figura 1. 
Exemplo de fl uxo de 
ações para criação de 
uma campanha educa-
tivacongestionamento.
Fonte: 
Adaptado do 
Ministério da 
Infraestrutura (2020).
164   | 
CAPÍTULO 5 - PROGRAMAS E AÇÕES DE EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO PARA A SEGURANÇA NO TRÂNSITO 
|   165
CAPÍTULO 5 - PROGRAMAS E AÇÕES DE EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO PARA A SEGURANÇA NO TRÂNSITO 



defi nição do material e formato de divulgação
 consiste na esco-
lha do meio de veiculação da mensagem: internet, 
outdoor
,  panfl etos  e/
ou redes sociais. Defi nida a 
frequência da campanha
, ou seja, se esta será 
pontual ou ocorrerá ao longo de um período ou ciclo do ano, passamos para 
fase de 
execução
 da campanha.
2.1. Educação para o trânsito nas escolas 
O Capítulo VI do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que trata da educação 
para o trânsito, traz as diretrizes necessárias para as práticas educativas que 
atuam no órgão ou entidade municipal de trânsito, devendo ser trabalha-
do em consonância aos objetivos apresentados no documento da Política 
Nacional de Trânsito. A proposta dessa seção é apresentar algumas suges-
tões que possam ampliar as possibilidades de ações da educação para o 
trânsito nas escolas e experimentar a cidade como um local seguro para 
todos e todas.
Dessa forma, as entidades de trânsito podem motivar a gestão das 
escolas a adotar uma política de segurança e estimular a nomeação de um 
responsável para os assuntos de trânsito na instituição de ensino, respon-
sável por formar alunos e demais professores, envolvendo parcerias entre 
as Universidades/Faculdades para a elaboração de projetos de extensão e 
conteúdos alinhados à realidade da comunidade. 
Um instrumento que auxilia para a efetividade das ações é a defi nição dos 
indicadores que orientam a coleta dos dados que possibilitam a mensura-
ção qualitativa ou quantitativa da campanha. Um exemplo de um indicador 
de qualidade é a aplicação de questionários de satisfação, enquanto para 
exemplos de indicador quantitativo podem ser citados: o número de pan-
fl etos distribuídos para publicações impressas; o número de pessoas abor-
dadas em uma campanha expositiva; ou ainda, para uma campanha reali-
zada por meio de uma rede social, a quantidade de pessoas que curtiram a 
publicação.
Garantir a qualidade da educação para o trânsito e para a mobilidade, 
abordando conhecimentos, habilidades, atitudes e motivações, assim como 
treinamentos periódicos, é importante para manter o conteúdo atualizado 
e parametrizado por padrões de qualidade, usando testes, processos e ava-
liações de resultados — sugere-se, por exemplo, que a escola examine os 
alunos e permita a eles também uma autoavaliação.
É importante o engajamento de toda a comunidade escolar: alunos, 
professores, pais, funcionários e outros membros que possam estar envol-
vidos na cooperação comunitária em prol de um trânsito mais seguro. Isso 
signifi ca  não  apenas  torná-los  participantes,  mas  também  protagonistas, 
sobretudo os alunos e alunas - englobando-os no planejamento das ativi-
dades de educação em segurança no trânsito, tornando, dessa forma, mais 
fácil conectar o que aprenderam na escola a situações reais envolvendo o 
tráfego diário.
Abaixo são apresentadas ações conjuntas que podem ser realizadas:
 

Motivar a gestão das escolas a adotar uma política de segurança 
e estimular a nomeação de um responsável para os assuntos de 
trânsito;
 

Buscar parcerias entre as Instituições de Ensino Superior para 
elaboração e execução de projetos de extensão nos cursos de 
graduação e pós-graduação, envolvendo assim diversas áreas 
afi ns, tais como: geografi a, arquitetura, enfermagem, engenharia, 
computação, pedagogia, entre outros;
 

Aproximar das Escolas Técnicas e Profi ssionalizantes e conciliar ações 
conjuntas, a exemplo: Institutos Federais de educação, Sest/Senat, 
entre outros;
 

Incluir outros profi ssionais da área, tais como: Polícia Rodoviária 
Federal, Batalhão da Polícia Militar de Trânsito, instrutores de trânsito 
e Guarda Municipal; e
 

Integrar outras instituições e empresas: concessionárias de rodovias, 
hospitais, Centros de Formação de Condutores (CFCs), Associações, 
organizações não governamentais, entre outros.

Baixar 35.11 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   165   166   167   168   169   170   171   172   ...   374




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal