Cuca de Inhame com Doce de Banana da Terra: Receita Funcional com Alto Teor de Fibras e Isenta de Glúten. Elisangela Fonseca¹, Lícia Milena Souza², Márcio Luckesi³. Palavras-chave



Baixar 24.43 Kb.
Encontro13.06.2020
Tamanho24.43 Kb.

Cuca de Inhame com Doce de Banana da Terra: Receita Funcional com Alto Teor de Fibras e Isenta de Glúten.
Elisangela Fonseca¹, Lícia Milena Souza², Márcio Luckesi³.

Palavras-chave: Raízes, Tubérculos, Sustentabilidade


INTRODUÇÃO
Alguns historiadores sugerem que o pão surgiu em algum período entre a Pré História e a Antiguidade (± 8.000 anos a.C), de acordo com relatos nesta época se produziam algo próximo a este alimento; mas, foi no Egito que de acordo com os registros surgiu o primeiro Padeiro na história (± 2.700 anos a.C). Entretanto entre o século V e XV surgem os primeiros pães semelhantes aos que temos hoje (1). O pão é um dos alimentos mais consumidos no Brasil, seus ingredientes básicos são farinha de trigo, fermento, água e sal, podendo variar de acordo com o tipo que se deseja produzir. A farinha de trigo contém glúten; mas, portadores de Doença Celíaca (DC) não podem consumir este alimento (2). O objetivo do presente estudo é substituir o trigo pelo inhame na elaboração de um pão, melhorando o aporte nutricional e eliminando glúten, mantendo foco na qualidade sensorial.
METODOLOGIA
Para a fabricação dos pães foram usados inhame cozido e farinha de arroz flocada (100%), leite em pó (68%), água (50%), óleo (8%), açúcar cristal (10%) ovos (10%), fermento biológico seco (5%), queijo ralado (5%), sal (2%). Após a pesagem dos ingredientes foi realizado o processamento desta massa, com cocção posterior a 180ºC.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
O inhame inicialmente utilizado como fonte de alimentação das populações carentes, adaptou-se muito bem ao clima das regiões tropicais, no Brasil sua relevância é maior na Região Nordeste, aonde além de ser um alimento tradicional desempenha papel importante tanto economicamente como culturalmente (3). De origem asiática, o inhame esteve na mesa de várias civilizações, aportando no Brasil com os portugueses, também conhecido como Cará da costa ou inhame da costa, em alusão à Costa Africana (3).

A adaptação do inhame nesta receita tão emblemática da região sul do país, além de aumentar o aporte nutricional, representa uma fonte de subsistência da agricultura familiar, por possuir baixo custo e fácil cultivo (3). Rico em fibras, ajuda na redução do colesterol no sangue e hipertensão arterial, produz hormônios, previne Mal de Alzheimer e o câncer de cólon. Fornecendo também ao organismo vitaminas, minerais e betacaroteno (3).

O Brasil é um país com uma cultura miscigenada, com influências de vários povos que aqui desembarcaram, aliado a uma vasta variedade de recursos naturais disponíveis. A cuca surge numa tentativa de remontar hábitos da terra natal, adaptando-se as condições da nova terra, as mulheres alemãs tentaram render uma massa de pão, e desta forma criaram este pão que lembra a massa de bolo alemão, seu nome foi adaptado da palavra kuchen, que significa bolo, é assado em forma de bolo (3). A sazonalidade aliada à criatividade da cozinheira fez com que houvesse uma variedade de cucas, tornando-se hoje um atrativo turístico da região sul do país, a simplicidade deste prato fez com que ele fosse tão popular (3).

Uma característica da massa é que ela deve ficar mole, bem batida (4). Esta é uma receita versátil desde sua criação, já que por conta da dificuldade em se obter insumos, á distância dos centros urbanos, e o abastecimento de trigo não ser suficiente para toda a colônia, sendo ela sempre adaptada a novos ingredientes (4).


CONSIDERAÇÕES FINAIS
Espera-se com este estudo conseguir melhorar as características sensoriais de produtos isentos de glúten, buscando alternativas mais saudáveis que as disponíveis no mercado, para uma geração que está cada vez mais se alimentando mal e aumentando assim os problemas de saúde. Melhorando as tecnologias desde o campo a mesa para garantir a preservação de monoculturas e com isso garantir um meio de sobrevivência para quem depende da agricultura de subsistência.
REFERÊNCIAS

  1. FOOD INGREDIENTS BRASIL. Panificação. 2009. Nº10. Disponível em: http://www.revista-fi.com/materias/114.pdf Acessado em 25 de junho de 2017.

  2. ACELBRA - Associação de Celíacos do Brasil – Histórico da Doença Celíaca. s.d. São Paulo. Disponível em: Acesso em 25 de julho de 2017.

  3. MENDES et al. Panorama da produção e comercialização do inhame no mundo e no Brasil e sua importância para o mercado pernambucano: uma análise das cinco forças competitivas. 2013. Disponível em: < http://www.convibra.com.br/upload/paper/2013/30/2013_30_8413.pdf. Acessado em 26 de junho de 2017.

  4. FRIEDRICH, Fabiana Helma. GASTRONOMIA E IMIGRAÇÃO ALEMÃ NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL: COLÔNIA DE SANTO ANGELO (Segunda Metade Do Século XIX) / Fabiana Helma Friedrich. - 2015. 152p.; 30 cm . Disponível em: < http://coral.ufsm.br/ppgh/images/MESTRADO/dissertacoes/turma2013/DissertacaoFabianaHelmaFriedrich.pdf>. Acessado em: 06 de julho de 2017.

¹Curso de Gastronomia, Graduanda do Centro Universitário Estácio da Bahia (e-mail: ecdfonseca@yahoo.com.br)

²Curso de Nutrição, Graduanda da Universidade Federal da Bahia (e-mail: mil_nut@yahoo.com.br).

³Curso de Gastronomia, Professor da Universidade Federal da Bahia e do Centro Universitário Estácio da Bahia (mluckesi@hotmail.com.br).





Compartilhe com seus amigos:


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal