Colégio dom pedro professor: Toninho Literatura Simbolismo



Baixar 79.71 Kb.
Página1/7
Encontro10.06.2020
Tamanho79.71 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7

COLÉGIO DOM PEDRO

Professor: Toninho - Literatura

Simbolismo

O Simbolismo surgiu na Europa na segunda metade do século XIX em resposta ao cientificismo, tendência intelectual de matriz positivista que preconizava a adoção do método científico para a investigação de todas as áreas do saber e da cultura. Em resposta a esse materialismo cientificista, os escritores simbolistas buscaram o resgate de certos valores do Romantismo que foram esquecidos pelo Realismo. De acordo com a proposta simbolista, a arte e a literatura não poderiam ser retratadas apenas sob o ponto de vista da realidade.

Apesar de ter sido uma reação ao Parnasianismo em alguns aspectos, o Simbolismo dividiu com aquele estilo o espaço cultural europeu entre o final do século XIX e o início do século XX.

Se, no Brasil, foi superado pela escola parnasiana, que dominou a cena artística do período, na Europa representou considerável avanço em direção à arte moderna que dominaria o século XX.



Origem

Em Portugal, o novo estilo teve início em 1890, com a publicação do livro Oaristos, de Eugênio de Castro; no Brasil, esse início se deu com a publicação, no mesmo ano (1893), dos livros Missal e Broquéis, de autoria de Cruz e Sousa, nosso melhor poeta simbolista. Outros autores simbolistas de relevância no Brasil foram Alphonsus de Guimaraens, Francisco Mangabeira e Saturnino de Meireles.

Os filósofos Henri Bergson, Arthur Schopenhauer e Soren Kierkegaard, com suas reflexões, contribuíram para a formação das bases intelectuais do movimento simbolista europeu.

As teorias desses filósofos, marcadas pela agonia, pela melancolia e pelo pessimismo, mostraram a face cultural de um período da história europeia em que a descrença nos atributos racionais e a saturação das conquistas científicas conduziram à crença em uma decadência da civilização.

No terreno da literatura, esse estado de espírito caracterizou o movimento conhecido como decadentismo, iniciado na França a partir da década de 1880 e que pode ser considerado um dos embriões do Simbolismo.

Autores e Obras

As fontes artísticas do Simbolismo estão localizadas principalmente na França. Com a publicação de “As flores do mal”, em 1857, Charles Baudelaire, traduzindo poeticamente o pessimismo e o subjetivismo da época, inaugurou uma série de procedimentos estilísticos e temáticos que transformaram sua obra em semente de tudo o que se fez, posteriormente, em termos de arte moderna.

Paul Verlaine, com seus Poemas saturnianos (1866), já fazia notar a influência de Baudelaire, destacando o papel da musicalidade na construção poética (música acima de todas as coisas – disse ele, em um de seus poemas).

A trajetória artística de Stéphane Mallarmé também representa um exemplo da crescente onda de renovação artística que tomava conta da Europa: em poemas como “Um golpe de dados jamais abolirá o acaso”, ele defendia a ideia de que a verdadeira arte poética apenas sugere o que as coisas são, sem nunca descrevê-las com precisão absoluta.

Finalmente, Arthur Rimbaud estabeleceu, no soneto “Vogais”, relações (tomadas por muitos como absolutas, mas que o poeta jamais pretendeu que o fossem) entre letras, cores, sons e sensações, o que, com o resto de sua obra, representou uma importante fonte de inspiração da poesia simbolista e da arte moderna.

O termo Simbolismo, como nome de tendência literária, foi usado pela primeira vez na França, em 1886, e serviu para caracterizar, de forma geral, os seguidores dos poetas franceses citados.






Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal