Coisas para fazermos no documento



Baixar 210.06 Kb.
Encontro17.03.2020
Tamanho210.06 Kb.

COISAS PARA FAZERMOS NO DOCUMENTO

  • TIRAR A APARÊNCIA DE PLANO DE GOVERNO DO BOLSONARO;

  • DAR COERÊNCIA E UNIFORMIDADE PARA O TEXTO;

  • ESCREVER SOBRE OS PROJETOS QUE DESENVOLVEMOS ESSES ANOS;

  • ANALISAR TEORICAMENTE A COMISSÃO DE MEDIAÇÃO DE CONFLITOS E DAR ESPAÇO PARA ATUARMOS COM TEMAS COMO SEXUALIDADE, DROGAS, ETC;

  • COLOCAS OS GRÁFICOS QUE CRIAMOS ESSE ANO E INTERPRETÁ-LOS;

  • ESCREVER O PROJETO PARA OS SÉTIMOS ANOS;

  • AMARRAR ASSUNTOS POLÊMICOS PARA O NOVO GOVERNO (DIREITOS HUMANOS, SEXUALIDADE, ABORTO, RELIGIÃO, PAULO FREIRE, VIOLÊNCIA, ETC);

  • PROIBIR QUE OS TCAS TRATEM DE LIXO;

COISAS PARA PUBLICIZARMOS O DOCUMENTO



  • FAZER UMA PRIMEIRA LEITURA E CORREÇÕES NOSSAS;

  • ENVIAR NO GRUPO UM LINK ABERTO PARA EDIÇÕES (COM UM CONTADOR DE CLIQUES PARA TERMOS IDEIA DE QUANTAS PESSOAS DE FATO LERAM) DE UMA CÓPIA DO DOCUMENTO, PARA ASSIM TERMOS UMA “VERSÃO ORIGINAL” E CONSEGUIRMOS VERIFICAR MELHOR AS ALTERAÇÕES;

  • CONVIDAR PROFESSORES DE FUND I PARA COLABORAR COM A ESCRITA DE ASSUNTOS ESPECÍFICOS;

Obs: Um PPP decente é a melhor forma de garantir que uma direção nova chegue querendo alterar o que já dá certo!




SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CAMPO LIMPO

PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO - 2018


EMEF FRANCISCO REBOLO

Rua Catarinenses, 200-Vila Andrade

E mail: emeffrebolo@prefeitura.sp.gov.br

DRE-CL


Tel: 3744-2714

3744-2024

PROJETO POLITICO PEDAGOGICO – 2018

“...educar e educar-se, na prática da liberdade, é tarefa daqueles que sabem que pouco sabem – por isto sabem algo e podem assim chegar a saber mais – em diálogo com aqueles que, quase sempre, pensam que nada sabem, para que estes, transformando seu pensar que nada sabem em saber que pouco sabem, possam igualmente saber mais” (Paulo Freire )


I – PATRONO


Francisco Rebolo - Biografia

Francisco Rebolo Gonzáles nasceu em São Paulo, em 1902, quinto filho de uma família de imigrantes espanhóis. Antes de dedicar-se à pintura artística, realizou pinturas decorativas em residências e igrejas e foi jogador de futebol – entre outros clubes, jogou no Corinthians, pelo qual foi campeão em 1922 e para o qual, anos depois, desenhou o brasão definitivo.

Tinha 15 anos quando, após as primeiras experiências com a pintura de paredes, conseguiu um emprego efetivo como aprendiz de uma oficina de decoração, desenvolvendo o talento na ornamentação de igrejas e também de casas, onde era comum a pintura rococó, cheia de floreados e exageros.

Francisco Rebolo – Foto artista

Não acreditava, porém, que essa fosse sua arte e, na primeira oportunidade que surgiu, abraçou a carreira de jogador de futebol, entrando para o time do Corinthians, onde chegou a ganhar o Campeonato do Centenário da Independência do Brasil, em 1922.

Rebolo começa sua carreira como pintor, no início dos anos 1930, quando abandona a atividade de jogador de futebol, ao mesmo tempo em que trabalha como pintor-decorador de residências. Em 1933, instala, no edifício Santa Helena , na Praça da Sé, um ateliê que é, ao mesmo tempo, uma sala de trabalho para atender sua clientela de pintura em residências. É nesta sala que se uni ao chamado grupo Santa Helena, a partir de 1935. No ateliê, o grupo realiza sessões coletivas de trabalho para pintar e para desenhar modelo vivo. Saiam juntos, também, para pintar nos subúrbios e pequenas cidades vizinhas de São Paulo. Logo que se constitui e começa a marcar presença em exposições coletivas, o Grupo Santa Helena chama a atenção dos principais críticos atuantes na época, como Mário de Andrade e Sérgio Milliet.


Francisco Rebolo – Foto artista

Rebolo está presente em todos os importantes eventos ligados à história da arte moderna. Integra, por exemplo, o Salão de Maio, os Salões da Família Artística Paulista e do Sindicato dos Artistas Plásticos; pertence ao grupo de artistas que defende a criação de um Museu de Arte Moderna em São Paulo e, mais tarde, a Bienal.

Em 1944, Rebolo arrisca-se a fazer sua primeira individual na Livraria Brasiliense, mas, a despeito do sucesso, nesta e em outras exposições, somente dez anos após, em 1954, é que pode ser efetivamente notado, quando ganhou um prêmio de viagem à Europa, no 3º Salão Nacional de Arte Moderna. Foi a grande oportunidade, bem aproveitada, para aperfeiçoamento de sua arte, numa turnê, em companhia da família, percorrendo Itália, Espanha, Alemanha, França, Áustria e Holanda, além de participar de um curso de restauração no Museu do Vaticano.

Sem perder a simplicidade, o Rebolo que retorna ao Brasil é outro, bem mais amadurecido. Sua pintura continua de linhas planas, formas reduzidas ao mínimo exigido na arte figurativa, mas nota-se uma técnica bem mais desenvolvida e menos ingênua. Daí em diante, registra-se uma sucessão de exposições, de entrevistas e de encomendas. É a consagração, com a qual jamais sonhara, mas que, ainda que tardia, chegou à sua vida.

A obra de Rebolo é apresentada ao público em inúmeras exposições individuais e coletivas, ao longo de sua vida. Em 1973, o Museu de Arte Moderna de São Paulo realiza a primeira retrospectiva de seu trabalho, época em que se realizam.

Também exposições em Brasília e no Rio de Janeiro. Os eventos de 1973 põem em destaque os seus quarenta de pintura, mas o artista viverá mais sete anos, até 10 de julho de 1980, trabalhando até o seu último dia de vida.

Em 1985, cinco anos após seu falecimento, o Museu Lasar Segall expõe cerca de 80 trabalhos de sua produção e, em 1986, foi lançado um livro que, igualmente, põe em destaque seu percurso artístico e sua obra (edição MWM/IFK). Sua obra vem participando de mostras coletivas voltadas para a história da arte moderna no Brasil e está presente nos acervos dos principais museus de arte do País.
Francisco Rebolo – Foto artista

II - HISTÓRICO DA E.M.E.F. FRANCISCO REBOLO


A E.M.E.F. Francisco Rebolo está localizada no bairro da Vila Andrade, região do Campo Limpo. Apresenta como qualquer bairro de periferia de São Paulo, violência, transporte insuficiente, falta de saneamento básico, iluminação precária, etc...

A escola começou a funcionar em 1999, com outro nome, E.M.E.F. Jardim Ingá, em uma construção de madeira com três salas de aula, uma sala para a administração, dois banheiros para alunos, uma cozinha, uma dispensa e um banheiro para os professores.

Nesse ano foram matriculados 120 alunos, todos no 1º ano do Ciclo I, divididos em cinco classes, em dois turnos. O assistente de diretor e a secretaria foram designados.

As professoras eram comissionadas ou adjuntas.

Em 2000, a E.M.E.F. Francisco Rebolo recebeu a Equipe Técnica que veio após o concurso de remoção. Foram matriculados 320 alunos e tivemos mais 46 matrículas suplementares.

Passou então, a funcionar em três turnos: das 6:50h às 10:50h, das 11:00h às 15:00 e das 15:10h às 19:00h. Total de oito classes do Ciclo I: três de 1º ano (120 alunos), três de 2º ano (120 alunos), uma de 3º ano (40 alunos) e uma de 4º ano (40 alunos). Éramos 16 funcionários, sendo 10 professores, 4 da Equipe Técnica, 1 secretária e 1 agente escolar.

Nesse mesmo ano, passamos por vários problemas: o deslizamento de terra que antecipou a nossa mudança para o prédio novo, ainda em construção (março); a desapropriação dos barracos junto à escola, no Morro da Lua, zona de alto risco devido às torres de alta tensão, diminuindo consideravelmente o número de alunos da U.E. Chegamos ao final do ano com 255 alunos frequentes.

No ano de 2001, cerca de 390 alunos foram matriculados. Foram instaladas doze classes do Ciclo I : cinco de 1º ano no 1º turno (170 alunos), três de 2º ano no 2º turno (85 alunos), três de 3º ano (100 alunos) e uma de 4º ano (35 alunos) no 3º turno. Não houve mudança na equipe e somente uma professora titular se removeu. Da equipe de apoio, continuávamos com apenas uma agente escolar. Convém lembrar que três classes de Educação Infantil da E.M.E.I. Carlos de Laet estavam instaladas nas dependências da nossa escola .

No ano de 2002 foram matriculados 758 alunos, sendo Ciclo I: seis salas de 1º ano (181 alunos), cinco salas de 2º ano (187 alunos), três salas de 3º ano (110 alunos), três salas de 4º ano (105 alunos), uma sala de 5º ano (40 alunos) e seis salas de 6º ano (135 alunos). Distribuídos, no 1º período 297 alunos, no 2º período 286 alunos e no 3º período 175 alunos. Contávamos ainda com 320 alunos da E.M.E.I. Carlos de Laerte.

Em 2003 foram matriculados 879 alunos, sendo que o Ciclo I contava com sete salas de 1º ano (201 alunos), quatro salas de 2º ano (150 alunos), cinco salas de 3º ano (163 alunos), três salas de 4º ano (117 alunos) e o Ciclo II contava com três salas de 5º ano (91 alunos), uma sala de 6º ano (33 alunos) e três salas de 7º ano (88 alunos).

Neste ano tivemos uma segunda desocupação do Morro da Lua, o que causou um prejuízo educacional (pedagógico) para os alunos, além de diminuir o número de alunos nas classes.

Isso acarretou também certa perda de identidade por parte da comunidade, que passou a pertencer a outros bairros. Essas geraram abandono e desistências por parte de alguns alunos, o que nos obrigou a encaminhá-los ao Conselho Tutelar.

Tivemos também a experiência de receber pessoas encaminhadas pelo Juiz para prestar serviços comunitários, que em nossa avaliação foi muito gratificante, pois no entender da escola, contribuiu para a recuperação social das pessoas marginalizadas.

Ocorreu o Projeto “Caminhando para o Futuro”, onde a Escola ficava aberta nos finais de semana para receber os adolescentes do Fórum da Criança e do Adolescente, encaminhados pela Obra do Berço. Eles proporcionaram, aos sábados, a implementação de oficinas educativas, recreativas e culturais para os alunos da escola.

Teve início a Sala de Leitura em agosto de 2003, recebendo o nome de “Maurício de Souza”.

Em 2004 foram matriculados 1047 alunos, sendo que o Ciclo I contava com sete salas de 1º ano (241 alunos), seis salas de 2º ano (235 alunos), quatro salas de 3º ano (151 alunos), cinco salas de 4º ano (177 alunos) e o Ciclo II contava com três salas de 5º ano (103 alunos), duas salas de 6º ano (76 alunos) , uma sala de 7º ano (37 alunos) e duas de 8ºano (59 alunos).

Em 2009 a Gestão contou com a chegada da Diretora Elisabeth Sapienza Amud Ali. A partir desse momento, a política da escola voltou-se, ainda mais à Gestão Democrática (Participativa).

Realocaram-se espaços. Modificou-se a área de atendimento a pais e visitantes, com feitio de balcão e maior segurança para a Unidade. Restaurou-se a Cozinha, transformando-a em Cozinha Experimental e/ou Refeitório de Funcionários. Instalou-se rede de comunicação interna entre Salas de Professores, Coordenadores, Secretaria e Direção. Colocou-se Computadores em todos os setores. Recebemos o Projeto PURA da SABESP, obtendo reforma de banheiros, torneiras e encanamentos, visando economia de água. Comprou-se caixas de som e equipamento sonoro de melhor qualidade. Houve adaptação da Sala de Educação Física para Sala Regular, a pedido da DRE CL, para atendimento de alunos em demanda de 1º ano. Foram feitos: área para recreação externa, bancos para horário de intervalos externos, mesas com bancos para aulas ao ar livre, Parque Infantil.

Foram contatados GCM, PROERD, Projetos, ONGs, UBS e demais instituições para participarem do cotidiano escolar, no intuito de juntos, conseguirmos avanços pedagógicos e sociais.

Em 2012 a escola abraçou o Projeto REDE, solicitando a Sala de Atendimento à Inclusão SAAI, tendo sido escolhida como pólo da região para atendimento de alunos com necessidades especiais. Neste mesmo ano recebemos a Coordenadora pedagógica Rosemeire Paulista e também contamos com a Coordenadora Pedagógica Alice Ito Kawahara (designada).
Em 2014 foram matriculados 631 alunos, e de acordo com o Programa Mais Educação São Paulo contamos com o Ciclo de Alfabetização com cinco salas de 1º ano (119 alunos), três salas de 2º ano (79 alunos), três salas de 3º ano (89 alunos); Ciclo Interdisciplinar com quatro salas de 4º ano (93 alunos), três salas de 5º ano (70 alunos); e o Ciclo Autoral com três salas de 7º ano (99 alunos) e três salas de 9º ano (82 alunos). A escola foi premiada com o 2º lugar, categoria Prato Quente no concurso “Educação Além do Prato”, promovido por SME, fazendo jus a uma reforma na cozinha e ambientes de área alimentícia. Também recebemos o Prêmio Nestlé de receita inédita voltada à alimentação dos alunos: Bolo de Biomassa de Banana. Nesse ano conseguimos a Vigilância Terceirizada para noturno e fins de semana/feriados, garantindo a segurança dos bens públicos desta Unidade.

Em 2015 foram matriculados 603 alunos, e de acordo com o Programa Mais Educação São Paulo e contamos com o Ciclo de Alfabetização com 5 salas de 1º ano ( 86 alunos), 4 salas de 2º ano (100 alunos), 3 salas de 3º ano ( 89 alunos); com o Ciclo Interdisciplinar com 3 salas de 4º ano (72 alunos), 3 salas de 5º ano ( 90 alunos), 3 salas de 6º ano ( 72 alunos) e o Ciclo Autoral com 3 salas de 8º ano (94 alunos). Neste ano os temas principais que permeiam nossos Projetos são “Ética e Água”, sendo que em nosso PEA (Projeto Especial de Ação) o nome é: “Convivendo e Aprendendo: Ética para uma Formação Cidadã” escolhidos pelos professores como essenciais para os alunos compreenderem e participarem ativamente da sociedade enfrentando as necessidades decorrentes das mudanças climáticas através de atitudes que beneficiem a todos.

Nesse ano, recebemos outro prêmio por receita inédita voltada a alunos com o prato: Panquecas com Massa de biscoito integral salgado.

Neste ano os temas principais que permearam nossos projetos são “Ética e Água”, escolhidos pelos professores como essenciais para os alunos compreenderem e participarem ativamente da sociedade enfrentando as necessidades decorrentes das mudanças climáticas através de atitudes que beneficiem a todos. Neste ano participamos do OBA Olimpíada Brasileira de Astronomia, à tarde realizamos uma gincana integradora entre Ensino Fundamental I e Ensino Fundamental II. Realizamos os seguintes projetos de acordo com o Programa Mais Educação São Paulo: Projeto Monitoria Recreativa em que alunos dos ciclos Interdisciplinar e Autoral trabalham com recreação no contra turno com as crianças do ciclo de Alfabetização; Projeto Oficina de Arte em que alunos aprenderam a reciclar papel e produzir artesanatos; Programa Nas Ondas do Rádio os alunos trabalharam com recursos midiáticos, participaram de várias coberturas de eventos como membros da Imprensa Jovem; Projeto Inglês com música os participantes puderam aprender além da Língua Inglesa outras possibilidades do uso da Língua Portuguesa, desenvolvendo a habilidade do letramento; Projeto de Teatro “Luz, Câmera e Educação “ com jogos teatrais baseados nos arquivos de Viola Spolin produzindo a peça teatral Os Saltimbancos; Projeto Jogos de Tabuleiro no qual os alunos aprenderam as regras e conceitos dos jogos, desenvolvendo atenção, concentração e estratégias. Nos 4º e 5º anos iniciamos a docência compartilhada com o tema Olimpíadas e Paraolimpíadas, no 6º ano a docência compartilhada se baseou na leitura e escrita para a compreensão dos conteúdos. No 1º ano C com a professora Fabíola os alunos tiveram a experiência de desenvolver o curso educativo Amigos do Zippy no qual aprenderam a lidar com seus sentimentos. Os alunos do 3º tiveram suas primeiras experiências com animação e stop motion durante as aulas de informática.

O espaço da Sala de Leitura começou a ser repensado de modo a se tornar um ambiente mais acolhedor e favorável tanto a momentos de leitura individual, como compartilhada, além das rodas de conversa literária. A sacada foi organizada e o seu espaço aproveitado com as mesas redondas, enquanto do lado de dentro foram mantidas algumas cadeiras, além de tapetes de almofadas. Entendendo também que o ato de ler envolve não apenas a relação do leitor com o livro, mas também consigo mesmo e com o espaço, as aulas de leitura começaram a ser ampliadas para além do espaço da Sala de Leitura na escola, inclusive, prevendo visitas a Bibliotecas e Casas de Cultura da região. Também estão previstas atividades que promovam o autoconhecimento, a concentração e a autonomia para desenvolver não apenas a proficiência leitora, mas também uma relação harmoniosa com o espaço, os materiais e os colegas. Para tanto, além das atividades de leitura e discussão dos textos e obras literárias, as aulas de leitura pretendem abranger exercícios de Mindfulness, meditação, oficinas de corpo, dinâmicas de grupo, entre outros.

A Mostra Cultural que teve como um dos temas a água, revelou trabalhos interessantes sobre o uso racional da água, tivemos ainda o tema interdisciplinaridade destacado pelo ciclo autoral. Considerando a função social da Educação e no valor formativo e simbólico.

Dando início aos projetos interdisciplinares as professoras Pâmella Brum Pereira Cabral (português), Cíntia Pereira (geografia), Renata Leung (sala de Leitura) e Rosemeire (arte) tiveram como proposta para os 8º anos, trabalhar as condições da mulher no mundo, desde a microesfera família à macro esfera continental. Através de discussões sobre direitos humanos, filmes como “Flor do Deserto”, além de estimularem as habilidades de interpretação, leitura e compreensão de diversos suportes, estimularam também a sensibilização e a reflexão sobre gêneros, as diferenças e o respeito ao ser humano.

No 3º bimestre, os 6ºanos, a partir de uma proposta feita pelos próprios alunos, realizou-se o projeto “SERÁ QUE É BOM MESMO MORAR EM SP? Trabalhando com relato de experiências vividas, os alunos trouxeram muito de suas vivências para sala de aula e com isso alguns problemas em relação ao local onde moram, entrevistara parentes e ao final perceberam que o que realmente faltava para uma resolução dos problemas e para melhorar a qualidade de vida no bairro era um líder comunitário, alguém que fosse respeitado e que mantivesse um diálogo com os membros da comunidade.

Foram observados também os resultados do IDEB 2015 com a nota 5,5 , 4º e 5º anos- , 31,71% dos nosso alunos se encontram no nível 3 numa escala de dez níveis, sendo que temos apenas 2,4% no nível 8 e 0,0 % nos níveis 9 e 10; não tivemos essa média observada nos 8º e 9º anos em 2015 pois não tivemos 9º ano neste ano letivo.

Para 2016 foram matriculados cerca de setecentos alunos, um aumento considerável em relação ao ano anterior, propusemos ações que valorizassem o protagonismo infantil, o acolhimento aos novos alunos, as relações de respeito e interações de cooperação entre os educandos e seguindo as indicações do currículo integrador das necessidades de conhecer as crianças reais , realizamos uma pesquisa do fator socioeconômico das famílias através de um questionário enviado para os pais e constatamos que as famílias atendidas são de 80% da Vila Andrade, 10% Morro da Lua e 10% da Comunidade Paraisópolis. Realizamos um questionário aplicado a todos os alunos, os alunos até o terceiro ano levaram de maneira impressa para casa e do 4º ano em diante os alunos responderam ao mesmo questionário durante as aulas de informática, pudemos observar entre os aspectos que nosso trabalho vem produzindo reflexos positivos, pois já observam os problemas do bairro de maneira a tentar solucioná-los.

Neste ano o Laboratório de Informática Educativa iniciou, no contra turno o Projeto de Programação de Games e Robótica, utilizando sobretudo o software educacional Scratch, produzido e distribuído pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e se derivado para Robótica S4A (Scratch for Arduino), proporcionado às crianças entrarem em contato com uma nova dimensão tecnológica, aplicando diversos conhecimentos matemáticos trabalhados em sala de aula e conhecendo novas perspectivas para atividades profissionais futuras. Sempre com o objetivo de estimular a investigação do conhecimento através de métodos científicos, levando em conta a qualidade das fontes encontradas e os cuidados para a construção e apresentação dos saberes descobertos.

As Professoras Pâmella e Cíntia e o professor Ricardo de Educação Física, desenvolveram com os 9º anos os projetos Espelho, Escritores da Liberdade e Filme na Escola, todos interligados com a intenção de aproximar a comunidade da escola e fazer com que o aluno enxergue a escola como sua, sendo ele um agente real do que nela acontece.

Teve início também o projeto AEL (Academia Estudantil de Letras), com a Eleição da escritora Kiusan de Oliveira como matronesse, e sob a coordenação dos professores Renata Takllan Rogow Leung (orientadora dos estudos literários) e Raphael Calmeto de Castro Pereira dos Santos (orientador das oficinas de teatro), no qual além das atividades de pesquisa e leitura literária, os alunos participaram de oficinas de teatro, produção de saraus e eventos literários entre outros, tendo como primeiro evento o 1º Seminário Literário AEL Kiusam de Oliveira, com as participações dos escritores João Gomes de Sá, Mei Santana e Marco Pezão.

Em 2017, foram matriculados cerca de 673 alunos, distribuídos em 13 salas, em cada período, até o ano anterior tínhamos 12 salas em funcionamento em cada período, iniciamos uma nova etapa, participamos do “Mais Educação Federal”, com projetos que tiveram o objetivo de aproximar ainda mais os alunos do convívio escolar, dando-lhes a chance de uma formação integral; foram eles: Recuperação Paralela de Língua Portuguesa, Recuperação Paralela de Matemática, Xadrez, Cine Clube, Português, Matemática, Leitura, Imprensa jovem, Oficina de Fotografia, Linguagens de Programação para a Educação, Academia Estudantil de Letras, todos com o intuito de oferecer uma educação de qualidade. Nosso desafio na realidade foi a logística para distribuir e acolher todos os projetos. Mas com a adaptação de espaços foi possível ter todos os projetos sendo realizados no mesmo período. . A Escola foi escolhida como polo para treinamento de Merendeiras, devido aos prêmios recebidos e excelência de receitas, tendo recebido a Equipe do Restaurante Tordesilhas para o primeiro dos treinamentos, momento em que recebemos nutricionistas e merendeiras da DRE CL e DRE Butantã.

Damos destaque ao crescimento do Projeto AEL, com a presença regular de 42 alunos inscritos, divididos em duas turmas. O professor Ricardo Armênio de Moura Santana assumiu as oficinas de teatro. Alguns eventos especiais marcaram a história da AEL Kiusan de Oliveira, tais como o 1º Chá Literário, que contou com a presença dos pais e autoridades da Diretoria de Ensino CL, a apresentação da peça “No Black Power de Tayo” (adaptação do livro “O Mundo no Black Power de Tayo”), no dia 19 de agosto, na Academia Paulista de Letras e em diversos teatros dos CEUs em São Paulo, a Cerimônia de Fundação da Academia Estudantil de Letras, no dia 6 de outubro, no teatro do CEU Casa Blanca, além de saídas culturais e visitas a exposições de arte. Vários alunos que participaram do projeto, especialmente do Fundamental I, demonstraram um avanço bastante significativo no que diz respeito à proficiência leitora, autonomia de estudos e pesquisa, desenvoltura para falar em público, além da melhora nos relacionamentos interpessoais e postura acadêmica, que se refletiu inclusive em sala de aula.

A U. E. manteve uma boa linha de trabalho, passou por mudanças significativas nos últimos anos, no que diz respeito a estrutura física e componentes pedagógicos vemos muitas melhorias. A manutenção do corpo gestor e docente colaborou na realização de vários trabalhos interdisciplinares, sendo possível planejar um trabalho a médio e a longo prazo, havendo tempo para se conhecer os alunos, suas necessidades e entender melhor o meio social que cerca a escola, buscando sempre alcançar os melhores resultados, pais e responsáveis que acreditam no trabalho aqui desenvolvido. Pensando em tudo isso em Educação Física foi desenvolvidas novas propostas e novos eixos de trabalho, para atender, de maneira mais ampla e diversificada, os interesses educacionais e sociais da vida escolar doa alunos. De acordo com as temáticas propostas nos novos documentos norteadores do trabalho (Currículo da Cidade), em 2017 trabalhou-se não somente com o eixo esporte, que foi o foco da Educação física durante anos, mas com uma proposta mais voltada para a Cultura corporal do movimento, podendo assim dar novos significados às práticas corporais da Cultura do Movimento da comunidade local, como as festas, danças, esportes, entre outras. Os alunos do Fundamental II trabalharam os esportes coletivos, jogos e brincadeiras de cultura popular, jogos matemáticos em consonância com a proposta de trabalho do PEA, além das danças e expressões corporais, como as Ginásticas Artística e Rítmica, Dança contemporânea e Hip Hop, estas apresentadas para bancas avaliadoras compostas por membros da gestão da escola, professores, funcionários e alunos que avaliaram as apresentações e os grupos com melhor desempenho apresentaram-se ao público na Mostra Cultural, podendo assim mostrar uma boa parte do potencial e protagonismo dos alunos.

Nosso PEA, Analisando a Matemática- “Um mais Um, são muitos no Rebolo”, foi um grande destaque em relação à satisfação dos professores que deles participaram, declarando que o estudo realmente alcançou o objetivo de melhorar o desenvolvimento da matemática em sala de aula. Tivemos a participação de professores de nossa própria escola como formadores, convidados da DRE – Campo Limpo e DRE Butantã, todos compartilhando seus saberes e práticas com generosidade. O pátio interno recebeu pintura para torna-lo um ambiente estimulante à aprendizagem da matemática, feita por professores e ATEs.

Em 2017, implantamos a Comissão mediadora de Conflitos, dando inicio ao projeto que visa o fortalecimento do diálogo e da aprendizagem, em prol de uma Cultura da Paz.

Seguimos orientados pela portaria 2.970/2016 que dispõe sobre a implementação da Comissão de Mediação de Conflitos nas escolas da Rede pública da Prefeitura de são Paulo, o presente projeto tem como objetivo oferecer aos estudantes da EMEF Francisco Rebolo uma devolutiva dos principais conflitos, comprometendo-se a discuti-los, analisa-los e criar ações que envolvam a comunidade escolar na resolução para as questões que possam estar causando algum problema de ordem emocional ou física em nossos estudantes e no ambiente escolar.

As ações neste ano permearam o levantamento dos conflitos e quais seriam as medidas em orientar o grupo de estudantes e atende-los de forma a fomentar a cultura da Paz. Várias estratégias foram realizadas entre elas o trabalho com a árvore da violência passiva, onde conseguimos fazer um levantamento dos problemas comuns que mais afligem nossos alunos, utilizamos como base teórica o livro “Comunicação não violenta” e conseguimos através de ações planejadas com os professores de cada ano desenvolver um trabalho coeso. Para o ano de 2018 serão planejadas novas ações em conjunto com toda a comunidade escolar.

O CICLO DE ALFABETIZAÇÃO no ano de 2017 atuou de forma efetiva na aprendizagem dos estudantes, desenvolveram projetos de alimentação, preparo de receita na cozinha experimental, projetos de matemática, oficinas de jogos, leituras simultâneas, Leituraço, construção de boneca abayomi, utilização de livros paradidáticos na rotina da aula, rodas de conversas, gincanas, projetos de contos de fadas, produção de livros no decorrer do ano, atividades na semana da criança, festa junina interna, confecção de lembrancinhas para o Natal, almoço de Natal, todos os professores foram envolvidos nas atividades. Foram planejadas todas as ações respeitando os direitos de aprendizagem relativo a cada ano, neste ciclo priorizam-se os tempos e espaços escolares, e as propostas pedagógicas que possibilitam o aprendizado da leitura e da escrita e da alfabetização matemática e científica, bem como a ampliação das relações sociais.

Entre os projetos de docência compartilhada podemos destacar os 4º anos B e C, professoras Karina Moreno e Stella respectivamente, com a professora Cíntia (geografia, fund II ), que realizaram todo o processo de “Escrita de Cartas”, nome do projeto, até serem colocadas e enviadas por uma agência dos Correios, localizada no Morumbi Town, recebendo também suas respostas via correio. Outro trabalho das professoras que merece destaque foi realizado em conjunto com o POIE professor Cláudio, no qual os alunos realizaram pesquisa sobre Imigração, tendo oportunidade de conhecer a vida e a cultura, a diversidade das pessoas que ajudaram a construir nosso país, finalizando os trabalhos com uma visita ao Museu da Imigração.

Podemos dar destaque aos projetos interdisciplinares como o “Sexualidade na Escola”, desenvolvendo nos alunos o respeito pelo corpo, fazendo-os refletir sobre as diferenças de gênero, através de discussões e palestras aprofundando seus conhecimentos para que possam ter atitudes conscientes em relação ao próprio corpo, desenvolvendo um olhar mais humano para as realidades dentro e fora da escola. Os alunos envolvidos foram os dos 8º anos e os professores e professoras: Pâmella, Ricardo, Raphael e Leni.

Neste ano, os alunos de 7º e 8º anos desenvolveram TCAs (Trabalhos Colaborativos Autorais) com aulas em contra turno, orientados pela professora Marcia Perez e professor Raphael Calmeto que abordaram temas relevantes como: intolerância, preconceito social, violência contra a mulher, bullying, depressão, machismo na escola, lixo na comunidade, racismo, vicio em tecnologias. Apresentando os resultados durante o mês de novembro.

Um projeto que vem gerando bons resultados é o Programa Amigos do Zippy, desenvolvido pela professora Fabiola, já há alguns anos, no qual as crianças tem a oportunidade de falar sobre seus sentimentos, aprender a conviver e a respeitar as pessoas.

Durante o mês de Novembro promovemos a Semana Afro com Oficinas de Colar, Oficinas de Cabelo, Oficinas de Abayomi, Oficinas de Desenhos e Contação de Histórias. Alunos e alunas ainda contaram com filmes.

Neste ano, pudemos verificar um grande avanço nos alunos que frequentaram as aulas de recuperação paralela tanto de língua portuguesa quanto de matemática, mostraram interesse e seus desempenhos em sala de aula melhoraram num geral, dando destaque ao trabalho da professora Silvia.

Em 2018, foram matriculados setecentos e quarenta e seis alunos, sendo trezentos e cinquenta e sete de manhã e trezentos e oitenta e nove à tarde, houve o aumento de uma sala, temos agora, catorze salas em funcionamento, em cada período. Neste ano, pretendemos enfocar o Currículo da Cidade em nossos estudos, trazendo para nosso PEA – Currículo e Adaptação curricular- Teoria e Prática, a preocupação com a adaptação curricular, reconhecendo a diversidade, percebendo os diferentes tempos de aprendizagem.

Os ciclos de alfabetização e o Ciclo Interdisciplinar englobam alunos de até doze ano, considerados crianças pelo ECA, a nossa proposta inclui a valorização da infância, o protagonismo juvenil, o lúdico em sala de aula e as experiências no convívio escolar. A utilização do Parque da escola é realizada mediante assistência do professor, é um espaço de convivência e aprendizagem.

As professoras do módulo fazem um planejamento para cada ano, respeitando o desenvolvimento da aula de cada professor, para isto, é utilizado uma pasta piloto que ajuda na sistematização desse processo.

Os alunos com deficiência são acompanhados pela professora da Sala de apoio, AEE, no contra turno os alunos com laudo são atendidos, a professora também multiplica, nas formações, informações sobre síndromes, estudos de casos e informações que contribuam para o planejamento de atividades para os alunos com deficiência.

lll - ESTRUTURA ATUAL DO PRÉDIO - 2018


Elevador

1

Laboratório Informática



1

Parque


1

Quadra


1

Sala de aula

14

Sala de Leitura



1

Sanitário com trocador Alunos de Inclusão)

1

Cozinha experimental



1

Sanitários para alunos

5

Cozinha Terceirizada



1

Sala de Professores

1

Sala de Recurso Multifuncional (SRM )



1

Sanitários para Professores e Funcionários

2

Sala de Recuperação Paralela



1

Sala de Material de Educação Física

1

Lavanderia



1

Sanitários externos

1

Espaço recreativo externo



1

Sanitários adaptados para alunos com necessidades especiais

2

Sala de Direção



1

Sala de Secretaria

1

Sala de Assistentes de Direção



1

Sala de Coordenação Pedagógica

1

Sala de apoio à secretaria



1

Depósito de material pedagógico

1

– SALA/TURNOS E CLASSES


SALA

TURNO


CLASSE

1

MANHÃ



3º A

2

MANHÃ



4° A

3

MANHÃ



1º A

4

MANHÃ



1º B

5

MANHÃ



1º C

6

MANHÃ



2º A

7

MANHÃ



2º B

8

MANHÃ



2º C

9

MANHÃ



--

10

MANHÃ



3º C

11

MANHÃ



3º B

12

MANHÃ



3º D

13

MANHÃ



3º E

14

MANHÃ



2º D

SALA


TURNO

CLASSE


1

TARDE


5º A

2

TARDE



9º A

3

TARDE



4º B

4

TARDE



5º B

5

TARDE



6º A

6

TARDE



6º B

7

TARDE



7º A

8

TARDE



7º B

9

TARDE



8º A

10

TARDE



8º B

11

TARDE



6º C

12

TARDE



5º C

13

TARDE



4º C

14

TARDE



9º B

IV– PERFIL DA COMUNIDADE ESCOLAR

Realizamos um trabalho de pesquisa para sabermos que fatores prejudicam ou não a aprendizagem de nossos alunos, se o seu cotidiano é favorável, se há um ambiente propício aos estudos, se há pessoas que acompanham seu rendimento escolar. Ficamos atentos também ao capital cultural que eles possam ou não trazer, que necessidades realmente devemos atender. O questionário foi elaborado com a cautela de atender digitalmente alunos de 4º a 9º anos, alunos de 1º a 3º anos receberam uma cópia impressa para responderem em casa com seus responsáveis. O uso de letras maiúsculas também foi considerada uma estratégia para facilitar a leitura por todos. O professor POIE auxiliou os alunos com dificuldades de leitura a responderem o questionário. As questões foram as seguintes:

1- VOCÊ JÁ VIAJOU? SE SIM, PARA QUAIS LUGARES VOCÊ JÁ VIAJOU?

2- EM QUE BAIRRO VOCÊ MORA?

3- QUANTAS PESSOAS MORAM NA SUA CASA (INCLUSIVE VOCÊ)?

4- QUANTAS PESSOAS TRABALHAM NA SUA CASA?

5- DO QUE TRABALHAM AS PESSOAS NA SUA CASA?

6- DE ONDE VEM SUA FAMÍLIA (ESTADO, CIDADE)?

7- QUEM SÃO OS RESPONSÁVEIS POR VOCÊ?

8- QUEM CUIDA DE VOCÊ QUANDO OS RESPONSÁVEIS NÃO ESTÃO EM CASA?

9- NA SUA CASA, VOCÊ TEM UM ESPAÇO PARA ESTUDOS?

10- SE SIM, QUAL É ESTE ESPAÇO?

11- VOCÊ TEM ALGUM PARENTE QUE TAMBÉM ESTUDE NO REBOLO?

12- SE SIM, QUEM ESTUDA NO REBOLO?

13- VOCÊ FREQUENTA ALGUM CURSO OU RPOJETO FORA DA ESCOLA? SE SIM, QUAL?

14- VOCÊ SAI PARA BRINCAR/PASSEAR FORA DE CASA? SE SIM, AONDE?

15- O QUE VOCÊ MAIS GOSTA DE FAZER?

16- QUAIS SÃO OS PROBLEMAS DO SEU BAIRRO?

17- QUAIS SÃO AS COISAS BOAS QUE O BAIRRO TEM?

18- O QUE VOCÊ MAIS GOSTA NA ESCOLA?

19- O QUE VOCÊ MENOS GOSTA NA ESCOLA?

20- O QUE VOCÊ GOSTARIA QUE A ESCOLA TIVESSE?

21- QUAL MATÉRIA VOCÊ TEM MAIS FACILIDADE?

22- QUAL MATÉRIA VOCÊ TEM MAIS DIFICULDADE?

23- QUAL SEU MAIOR SONHO?

24- QUAL PROFISSÃO GOSTARIA DE SEGUIR?
25- VOCÊ TEM AMIGOS NA SUA SALA/ ESCOLA?

26- QUEM É A PESSOA EM QUEM VOCÊ MAIS CONFIA PARA SE ABRIR E FALAR DOS SEUS SENTIMENTOS?


ANÁLISE DE QUESTIONÁRIO

Em sua maioria, os alunos estão frequentando a escola no ano e idade correspondentes, salvo os alunos que já foram retidos, que representam cerca de 6%.

Em anos anteriores, cerca de 70% de nossos alunos são residentes da Vila Andrade, porém podemos observar que a cada ano o número de alunos residentes sem áreas mais distantes tem aumentado, mesmo havendo escolas mais próximas de suas casas. Através dos alunos que responderam ao questionário, 461, pudemos observar que 13,4 % são moradores do jardim São Roque, 16,5% são moradores do Jardim Ingá, 11,7% são moradores do Parque Araribá, 9,5% são de Paraisópolis, 7% são do Parque Regina e 32% se declaram moradores da Vila Andrade. Vários fatores podem ter ocasionado esta mudança, ou muitos se diziam moradores da Vila Andrade, quando não eram, ou mesmo tendo mudado de bairro, preferiram continuar estudando na escola, outros vieram por cadastro de SME e os alunos de Paraisópolis que estão aqui por falta de vaga na região.

São famílias em média de 5 a 4 pessoas, porém entre as de menor número, 2, e as de maior número, 9 ou mais, o número de pessoas trabalhando na família não variou muito, entre 1 a 3 pessoas. O número de desempregados também foi expressivo, chegando a 10%.

Podemos perceber que os homens já exercem atividades que exigem uma escolaridade de ensino médio, como técnicos em informática, eletricidade, porém entre as mulheres prevalecem as atividades ligadas às atividades domésticas, diaristas, babás, cuidadoras e empregadas domésticas. Entre os homens podemos perceber também que um grande número desenvolve atividades na área de construção civil.

Cerca de 85,9% declara que seus responsáveis são seus pais e mães, e relatam que ficam sozinhos quando estes vão trabalhar, mesmo alguns não sendo maiores que 9 anos, outros ficam aos cuidados de irmãos/ irmãs. O nível de escolaridade dos responsáveis é relevante, pois há mais pais com nível superior e ensino médio cerca de 35%, 16,9% declaram ter o Ensino Fundamental II, porém 32% declaram não saber o grau de escolaridade dos responsáveis, o restante não terminou o ensino fundamental I.

Um dado importante é que 94,6% tem um espaço para estudar em casa, sendo 55% no próprio quarto, 17,3% na mesa da sala, 15,5% na mesa da cozinha, 7% no sofá, viabilizando assim a realização das atividades de lição de casa, pois uma das justificativa para a não realização das mesmas seria a falta de local apropriado em casa.

Os projetos sociais já tiveram uma abrangência maior, hoje apenas 34,9% declaram participar de algum projeto fora da escola. Pudemos perceber que passaram a utilizar mais a infraestrutura da região como shoppings, cinemas, parques e o comércio em geral, pois 90,9% declaram que saem para brincar/passear. E também nos interessou muito saber que 79,4% já viajou e muitos para regiões de origens de suas famílias.

Nossos professores, gestores, funcionários e colaboradores responderam a um questionário sociocultural com o intuito de conhecermos melhor nossos profissionais, 52 % possuem pós-graduação, 30% nível superior, 12 % ensino Médio e 4% Ensino fundamental completo. E sabemos que apenas leitores são capazes de estimular leitores e 28% leem mais de 5 livros, 36% de 3 a 4 livros, 24% de 1 a 2 livros e apenas 2% não leem livros. Mas, em geral fazem uso de outros tipos de leitura como rede sociais, revistas, jornais e blogs. Em relação ao entretenimento, apenas 9% nunca fora ao teatro, 6% vão frequentemente, 2% não responderam e 80% vão ocasionalmente. Todos os professores já fizeram ou estão participando de cursos de SME ou particulares. Apenas 30% praticam algum exercício físico com regularidade.

GRÁFICOS

V – RECURSOS HUMANOS


Apoio Operacional.................................................................................................................................................................................................

3

Apoio Administrativo..............................................................................................................................................................................................



6

Direção Escolar....................................................................................................................................................................................................

1

Assistência de Direção Escola..............................................................................................................................................................................



2

Coordenação Pedagógica.....................................................................................................................................................................................

2

Ensino Fundamental I............................................................................................................................................................................................



31

Ensino Fundamental II...........................................................................................................................................................................................

40

VI - ALUNOS-


QUANTIDADES DE:

CICLO DE ALFABETIZAÇÃO.............................................................................................389


CICLO INTERDISCIPLINAR................................................................................................213
CICLO AUTORAL.................................................................................................................176

TOTALIZANDO: ......................................................................................................................746


VII - Plano Pedagógico - 2018

A partir de 2018, o Laboratório de Informática Educativa disponibilizará no horário intermediário (12:00 - 13:30) um espaço para que todo os estudantes possam aprofundar seus conhecimentos ou realizar pesquisas solicitadas pelos docentes da escola. Contando com a orientação do Professor Orientador de Informática Educativa (POIE), o laboratório ficará aberto para que estudantes de todas as idades realizem pesquisas, aprendendo, além do conteúdo pesquisado, a selecionar informações mais relevantes para seus trabalhos. O objetivo é estimular a investigação do conhecimento através de métodos científicos, levando em conta a qualidade das fontes encontradas e os cuidados para a construção e apresentação dos saberes descobertos. O professor Claudio Bernardino, neste ano, seguindo planeja mento, trabalhará com o uso de celulares com os 4º e 5º anos. Já prevendo então o uso pedagógico de celulares, cujo o uso será orientado pelo professor.

O projeto AEL, em 2018, a professora Geane Vasconcelos passou a fazer parte do projeto, envolvendo-se diretamente na sua ampliação com a “AELzinha Kiusam de Oliveira”, juntamente com a professora Renata. O objetivo da AELzinha é inserir os alunos do ciclo de alfabetização nas atividades de leitura literária e de teatro realizadas. A AEL Kiusam continua crescendo com 119 alunos inscritos. O desafio é ampliar as turmas a fim de, a médio prazo, poder acolher a todos os interessados em participar. O amplo interesse dos alunos pelo Projeto AEL mostra como é enganosa a ideia de que os jovens não gostam ou não se interessam por leitura, em especial, a leitura literária. Pensando nisso, pretende-se ampliar as ações da Sala de Leitura, através de mais saraus, festivais, concursos literários, e ações articuladas com professores de diferentes áreas do conhecimento, inclusive as áreas da Matemática e Ciências. Além da AELzinha, outros projetos de integração leitora entre os alunos de diferentes ciclos vem sendo desenvolvidos na U.E, como o Projeto Leia Para Mim, idealizado e conduzido pela professora Geane. Também estão previstas atividades que promovam o autoconhecimento, a concentração e a autonomia para desenvolver não apenas a proficiência leitora, mas também uma relação harmoniosa com o espaço, os materiais e os colegas. Para tanto, além das atividades de leitura e discussão dos textos e obras literárias, as aulas de leitura pretendem abranger exercícios de Mindfulness, meditação, oficinas de corpo, dinâmicas de grupo, entre outros, como ações integrantes do projeto “Yoga na escola: prevenindo e mediando conflitos”. Além dessas ações, o projeto contará com aulas de yoga em docência compartilhada entre as professoras Renata (POSL) e Roberta Teixeira (4ºB)

Em Educação Física, com o professor Ricardo Armênio, os 7º anos A e B desenvolverão atletismos, futebol, dança contemporânea e voleibol; o 6º ano A desenvolverá lutas olímpicas, ginásticas (GA, GR, GG, e GAC), handebol; 9º anos A e b desenvolverão Medidas e avaliações, sistema do corpo, capacidades físicas, análise de dados, práticas de academia, cross fit, flash mob, medida certa, futebol; 8º anos A e b desenvolverão basquetebol, esportes americanos, Hip Hop, Futebol, voleibol; todas as turmas no segundo bimestre participarão da Festa Junina e das atividades desenvolvidas para a Copa do Mundo de Futebol. Os conteúdos serão desenvolvidos de maneira dinâmica com a utilização de filmes, discussões, concursos, passeios, pesquisas, utilização da quadra.

Os projetos de Trabalho Colaborativo Autoral (TCA) vão além da metodologia, buscam conscientizar os alunos em relação ao seu papel na sociedade, tentam fazer com que observem problemas que incomodam sua comunidade e de que maneira podem intervir, buscando uma solução ou buscando meios para que isso ocorra. Mobilizando diferentes saberes, buscando e construindo soluções para uma sociedade mais justa e igualitária.

Algumas datas foram consideradas relevantes para o convívio escolar e para tanto serão lembradas no decorrer do ano, formamos comissões que atuarão na articulação das atividades a serem desenvolvidas por todos durante as comemorações. São elas: Carnaval: Claudio, Letícia, Karina, Viviane; Páscoa: Karina Moreno, Stella, Ricardo, Cláudio, Letícia, Karina Costeline, Viviane; Dia de quem cuida de mim I: Stella, Karina Varis, Christiane, Flávia, Edna, Paula; Dia de quem cuida de mim II: Leni Ricardo, Claudio, antonio, Daniel; Leituraços: Renata, Kamila, Pâmella, Cíntia; Festa Junina: Ricardo, Leonardo, Renata, Josirene, Claudia Yumi, Karina Moreno; Semana Afro: Pâmella, Cíntia, Tereza, Daniel; Semana da Criança: Kamila, Ricardo, Rodrigo, Ana Paula, Karina Moreno, Letícia; Halloween: Sarah, Flávia, Daniela, Rose Mary; Natal: Ricardo, Jaqueline, Ana Paula, Aleixo, Fabíola, Sarah, Flávia, Andrea, Andrea, Samia, Teodora.


Os 5º anos planejam integrar a prática à teoria, promovendo passeios a museus como: Catavento, Afro brasileiro, do Futebol; Institutos Butantã, Itaú; Planetário, sempre através de projetos interdisciplinares e docência compartilhada, agindo de maneira que todos os alunos tenham o mesmo conteúdo. A integração entre as salas do próprio ano e do ciclo, e do período, tem tornado o aprendizado rico em experiências sociais.

De acordo com a Lei Nº 16.812, de 01/02/2018, que dispõe sobre a instituição da Campanha Permanente de Orientação, Conscientização, Prevenção e Combate ao Mosquito “Aedes aegypti” na Rede Municipal de Ensino, o tema será tratado de acordo com as regulamentações exigidas por lei, ressaltando-se que tal campanha sempre fez parte dos planejamentos.

De acordo com a Lei Nº 16 815, de 01/02/ 2018 que altera a Lei Nº 14. 472, de 10 de julho de 2007, que passa a vigorar acrescida do artigo 9º-A. Os Estabelecimentos de Ensino da Rede Municipal promoverão, anualmente, no dia 19 de novembro, ou no próximo dia útil possível, o hasteamento da Bandeira do Brasil e canto dos Hinos Nacional e da Bandeira, por todos os alunos, professores e funcionários da escola, diante da Bandeira. Devemos providenciar a colocação do mastro para que a cerimônia seja devidamente realizada.

Planejamento Interdisciplinar

2018
Este planejamento pretende abraçar a todas as disciplinas, a citar: Língua Portuguesa, Matemática, Historia, Geografia, Ciências, Artes, Inglês, Educação Física, além das imprescindíveis salas de Leitura e Informática

Metodologia Geral


-aula expositiva;

-aulas compartilhadas (sala de informática, sala de leitura); com outros professores e (diferentes disciplinas) e, de outros ciclos;

-roda de conversa com os alunos;

-debates entre turmas diferentes e de ciclos diferentes;

-atividades individuais, duplas, grupo;

-atividade no pátio, quadra e mesas externas;

-estudos fora da escola (passeios; estudo do meio(entorno);

-entrevistas com membros da escola e da comunidade;

-roda de conversas com os responsáveis;

-uso da sala de vídeo, projetor;

-uso de filmes/documentários como recurso pedagógico: junção de turmas para assistirem aos mesmos filmes, roda de conversa e debates entre turmas sobre o assunto dos filmes;

-utilização de celular para trabalhos dentro e fora da escola;

-músicas: uso do som/multimídias;

-leitura de textos (jornais, revistas, dentre outros);

-argumentação e opinião dentro do texto;

-iniciação científica: no entorno (explorando novos territórios educativos);

-exposições itinerantes em diversos espaços da escola, para diferentes turmas e ciclos;

-empréstimos de materiais, de acervos para essas exposições;

-sala disposta em outros formatos para realização de atividades;

-ensaios de apresentações por grupos de alunos fora da sala, dentro de combinados previamente com estipulados;

-entrevistas em períodos de aula respeitando as demandas e o andamento da escola;

-execução de murais de intervenção feito por alunos e/ou professore

6º anos

1.Maquete para Contação de Histórias

-os alunos construirão maquetes que representem a história que eles criarão em grupo;

-serão divididos em grupos para criarem juntos uma narrativa;

-em seguida, cada aluno ficará responsável por um parágrafo do texto;

-cada parágrafo será representado na forma de maquete, assim formando um todo que represente o texto final;

-cada integrante do grupo ficará encarregado de trazer materiais para a construção de sua parte da história;

-serão elencados materiais recicláveis para esse uso;

-a construção da maquete será feita na escola, utilizando diversos espaços para isso: sala de aula, pátio, mesas externas, quadra, entre outros;

-será solicitada a ajuda de professores que estão na condição de módulo;

-essa atividade será realizada conjuntamente com os professores(as) de :

-Geografia: observação da paisagem, espaço geográfico;

-Artes: desenvolvimento da maquete;

-Informática: projeto da maquete no computador;

-alunos que criaram métodos de fazer maquetes para explicar aos outros (ex: Vitor Belfort: 8ºB);

2.Projeto Cientista

-os alunos farão um projeto para desenvolver o olhar científico, a capacidade de inferir, analisar dados e construir um texto científico;

-os alunos trabalharão em diversos espaços da escola como: sala de aula, pátio, mesas externas, sala de leitura, sala de informática, quadra;

-a professora trará uma planta para cada grupo e eles serão os cientistas que descobriram essa planta. assim serão responsáveis por escrever um artigo científico de divulgação dessa nova planta;

-será solicitada a ajuda de professores que estão na condição de módulo;

-essa atividade será realizada conjuntamente com os professores(as) de:

-Ciências: olhar científico, metodologia de pesquisa;

-Artes: desenho para análise da planta;

-Informática: pesquisa e leitura de artigos científicos, orientação de escrita;

-Geografia: análise de plantas e materiais cartográficos

3.Produção de calendário, Cartão Postal e Marca Páginas: será o início do projeto cientista ou sua continuidade

-junto com a disciplina de língua portuguesa-geografia-sala de leitura os alunos irão construir um texto científico para descrever a paisagem que tiraram foto (com uso do celular ou máquina fotográfica);

-estas fotos serão do entorno da escola ou de lugares que escolherem;

-na sala de informática aprenderão a manusear as imagens selecionadas e o enquadramento da foto;

-será criado um arquivo para revelação destas fotos e o material, além de ser exposto, fará parte do acervo da escola, tendo como objetivo: valorizar o lugar onde moram, suas paisagens e identidades.


4.Será que é bom mesmo morar em São Paulo?

-entrevista com os familiares para sabermos se: é bom mesmo morar em são paulo?;

-tabulação de dados;

-construção de gráficos e escrita de um texto que fala da história dos moradores dos bairros próximos de onde a escola está localizada;

-esse projeto será feito conjuntamente com os professores (as) de :

-Língua portuguesa

-Geografia

-Matemática

-História

-Informática.


8º anos

1.Produção de Calendário, Cartão Postal e Marca Páginas: será o início do projeto cientista ou sua continuidade

-junto com a disciplina de língua portuguesa-geografia-sala de leitura os alunos irão construir um texto científico para descrever a paisagem que tiraram foto (com uso do celular ou máquina fotográfica);

-estas fotos serão do entorno da escola ou de lugares que escolherem;

-na sala de informática aprenderão a manusear as imagens selecionadas e o enquadramento da foto;

-será criado um arquivo para revelação destas fotos e o material, além de ser exposto, fará parte do acervo da escola, tendo como objetivo: valorizar o lugar onde moram, suas paisagens e identidades;

-desconstrução de mapas e confecção de maquetes;

2.Construção de maquetes de diferentes temáticas


3.Poema Visual

-temática da mulher na sociedade;

-pautado nos documentos sobre direitos humanos;

-leitura de poemas com a temática da mulher e construção do poema concreto, aquele que sai do papel construído com materiais recicláveis;

-exposição dos trabalhos pela escola;

cada integrante do grupo ficará encarregado de trazer materiais para a construção de sua parte do poema;

serão elencados materiais recicláveis para esse uso;

a construção do poema será feito na escola, utilizando diversos espaços para isso: sala de aula, pátio, mesas externas, quadra, entre outros;

será solicitada a ajuda de professores que estão na função de módulo;

essa atividade será realizada conjuntamente com os professores(as) de :

-Geografia

-Artes


-Sala de Leitura

-Língua Portuguesa


4. Sexualidade

-desenvolver nos alunos o respeito pelo corpo (o próprio e o do outro);

-refletir sobre diferenças de gênero e relacionamento;

discutir e aprofundar os conhecimentos sobre sexualidade para que possam ter atitudes conscientes em relação a seu próprio corpo;

-convivência social e respeito à diversidade de gêneros;

-envolver professores e pais no trabalho de orientação sexual dos estudantes;

-desenvolver um olhar mais humano para as realidades dentro e fora da escola.


conteúdos:

-sistema reprodutor;

-puberdade ;

-diversidade de gênero;

-métodos contraceptivos;

-doenças sexualmente transmissíveis;

-o que é ser homem no Brasil?;

-a condição da mulher na sociedade brasileira;

-homossexualidade: é moda?;

-incluir ou excluir: quebra de padrões;

-um olhar humano para o ser humano.

9º anos


1.Árvore Tolerância Religiosa/Ecumênica

Esta atividade tem como proposta apresentar aos alunos, dentro de um contexto laico de educação a discussão sobre a tolerância religiosa.

os alunos estudarão algumas religiões, sobretudo, as de matriz africana que são tão discriminadas em nossa sociedade.

será construída uma árvore, com símbolos e explicações sobre essas as religiões elencadas para o estudo e na sala de leitura será exposta e debatida com todas as turmas, também e fundamental I.

2.Criação de Calendário - Marca Páginas - de biografias e ou atreladas aos conteúdos propostos, ex: continente americano, continente africano

serão construídos calendários temáticos: dia das mulheres, personalidades importantes do mundo e seus feitos; calendários de suas biografias, enfim, será um acervo para a sala de leitura e para que professores possam utilizar em suas aulas.

-Sala de Leitura

-Geografia

-Sala de Informática

-Artes


-História

-Língua Portuguesa

3.Sexualidade

-desenvolver nos alunos o respeito pelo corpo (o próprio e o do outro);

-refletir sobre diferenças de gênero e relacionamento;

-discutir e aprofundar os conhecimentos sobre sexualidade para que possam ter atitudes conscientes em relação a seu próprio corpo;

-convivência social e respeito à diversidade de gêneros;

-envolver professores e pais no trabalho de orientação sexual dos estudantes;

-desenvolver um olhar mais humano para as realidades dentro e fora da escola.
subtemas:

-sistema reprodutor;

-puberdade ;

-diversidade de gênero;

-métodos contraceptivos;

-doenças sexualmente transmissíveis;

-o que é ser homem no brasil?;

-a condição da mulher na sociedade brasileira;

-homossexualidade: é moda?;

-incluir e excluir: quebra de padrões;

-um olhar humano para o ser humano.
-Língua Portuguesa

-Educação Física

-Informática

-Ciências Naturais

-Geografia
6ºanos – 7º anos - 8ºanos - 9º anos
1.Museu da Empatia: escrita de diários - relatos

-exposição de objetos que remetam à história de pessoas refugiadas da áfrica, ásia e oriente médio;

-na sala de informática ser criado um ambiente em que os alunos escolherão o objeto e ouvirão as histórias destes refugiados, mediante pesquisa prévia na internet e baseado em outras experiências em museus e exposições;

-após esta primeira experiência, os alunos, também, farão escrita de relatos de experiência vivida e trarão fotos ou objetos que remetam a sua história, bem como faremos uma exposição seguindo os mesmos moldes da primeira, respeitando a identidade de cada aluno, por isso os objetos serão expostos de forma anônima ;

-os alunos escreverão diários que serão utilizados no próximo ano e, em seguida, faremos uma cápsula do tempo com o material. estes serão entregues para os alunos no 9º ano;

-essa atividade será realizada conjuntamente com os professores (as):

- Geografia;

- Sala de Leitura

- Informática

- História

- Língua Portuguesa
2. Confecção de Mapas/Maquetes/trabalhos manuais junto com outras disciplinas ligadas aos conteúdos

Esses trabalhos são importantes para o estímulo a criatividade e as habilidades de cada aluno. elevando suas potencialidades, autoestima e valorizando seus conhecimentos.

-Graffiti

-Lambe-lambe

-Encadernação

-Stencil


-Scrapbook, dentre outros
Projetos gerais da escola
Estão descritos os professores que participarão dessas atividades, porém não descartamos a possibilidade de auxílio de outros professores e a inserção de adequações aos projetos, para melhor aproveitamento, tanto de sua execução, como dos alunos.

1.Orientação de Estudos - ETEC/SESI/SENAI - 9º anos

-Horário de orientação de estudos com foco na etec;

-Participarão os alunos do 9º ano, no horário das 12h às 13h:15min. na sexta-feira;

-Professores de diferentes disciplinas utilizarão as provas em sala de aula para aprofundar os estudos;

-Utilizaremos o espaço da sala de informática ou uma sala de aula disponível no horário descrito acima;

-A escola ficará responsável por fornecer as cópias da provas;

-Realizaremos várias provas ao longo do ano;

-Orientação para inscrição nos cursos para vestibulinho, plataforma dos endereços das unidades e cursos disponíveis, visita a uma das ETEC(S)/SESIS/SENAI para que os alunos que tenham interesse possam conhecer o ambiente;

-Ampliar, se necessário, orientação para outros centros de referência e estudos;

-participarão do projeto os professores (as) de:

-Língua Portuguesa

-Informática

-Matemática

-Geografia

2.TCA: Orientação de Escrita- apresentações e seminários

-Serão realizadas orientações de escrita nas aulas de língua portuguesa;

-Os alunos utilizarão as aulas de informática para escrita dos TCAs;

-Rodas de conversa para discussão dos temas;

-Apresentação de seminários para avaliação dos trabalhos com a participação dos professores orientadores dos trabalhos: Raphael, Cintia, Pâmella;

-Participação da coordenação pedagógica nas apresentações dos seminários no final do ano;

-horário de pesquisa da sala de informática das 12h às 13h:30min. na sexta-feira

3.Festa das Nações /(Copa do Mundo)/Festa Junina

Após debates em reuniões de planejamento e demais ocasiões, neste ano, optamos por agregar o evento da Copa do Mundo, a festividade da Festa Junina. repensando os moldes de como esta festa é realizada em ambiente escolar e, visto que, a escola é um ambiente, além de laico, de discussão e debate, sobretudo, por conta de um calendário que segue uma prática cristã/católica privilegiaremos um ambiente rico em diversidade, explorando os países que participarão deste evento mundial, na qual mostraremos suas culturas, seus trajes, comidas típicas, etc. além disso, serão apresentadas danças típicas, apresentações de seminário, estudo das músicas.

para os ensaios, será feito um cronograma de atividades para os dias que antecedem a festa e em comum acordo com os professores, bem como para a organização da escola para este fim, no uso de diferentes espaços da escola.

obs.: a princípio, este será o tema geral da festa, qualquer alteração segue somente em relação ao nome do evento, permitindo que todas as práticas sejam inalteradas.


4.Leituraço

O Leituraço, dará destaque as aos temas sugeridos por SME de representatividade social, no combate às discriminações/preconceitos e no reconhecimento de diferentes culturas/identidades. a citar, temos: agosto indígena, novembro afro, dezembro imigrante. ressaltamos, ainda, que esses momentos não sejam restritos a uma data, mas que se houver a necessidade mediante o contexto encontrado, essas iniciativas possam ser estendidas mediante acordo entre professores.

utilização de outros espaços da escola: pátio, quadra, etc.
5.Semana Afro

No mês da semana afro serão realizados trabalhos com a temática, bem como a exposição de materiais realizados ao longo do ano. as leituras de livros (leitura simultânea/ Leituraço), serão previamente agendadas e organizadas.

Realização de oficinas (de alunos, professores da escola e convidados), palestras e atividades que possam enriquecer o repertório dos alunos no combate ao racismo/preconceito e discriminações e as intolerâncias religiosas, sobretudo, de matriz africana.

utilização de outros espaços da escola: pátio, quadra, etc.

6.Leitura Simultânea

.São leituras realizadas ao mesmo tempo por toda a escola, em cada período, organizada por títulos escolhidos e resenhados por professores que serão os leitores, cada aluno poderá escolher o título que mais lhe agradar, sem saber quem será o leitor do título. Os temas deverão ser pertinentes para serem debatidos após a leitura, visando o aprimoramento de diferentes competências e habilidades. Haverá utilização de outros espaços da escola: pátio, quadra, etc. Organização de dias e horários para esta atividade.


7.Comissão de Formatura - 9º anos

Haverá comissões (responsáveis - professores - professores e alunos e gestão), para decidirmos os encaminhamentos da cerimônia, festas e passeios, para os alunos do 9º ano, que terminarão o ensino fundamental II. arrecadação de verbas e demais assuntos.

8.Festa de Final de Ano

Comissões serão formadas para cuidar dos preparativos desta festa, lembrando que esta celebração deve ser diversa, inclusiva e reflexiva, não apenas, e somente uma data comemorativa de praxe, relembrando que estamos num ambiente laico que não privilegia nem uma ou outra religião.

árvore ecumênica-tolerância religiosa será exposta.

9.Saídas Pedagógicas

(inclui-se aqui todas as disciplinas: português, matemática, história, geografia, ciências, educação física, inglês, artes, salas de leitura e informática), de acordo com as temáticas a serem estudadas e a necessidade de vivências)

-museu Afro-Brasil;

-museu da Imigração;

-museu da Língua portuguesa;

-museu dos Transportes;

-museu do Corpo de Bombeiros;

-museu de Geologia;

-museu do Futebol;

-saídas no entorno da escola/parques/praças (estudo do relevo,

-saneamento básico, lixo, etc);

-Rincão;

-parques: Ibirapuera, Burle Marx e demais;

-Ceagesp;

-Catavento;

-teatros;

-cinemas;

-shopping;

-fábricas de cultura;

-SESC;

-exposições;



-CEUS para uso dos recursos disponíveis;

-circo;


-saídas para palestras que possam estar disponíveis dentro dos conteúdos propostos ou que mesmo fora desta sequência de planejamentos possa colaborar com o crescimento pessoal e profissional dos alunos;

-USP;


-ETEC/SESI e demais centros de estudos;

-MAC/MASP/Museu de Anatomia;

-museu do Ipiranga;

-museu de Zoologia;

-instituto Biológico;

-produção de mudas do Ibirapuera e de outros parques que possam atender a esses requisitos;

-museu da energia;

-Sabesp;


-represas Guarapiranga/Billings/Cantareira;

-postos de saúde;

-hospitais;

-museus e bibliotecas itinerantes

-secretaria de planejamento/subprefeituras: mapas e arquivos

- CDC Izaltino Silva – para lançamento dos foguetes do OBA

- Bienal do Livro de São Paulo

10.Festa da Família (quem cuida de mim)

Objetivos: 1-) celebrar a participação daqueles e daquelas que são os responsáveis diretos pelos alunos; 2-) valorizar os vínculos de parentesco ou de cuidado, respeito e atenção; 3-) ressaltar a importância do acompanhamento por parte dos responsáveis da vida escolar dos alunos.

Apresentação de danças e músicas pelos alunos de 1º ao 9º anos, sempre ressaltando e valorizando as pessoas que fazem parte do contexto familiar das crianças.

11.Palestras sobre profissões com pessoas de diferentes áreas para os alunos de diferentes anos, sobretudo 9º anos

Objetivos: 1-) informar sobre diversas profissões; 2-) perceber as possibilidades e necessidades para ingresso no mundo do trabalho.


12. Criação um ambiente pedagógico, com a pintura de mapas pela escola, bem como outras imagens propícias para que os alunos aprendam e desenvolvam suas capacidades de observação.
13. Projeto Aluno-Tutor (PAT): os alunos dos 9°anos serão tutores de alunos dos 5°anos, com o objetivo de sanar dúvidas existentes de diferentes conteúdos, sobretudo, da disciplina de Geografia e esclarecimentos quanto ao funcionamento do ensino fundamental II. A logística, será de acordo com a demanda/necessidades dos alunos e professores de fundamental I. Haverá deslocamentos desses alunos, entre essas salas e para outros ambientes da escola.
14. Que todas as propostas que possam surgir do fruto de discussões em sala, da necessidade dos alunos, professores para uma educação de qualidade possam ser realizadas. Respeitando, não só os planejamentos existentes, mas da liberdade do replanejamento dos mesmos, visto que, esta premissa está salvaguardada dentro dos documentos oficiais.

Quanto mais ricas forem as experiências vividas em conjunto, melhor será o repertório para que os (as) educandos(as) continuem a aprender.


15. Projeto OBA- Olimpíada Brasileira de Astronomia – Ampliando seus conhecimentos em astronomia com a orientação da professora Leni, alunos de 8º e 9º anos realizarão estudos e experimentos em torno do tema, além da realização de um Quizz, estimulando a aprendizagem de maneira lúdica e reiterando que a aprendizagem se dá além da escrita e da leitura apenas. Os alunos também vem apresentando avanços significativos a cada ano de participação na OBA.
16. Conselho de classe-
17. Comissão de Conflitos-
Portaria nº 2.974/2016 que dispõe sobre a implementação da comissão de mediação de conflitos nas escolas da Rede Pública da Prefeitura de São Paulo
Composição da CMC

Equipe gestora (1): titular Rose (coordenação), suplente Elizabeth (diretora);

- Professores Efetivos (3): titulares - Claudio, Pâmella, Geane e suplentes - Letícia, Karina Varis, Cintia;

- Equipe de apoio (2): titulares – Erica, Eduardo e suplentes – Carla e Cícero;

- Responsáveis (3): titulares – Flávia, Adriana e Neusa;

- Educandos (3): titulares – Jennifer, Brenda, Danilo e suplentes – Célio, Vitor e Daniel


Ações realizadas

Até o presente momento, a CMC da EMEF Francisco Rebolo desenvolveu as seguintes ações:

1ª Apresentação para toda a escola da formação de uma Comissão Mediadora de Conflitos;

2ª Proposta de uma roda de conversas para levantamento dos principais conflitos enfrentados pelos estudantes;

3ª Elaboração, em conjunto com os educandos, de cartazes apresentado os membros da CMC, a rede de amparo social que todos em situação de conflito podem recorrer e a divulgação dos horários de plantão para escuta dos conflitos enfrentados;

Resultados parciais obtidos

A CMC apurou, em levantamento realizado na escola no dia 02/10, que os principais conflitos encontrados são:

Atividades de Yoga Parceiro-


Iniciamos as atividades em 2018 com a formação em JEIF sobre a importância e o papel da yoga no contexto escolar, às segundas-feiras temos a participação dos membros dessa Instituição para atividades que nos ajudem a construir atividades em classe, valorizando a formação integral dos nossos alunos, bem como desenvolver a cultura da paz.

Iniciamos atividades com alunos do 4º ano A, período da manhã e com os 6º anos, do período da Tarde.

PEA-”

Desenvolver habilidades e percepções que nos tornem capazes de olhar cada aluno em sua individualidade, em sua totalidade, como seres integrais, cada um a sua maneira, pode parecer pretensioso, mas estaremos iniciando estudos com esta finalidade. Sabemos que é um longo caminho, não procuramos culpados e tampouco estamos nos desresponsabilizando pelo fracasso ou a situação de não-aprender das crianças, pretendemos sim, analisar, ler, aprender, discutir coletivamente para que este trabalho se reflita em sala de aula. Envolvimento com a análise do aluno que pretendemos formar, que caminhos iremos tomar e como adequar esses caminhos para que todos possam, cada um a sua maneira e a seu tempo encontrar um ponto de chegada.



VIII - JUSTIFICATIVA

Conhecendo a realidade de nossos alunos, podemos perceber que sua situação socioeconômica tem avançado possibilitando o acesso a recursos midiáticos e consequentemente a informações, porém sabemos que há muito trabalho a ser realizado para que adquiram uma consciência na utilização das mesmas. Construir um Currículo real, que permita a inclusão de todos na sociedade com equidade, torna-se um desafio, portanto nossos estudos e adequações serão voltados aos esforços para que cada aluno seja visto, observado, avaliado e as intervenções necessárias sejam realizadas.

O objetivo maior, declarado por nossos docentes, é a formação de alunos autônomos, capazes de atuar socialmente, com protagonismo e intervindo de maneira significativa em sua comunidade. Temos consciência que somos um dos polos de desenvolvimento cultural dos nossos alunos, mesmo que existam projetos como o da Igreja Batista, Obra do Berço, Semear e outros na região, nossa unidade escolar é referência até mesmo para a resolução de conflitos da comunidade do entorno. Sendo a experiência escolar essencial para a formação ética constituindo um ambiente de cultivo dos princípios fundamentais que regem a vida e a moralidade pública, como justiça, igualdade, não discriminação. Reafirmamos nosso compromisso na realização de ações para uma educação de qualidade.
IX - Objetivos Gerais:
• Vincular a escola como um espaço de busca, de reflexão que utilize todas as áreas do conhecimento para fortalecer a construção do saber cultural do aluno.

• Profissionais mais comprometidos e autônomos através dos cursos de formação oferecidos por SME, fora do horário de trabalho e, também, dentro do horário coletivo.


• Construir uma educação de qualidade que integre todas as dimensões do ser humano, Curriculares, de Direito de Aprendizagem.

• Incluir todos os alunos com NEE matriculados na escola

• Participação dos professores dos CICLOS de alfabetização, interdisciplinar e autoral em cursos de Formação em trabalho.
• Recuperar as habilidades de leitura e escrita e matemática dos alunos defasados do Ciclo de alfabetização e interdisciplinar segundo a avaliação dos professores em 2017, através do Projeto de Recuperação Paralela.

• Recuperar as habilidades de leitura e escrita defasados dos alunos dos 4º e 5º anos do ciclo interdisciplinar e, todas as séries do ciclo autoral, tendo maior flexibilidade com a incorporação dos alunos em diferentes tipos de grupo, considerando suas necessidades de aprendizagem.

• Análise dos resultados das Avaliações Sistêmicas e encaminhamentos necessários para o avanço dos alunos em sua aprendizagem.

• Aprofundar o debate sobre o que se espera que os alunos aprendam na escola, em consonância com o que se considera relevante e necessário em nossa sociedade.


• Utilização das linguagens midiáticas como recurso de ensino/ aprendizagem

• Formação de professor do projeto Nas Ondas do Radio,POSL,POIE, com orientação de SME e DRE.

• Reflexão sobre diversidade cultural enfocando as Culturas Africanas e indígenas, e abordando as questões de gêneros e sexualidade, prevenção contra as drogas.

• Identidade local – com identificação de onde vivem e como vivem os nossos alunos

• Parcerias entre a escola e família

• Eventos com participação da comunidade

• Formação do aluno de maneira interdisciplinar, observando a escola como espaço comum, público e que deve ser conservado e respeitado.

• Discutir a segurança e achar soluções – CIPA

• Promover campanhas e divulgar informações sobre a Dengue, Chikungunya , Zika, febre amarela, piolhos, catapora e outras doenças.

• Dar prosseguimento a Comissão Mediadora de Conflitos, conforme Lei 16.134/2015


• Gestão Democrática: através do Conselho Escolar garantir a participação de todos os colegiados para que possam expressar suas opiniões e necessidades sempre visando o bem comum.

• Apresentações dos TCAs


X - PROPOSTA DE AÇÃO PARA 2018:


• PLANEJAMENTO DE ATIVIDADES SEGUNDO OS DIREITOS DE APRENDIZAGEM E PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO SÃO PAULO

• PEA- CURRÍCULO E ADAPTAÇÃO CURRICULAR – TEORIA E PRÁTICA

• PROVÃO SEMESTRAL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL II, ENVOLVENDO TODAS AS DISCIPLINAS.

• PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO SÃO PAULO

• INSCRIÇÃO NOS CURSOS DA DRE, SME E SINDICATOS.

• PASSEIOS A DIVERSOS ESPAÇOS CULTURAIS DE ACORDO COM OS PROJETOS DA UNIDADE

• UTILIZAÇÃO DE DIVERSOS MATERIAIS PARA APOIO PEDAGÓGICO, DIVERSOS PORTADORES DE TEXTOS.

• ELABORAÇÃO DE ATIVIDADES COM ADAPTAÇÕES CURRICULARES AOS ALUNOS NEE

• REUNIÕES PEDAGÓGICAS

• CONSELHO DE CLASSE

• INSCRIÇÃO DE PROFESSORES INTERESSADOS EM PARTICIPAR EM CURSOS DE FORMAÇÃO

• ENCAMINHAMENTO DE ALUNOS PARA PROJETOS DE APOIO PEDAGÓGICO

• REFLEXÃO DOS RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS E ACOMPANHAMENTO DOS ALUNOS EM SEU DESEMPENHO

• REPLANEJAMENTO DE ATIVIDADES BASEADOS NOS RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS E INTERNAS

• PLANEJAMENTO DE FORMA INTERDISCIPLINAR UTILIZANDO AS AULAS DE INFORMATICA EDUCATIVA, SALA DE LEITURA E OUTROS ESPAÇOS DA UNIDADE.

• PLANEJAMENTO DE FESTAS E EXPOSIÇÕES COM A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE LOCAL

• TORNEIO ESPORTIVO INTERCLASSES

• ALUGUEL DE BRINQUEDOS PARA SEMANA DA CRIANÇA

• PASSEIOS CULTURAIS

• CONTRATAÇÃO DE TEATRO, PALESTRAS VERBAS DO GOVERNO E APM DA ESCOLA.

• CRIAÇÃO DE ESPAÇOS ALTERNATIVOS DE APRENDIZAGEM: COZINHA EXPERIMENTAL, PLAYGROUND, MESAS EXTERNAS PARA AULAS DE LEITURA E ARTES, BANCOS EXTERNOS, PARQUE, PATIO.

• DISCUSSÃO EM BUSCA DE SOLUÇÕES COM A PARTICIPAÇÃO ATIVA DOS CIPEIROS

• ENVIO E CORREÇÃO DE ATIVIDADES PARA CASA ADEQUADAS ÀS DIFICULDADES DOS ALUNOS.

• COMPRA DE MATERIAIS PARA OS TRABALHOS REALIZADOS NO PROJETO MAIS EDUCAÇÃO FEDERAL”

• 1 PROJETOR OU TV, 1 CX DE SOM, 2 TRANSMISSOR FM, 1 IMPRESSORA TANQUE DE TINTA, TINTA REFIL DE TODAS AS CORES PARA IMPRESSORA,30 DVDS REGRAVÁVEIS, 3 CAIXAS DE PAPEL SULFITE, 60 CADERNOS DE 10 MATERIAS, 240 CAIXAS DE LÁPIS DE COR, 12 CORES, 25 CONJUNTOS DE CANETINHAS, 120 BORRACHAS, 2 TUBOS DE COLA,5 KITS DE XADREZ,10 BLOCOS LÓGICOS,10 MATERIAIS DOURADOS,, 9 PEN DRIVE , REFIL E COLA QUENTE,EVA, MATERIAL DE PAPELARIA, BLOCO CRIATIVO,

PROJETOS DE APRENDIZAGENS PARA 2018


• RECUPERAÇÃO PARALELA DE LINGUA PORTUGUESA

• RECUPERAÇÃO PARALELA DE MATEMÁTICA

• TRABALHO COLABORATIVO DE AUTORIA - TCA- ( 7º A,B,C; 8º A, B; 9º A,B)

• AEL – ACADEMIA ESTUDANTIL DE LETRAS

• OFICINA (LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO PARA EDUCAÇÃO)


XI - RESULTADOS ESPERADOS:
Considerar a participação principal das crianças e adolescentes, não só implica em que possam expressar livremente opiniões, pensamentos, sentimentos e necessidades; significa serem envolvidos democraticamente por suas famílias, escola, governos locais, mídia, organismos governamentais e não governamentais. Para isto a escola deve ser um espaço de discussões coletivas, onde as crianças e adolescentes possam contribuir e construir conjuntamente, não compatível com nenhuma forma de separação ou dispersão. Isto implica na interação e inter-relação com o seu ambiente, com os outros. Respeitando as diferenças.

A escola deve ser um ambiente onde se expressa ideias, se tomam decisões, incluindo as opiniões de crianças, adolescentes e adultos, não sendo meros expectadores. Cada aluna e aluno precisa ser ator do próprio futuro, reconhecendo as diferenças e propondo estratégias para uma maior participação de todos e todas.

A Unidade prima pela qualidade da educação de seus alunos para tal utilizou os resultados apresentados pelas avaliações internas e externas, prevê adequações no planejamento visando intervir para o avanço nas hipóteses silábicas dos alunos, na leitura e escrita, interpretação de textos e raciocínio lógico.

A integração entre os professores e consequente interdisciplinaridade para o desenvolvimento de atividades com pesquisa, ampliação e articulação do conhecimento.


XII - AVALIAÇÃO:

A avaliação tem por finalidade a investigação de dados para que os professores possam acompanhar o processo de aprendizagem dos alunos, durante o processo e não apenas ao final dele, saber se as estratégias utilizadas estão surtindo efeito esperado, observar as dificuldades que os estudantes apresentam e direcionar suas intervenções de modo a dar respostas eficientes às questões que surgem. Os instrumentos de avaliação mantêm estreita relação com os objetivos de ensino e com o direito de aprendizagem que funcionam como indicadores do que os estudantes precisam aprender como dos procedimentos de ensino que o professor utiliza, aperfeiçoando as ações pedagógicas ou o PPP, preservando e acentuando conquista importantes, corrigindo rumos, apontando novos horizontes, replanejando.

Compreendemos a avaliação na perspectiva inclusiva, dialógica, autoral, promotora de autonomia, da participação e da responsabilidade com o coletivo., articulada com a participação dos envolvidos, as diferentes dimensões da avaliação: a avaliação para a aprendizagem; a avaliação do Sistema; a avaliação Institucional a partir da avaliação da Política educacional e a avaliação de Projetos e Programas.

A Avaliação da Aprendizagem não se dá através da analise de situações de desenvolvimento comportamentais, sociais e familiares e sim da analise e acompanhamento do educando em suas características, os tempos e ritmos de cada um, considerando suas experiências educativas,

A avaliação abrangerá as dimensões institucional, externa e interna e, na ESCOLA, assumirá um caráter formativo e comporá o processo de aprendizagem e desenvolvimento como fator integrador entre as famílias e o processo educacional.

A avaliação formativa integrada ao processo, prioritariamente qualitativa, possibilita que os sujeitos das aprendizagens, nas diversas interações, modifiquem suas experiências e seus processos de apropriação e produção de conhecimento, de forma autônoma e autoral.

O educando será avaliado individual e coletivamente e os resultados do processo educativo serão expressos por meio de conceitos no Ciclo de Alfabetização e Notas nos Ciclos Intermediário e Autoral que expressem o aproveitamento escolar, com variação de zero a 10 (dez), fracionado em números inteiros e meios, comentadas, analisadas e com anotações que incentivem a continuidade dos estudos e/ou apontem a necessidade de novas estratégias de ensino e aprendizagem, bem como de apoio pedagógico complementar.

A atribuição de Conceitos no Ciclo de Alfabetização do Ensino Fundamental deverá ser expressa na seguinte conformidade:

I - P: o educando evidencia, de modo plenamente satisfatório, os avanços necessários à continuidade do processo de ensino e de aprendizagem;

II – S: o educando evidencia, de modo satisfatório, os avanços necessários à continuidade do processo de ensino e de aprendizagem;

III – NS: o educando evidencia, de modo não satisfatório, os avanços necessários à continuidade do processo de ensino e de aprendizagem.

– Os Conceitos/Notas serão atribuídos aos educandos, na periodicidade bimestral, mediante análise do processo educacional, considerado o alcance progressivo dos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento propostos para cada bimestre.


Nos Ciclos Interdisciplinar e Autoral, a avaliação da aprendizagem será contínua e cumulativa e os resultados da aprendizagem serão expressos em notas de zero a 10 na forma estabelecida pela Lei.

Os resultados obtidos pelos educandos nas atividades de Recuperação Paralela serão sistematizados periodicamente pelo professor regente e considerados nos diferentes momentos de avaliação adotados pelo Professor da classe/ano/série/semestre.

No Ensino Fundamental regular - Ciclo de Alfabetização, 4º e 5º anos do Ciclo Interdisciplinar e nas Etapas de Alfabetização e Básica da EJA, pelo cálculo da porcentagem em relação ao número de dias letivos, exigida a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) do total de dias previstos no período letivo;

III - No Ensino Fundamental regular - 6º ano do Ciclo Interdisciplinar e demais anos do Ciclo Autoral, nas Etapas Complementar e Final da EJA e nas séries do Ensino Médio, exigida a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) do total das aulas previstas no período letivo e de 50% (cinquenta por cento) das aulas previstas em cada componente curricular/disciplina;

- No caso do educando se matricular em outra época que não a do início do período letivo, a apuração da frequência deverá incidir sobre o período que se inicia a partir de sua matrícula até o final do período letivo, calculando-se os percentuais sobre as atividades desse período.
Será considerado promovido o educando que, ao final dos Ciclos Interdisciplinar e Autoral do Ensino Fundamental, nos 7ºs e 8ºs anos do Ensino Fundamental, nos Semestres da EJA, exceto na Etapa de Alfabetização, alcançar nota igual ou superior a 5,0 (cinco) em cada Componente Curricular, considerada a frequência do educando, e acordo com as normas legais vigentes.

- No final do Ciclo de Alfabetização do Ensino Fundamental, será considerado promovido para o Ciclo subsequente, o educando que obtiver conceito “P” ou “S” em cada Componente Curricular, com base na análise de seu desempenho global e apuração da assiduidade nos termos da legislação em vigor.

Para essa tomada de decisão utilizamos as orientações da Nota Técnica nº 22 que permite a possibilidade de uma análise de todas as oportunidades de situações de aprendizagens oferecidas citadas na Legislação vigente, bem como a possibilidade da utilização de diferentes instrumentos de avaliação, diferentes metodologias, materiais, espaços para além da sala de aula, vivências e interações, enfim, todas as estratégias e recursos de acessibilidade, de apoio pedagógico para garantia das aprendizagens.

- A promoção em Educação Física e Arte e nos Componentes Curriculares da Parte diversificada decorrerá, apenas, da apuração da assiduidade, exceto no Ensino Médio em que a promoção nas disciplinas da Parte Diversificada decorrerá, também, da avaliação do aproveitamento.

EQUIPE DE FUNCIONÁRIOS :
EQUIPE GESTORA:

DIRETOR: ELISABETH SAPIENZA AMUD ALI

ASSISTENTE DE DIRETOR: ADRIANA ADAMI

ASSISTENTE DE DIRETOR: FERNANDA SEGUNDO XAVIER

COORDENADORA PEDAGÓGICA: ROSEMEIRE PAULISTA

COORDENADORA PEDAGÓGICA: ALICE ITO KAWAHARA

SECRETARIA:

SECRETÁRIA: CARLA APARECIDA MARCONDES DE ASSIS

CLAUDIA ANTONIETTI ROCHA

ATE:
INSPETORIA

CACILDA ROGERIA DA SILVA REIS

DOUGLAS DA SILVA DE SOUZA

GABRIEL HENRIQUE DE FREITAS GONÇALVES

JOEL RIBEIRO BARBOSA

CICERO JOSÉ DA SILVA

PROFESSORES:


RELAÇÃO DE PROFESSORES CICLO I E CICLO II

1. ADRIANA DE ANDRADE POZZI

2. ALEIXO MENDES DOS SANTOS

3. ALIETE TEIXEIRA LOPES GANANCIA

4. ANA PAULA DA SILVA MENDES

5. ANDREA RIBEIRO TAVARES PEREIRA

6. ANTONIO MARCOS DA CRUZ SILVA

7. BEATRIZ BARROS FONSECA CAVALCANTE

8. BEATRIZ FUHRMANN MARTINS

9. CAMILA FOCANTE DE OLIVEIRA LIMA

10. CHRISTIANE FERREIRA DE SOUZA ROCHA

11. CINTIA PEREIRA DOS SANTOS

12. CLAUDIA YUMI SAKAGUTI REIS

13. CLAUDIO BERNARDINO JUNIOR

14. CRISTIANA DO CARMO FIALHO DOS SANTOS

15. DANIEL LUIZ PEREIRA LIMA

16. DANIEL RENAUD HO

17. DANIELA SOARES COSTA

18. DOMENIQUE GALDINO SILVA

19. EDNA LOPES BERBERT

20. FABIOLA CHRISTIANE PEREIRA DREWS

21. FLAVIA EMILIA CARVALHO FERREIRA MACIEL

22. GEANE APARECIDA DE VASCONCELOS YADA

23. GISLENE AIZA DE SOUZA

24. JAQUELINE CRISTINA DA SILVA CIFARELLI

25. JOSIRENE RABELLO DE SIMONE

26. KAMILA DREQUECELER PINTO

27. KARINA DESIRAI VARIS

28. KARINA RIBEIRO MORENO

29. KARINA VALDESTILHAS LEME DE SOUZA

30. LEDA WOHLERS MANZI

31. LENI TEODORO FLORENCIO DA SILVA

32. LEONARDO JUSTO DE OLIVEIRA

33. LETICIA NARDINO DA SILVA

34. LORISSE CORTELLINE ABRAHAO

35. MARCIA PEREZ RESENDE OLIVEROS

36. MARIA FLÁVIA SOBREIRA GANDARA MEIRA

37. MARILDA LINDQUIST FRANCO

38. MARTA MARIA MARQUES LOURENÇÃO PIMENTA PINHEIRO

39. PAMELLA BRUM PEREIRA CABRAL

40. PAULA MOURA SOARES DA SILVA

41. RAPHAEL CALMETO DE CASTRO PEREIRA DOS SANTOS

42. RENATA TAKLLAN ROGOW LEUNG

43. RICARDO ARMENIO MOURA DE SANTANA

44. ROBERTA TEIXEIRA FERREIRA ROCHA

45. RODRIGO DE MOURA MIGUEL

46. ROSE MARY FERREIRA DE SOUZA PALEARI

47. RUBENS BALDINI NETO

48. SAMIA JACKELINE BARROS DE JESUS

49. SARAH REGINA FERREIRA FREITAS

50. SILVIA TOSHIE ODA

51. STELLA DA SILVA LOBO PAIVA

52. STHEPHANIE LARISSA FERRO DOS SANTOS

53. TATIANY PETRAS MALOSTI DUARTE

54. TEODORA CORREIA DE MORAES RAMALHO

55. TEREZA CRISTINA DE ANDRADE

56. VIVANE BERRINGER

57. ZILMA ROCHA SILVA

HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO DA ESCOLA:

Alunos e Funcionários:

Ciclo de Alfabetização e 4º ano A (ciclo interdisciplinar)

7h00 às 12h00

Ciclo Interdisciplinar:

13h30 às 18h30

Ciclo Autoral:

13h30 às 18h30

Secretaria:

Horário:


7h00-18h00

PLANO DE AÇÃO DE DIRETOR DE ESCOLA


ELISABETH SAPIENZA AMUD ALI

IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR

UNIDADE ESCOLAR: EMEF FRANCISCO REBOLO

ENDEREÇO: RUA CATARINENSES, 200 – VILA ANDRADE

SÃO PAULO – CAPITAL – CEP: 05728-050

NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL (1º ao 9º ANO)

OBJETIVOS
Gestão Democrática /Participativa /Compartilhada.

GESTÃO PEDAGÓGICA


• Garantir o desenvolvimento do Currículo da Educação Básica-Ensino Fundamental (1ºao 9º ANO) de acordo com A Base Nacional Comum Curricular, e de acordo com o Currículo da Cidade e suas Orientações Didáticas;

• Realizar acompanhamento sistemático dos resultados escolares e buscar soluções na melhoria destes;

• Diminuir o índice de reprovação e da evasão escolar;

• Divulgar para a comunidade os rendimentos escolares a cada bimestre;

• Promover a educação inclusiva e o respeito às diferenças visto que as mesmas são inerentes à espécie humana, salvaguardando o trabalho de AEE.

• Estreitar relações escola-família, visando maior interação escola-comunidade para obter os resultados esperados;

• Promover a interatividade com os estudantes: incentivar e realizar gincanas culturais, cívicas e esportivas, exposições, competições, teatros, festivais, feiras, festas populares, desenvolvendo a criatividade, a arte, a iniciativa e o espírito de equipe dos alunos;

• Efetivar as ações previstas com fins de melhorar os rendimentos das disciplinas críticas e o desempenho da escola nos resultados do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica);

• Fortalecer a participação da coletividade no planejamento de atividades no intuito de melhorar os resultados;

• Identificar e eliminar ações que promovam resultados negativos;

• Aceitar propostas que favoreçam o resultado positivo das ações planejadas;

• Estimular e proporcionar meios de participação efetiva dos estudantes concluintes de 9º ano em instituições como ETECs possibilitando a continuidade de seus estudos de maneira gratuita;

• Proporcionar avaliações contínuas das ações e trabalhos desenvolvidos na escola.

• Garantir junto aos Coordenadores Pedagógicos, a implementação de projetos que envolvam os temas escolhidos pelos professores e alunos como essenciais para que possam compreender e participar ativamente, de maneira consciente, da sociedade, enfrentando as necessidades decorrentes das mudanças sociais, econômicas e políticas que afetam toda nossa população.

• Participar, ativamente, do P.E.A - Projetos Especiais de Ação , garantindo os recursos para a formação de professores.

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS


• Difundir o conceito de gestão democrática baseada na divisão de responsabilidades;

• Preservar a transparência quanto à execução dos recursos financeiros junto a comunidade escolar;

• Priorizar os interesses coletivos respeitando os interesses individuais, quando estes favoreçam a coletividade;

• Atuar em parceria com o Conselho / A.P.M. em decisões relacionadas ao cotidiano escolar;

• Incentivar a formação continuada dos educadores através de atividades que promovam a qualificação profissional e a melhoria do processo ensino-aprendizagem;

• Proporcionar meios para um bom relacionamento entre professores, funcionários e comunidade escolar;

• Estimular e valorizar os trabalhos dos profissionais da escola, em todos os segmentos, numa gestão participativa;

• Adequar o remanejo de pessoal considerando perfil e função, para uma boa execução da mesma;

• Fazer valer os deveres e direitos funcionais junto aos órgãos competentes;

• Resolução de eventuais problemas através de diálogos e negociações;

• Apoiar-se na legislação vigente como meio norteador para o cumprimento de direitos e deveres;

• Dar suporte na elaboração e execução de projetos de trabalho com o intuito de assegurar um melhor desempenho em equipes;

• Favorecer ações que intensifiquem a interação entre gestores e comunidade escolar;

• Incentivar a criação do grêmio estudantil e da representatividade dos estudantes através dos líderes e vice-líderes de classe.

• Envolver a comunidade escolar através de oficinas de esporte e cultura.

GESTÃO ADMINISTRATIVA


• Buscar recursos para melhoramento da adequação física da escola, com prioridade para a quadra poliesportiva e área externa e manutenção predial em geral;

• Realizar parceria com toda a comunidade escolar e local, mobilizando com fins de conservação do patrimônio físico da escola;

• Garantir a execução dos recursos financeiros em parceria com o Conselho Escolar/ A.P.M.;

• Buscar parcerias com instituição pública e privada ( como: ONGs, Projetos sócias atuantes no bairro) visando contribuir para o bom desenvolvimento da escola.

• Manter a Escola como um espaço prazeroso: relacionamento interpessoal harmônico, adequação do espaço físico sempre que necessário, contribuindo para o bem estar de todos os segmentos.

• Manter atualizado e organizado o serviço de escrituração escolar (registros, documentação dos alunos, diários de classes, dentre outros);


METAS
• Adquirir novos livros literários para a sala de leitura e biblioteca;

• Realizar na escola projetos envolvendo toda a comunidade escolar;

• Realizar na escola atividades esportivas e culturais;

• Realizar palestras educativas para toda a comunidade escolar;

• Desenvolver aulas dinâmicas paralelas visando recuperar alunos com possíveis dificuldades na aprendizagem;

• Desenvolver projetos juntos aos alunos de conscientização da necessidade de preservação e conservação do espaço escolar;

• Implantar a Escola Aberta a toda comunidade escolar e local;

• Envolver a comunidade escolar em projetos sociais onde será possível vivenciar momentos de ajuda ao próximo, bem como crescimento intelectual e moral;

• Realizar a cerimonial de conclusão dos alunos do 9º ano;

• Implantação do Grêmio Estudantil;

• Melhoria da Sala de Atendimento Educacional Especial;

• Capacitação profissional dos docentes através de formação continuada, palestras, dinâmicas de grupo, troca de experiências, além de estimulá-los a estar sempre em busca de novos conhecimentos;

• Através de reuniões pedagógicas, conscientizar os professores da necessidade de encontrar caminhos adequados e prazerosos para a concretização do processo ensino-aprendizagem, construindo, dessa forma, um ambiente estimulador e agradável. Uma pedagogia centrada no aluno e não conteudista;

• Conscientizar os docentes da importância do trabalho em equipe para obtenção de um funcionamento integral da Escola, estimulando uma relação de igualdade, respeito e consideração mútuos;

• Conscientizar os docentes do valor da avaliação como parâmetro diário para um replanejar constante e não como medida de valor inexorável;

• Através de reuniões, manter contato direto e transparente com a comunidade, construindo um relacionamento harmonioso de forma que os pais percebam a importância de sua participação para a concretização de uma Escola de qualidade;

• Incentivar a utilização da sala de leitura (estímulo à leitura), e do Laboratório de Informática, bem como participação na Radio da escola;

• Palestras dirigidas aos alunos para que os mesmos possam, através de informações atuais, sentir-se estimulados a frequentar as aulas, percebendo que os conhecimentos adquiridos na Escola serão necessários para que possam enfrentar um mundo globalizado onde a mudança se faz diariamente;

• Administrar, com a participação do conselho escolar, as verbas recebidas, de forma a atingir o objetivo maior que é a construção de uma escola pública de qualidade.

• Reduzir as taxas de evasão escolar;

• Promover, pelo menos, uma reunião bimestral informativa e de sensibilização com os pais ou responsáveis pelos alunos e com os parceiros da escola;

• Realizar pelo menos uma atividade cultural, uma atividade esportiva e uma confraternização entre os diversos segmentos da escola anualmente.


CRONOGRAMA

• Reuniões semanais com equipe Administrativa para avaliações e decisões imediatas;

• Reuniões quinzenais ou emergenciais com Equipes Terceirizadas (Cozinha Limpeza);

• Reuniões mensais com registros de ações básicas e importantes com a Equipe administrativa e Pedagógica com anotação em livro Administrativo;

• Participação direta em Reuniões Pedagógicas e de Pais, segundo calendário homologado;

• Reuniões com Conselho de Escola, APM e CIPA de acordo com calendário homologado;

• Reuniões de emergência com professores, pais e demais atores do processo ensino-aprendizagem com finalidade de orientar e decidir á luz da legislação vigente;

• Quartas e quintas-feiras participar das reuniões de formação do PEA, participando dos estudos propostos pela Coordenação Pedagógica ;

• Preparar pautas, junto à Equipe Gestora e/ou professores e funcionários para reuniões previstas com antecedência necessária à divulgação;

• Atendimento interno ou ao público com hora marcada, preferencialmente de segunda à sexta-feira, das 10h00 às 16h00.

AVALIAÇÃO
(...) os momentos propícios para se instalar um processo de avaliação institucional não podem surgir da vontade isolada de alguém, mas da necessidade coletiva de um grupo que busca indagar e responder o que, para que, quem, onde, quando e como o avaliar contribuirá para mudanças significativas em uma dada instituição. (RIBEIRO, 2005, pg 97)
Com este pressuposto, queremos realizar avaliações contínuas do trabalho de equipe (gestão democrática), bimestralmente, ou ainda, oportunamente, sempre que necessário. Desse modo, cremos que as ações possam alcançar suas metas e objetivos plenamente com o apoio de toda a equipe e comunidade escolar, sugerindo, mudando e melhorando as propostas iniciais, reconsiderando-as, se preciso for..

DIRETORA: Elisabeth Sapienza Amud Ali

RF: 509.386.4

Plano de trabalho da Coordenação Pedagógica

Rosemeire Paulista

Alice Ito Kawahara

I - Justificativa:
Realizar um trabalho de mediação e apoio pedagógico, junto aos professores, com qualidade, propiciar um ambiente de trabalho harmonioso, participativo, prazeroso. Facilitar ao máximo, o trabalho do professor, para que assim, possa se dedicar e nunca perca seu foco, que é educar, ensinar, orientar, dar as ferramentas aos seus alunos. Formar e informar, incentivar a pesquisa, acreditamos que o ser humano necessita de incentivos para poder ir em busca de mudanças, de transformações de métodos, postura e se descubra um pesquisador. Queremos propiciar este incentivo e formação para este fim.
II- Concepção de ensino e de aprendizagem:
A aprendizagem, em nosso tempo atual, deve ser encarada como processo de um trabalho criativo de conhecimento e não mais como um modelo estruturado de ensinar transmitido de modo tradicional e centrado na figura do "Professor", pois é necessário estimular habilidades em nossos alunos e alunas que os capacite a viver e compreender todas as situações socais que se apresentem.

Vivemos num mundo onde informações e conhecimentos são produzidos e divulgados muito rapidamente e o que nos cabe, efetivamente em sala de aula, é facilitar, mediar o processo de aprendizagem. Nossos alunos já chegam cheios de conhecimentos. Segundo Paulo Freire: "Não existem pessoas sem conhecimento. Elas não chegam vazias. Chegam cheias de coisas. Na maioria dos casos trazem junto consigo opiniões sobre o mundo e a vida".

Cabe ao mediador fornecer pistas, dar as ferramentas, apoiar esclarecer dúvidas, supervisionar o processo criativo e de desenvolvimento do aluno, de modo a apontar caminhos e possibilidades, e nunca ser aquele que faça com que o aluno o reproduza somente pelo fato de ele ser o "mestre".

O mediador essencialmente deverá ser aquele que impulsiona, motiva, facilita a caminhada, o trajeto já percorrido por cada aluno e o leva adiante, mostrando que cada um em particular e o grupo no geral, podem e são capazes. Nós Educadores ensinamos e aprendemos com nossos alunos. Só vive quem se renova e só se renova quem é capaz de enfrentar corajosamente as dificuldades do momento atual. Aquele que se acomoda, não permanece.

Ensinar é uma arte e como tal, não é algo que se aprende em livros, ou nas teorias de uma Universidade, mas praticando, sentindo, vivendo. Envolve muitos conhecimentos técnicos, um olhar diferenciado, que enxerga o que não é visível.

III - Objetivos:


• Observar, ouvir, perceber, auxiliar, apoiar o grupo docente, visando sempre a qualidade de trabalho de cada profissional.

• Propiciar um ambiente prazeroso, participativo, para assim, motivar o trabalho em equipe, de colaboração. Um bom ambiente tem como resultado um trabalho de qualidade.

• Colaborar efetivamente com o trabalho pedagógico, elaborando formações que colaborem efetivamente na melhoria da qualidade de ensino.

• Trazer a comunidade mais próxima a U.E, participando em eventos com seus filhos prestigiando-os ou até mesmo fazendo parte de gincanas.

• Ajudar o professor a superar os desafio da profissão. Olhando cada pessoa como única, valorizando o profissional da educação.

• Realizar projetos interdisciplinares com os temas escolhidos pelos professores para 2015 que são: Ética e Água: uso consciente.


IV -Metas Previstas:
Garantir um ensino de qualidade, diminuir a evasão escolar e a retenção.

V - Ações a desencadear:

• Estabelecimento de permanente diálogo com todos os segmentos da escola;

• Acompanhamento periódico de aulas para observação do trabalho de cada docente;

• Oferta de subsídios àqueles que demonstram dificuldade em melhorar seu desempenho;

• Proposta de projetos interdisciplinares;

• Estímulo à "ação comum dos professores" no relacionamento com os alunos;

• Valorizar o trabalho de cada profissional do grupo evidenciando ou exaltando- os, se preciso for ,para motiva-los;

• Buscar sugestões para soluções de problemas, com o próprio grupo.

VI - Avaliação

O trabalho será avaliado com a qualidade de desempenho do grupo docente.

Com um Portfólio, fotos, registros de atividades desenvolvidas, também do material de apoio e dicas enviados para os professores.

.
Horário de trabalho

SEGUNDA-FEIRA

TERÇA-FEIRA

QUARTA-FEIRA

QUINTA-FEIRA

SEXTA-FEIRA

7h

ACOMPANHAMENTO DA ENTRADA DOS ALUNOS



ACOMPANHAMENTO DA ENTRADA DOS ALUNOS

ACOMPANHAMENTO DA ENTRADA DOS ALUNOS

ACOMPANHAMENTO DA ENTRADA DOS ALUNOS

ACOMPANHAMENTO DA ENTRADA DOS ALUNOS

7h30-8h30

ATENDIMENTO A RESPONSÁVEIS

ATENDIMENTO A RESPONSÁVEIS

ATENDIMENTO A RESPONSÁVEIS

ATENDIMENTO A RESPONSÁVEIS

ATENDIMENTO A RESPONSÁVEIS

8h 30– 9h30

ACOMPANHAMENTO HA

ACOMPANHAMENTO HA

ACOMPANHAMENTO HA

ACOMPANHAMENTO HA

ACOMPANHAMENTO HA

9h30-10h

OBSERVAÇÃO DE AULAS

OBSERVAÇÃO DE AULAS

OBSERVAÇÃO DE AULAS

OBSERVAÇÃO DE AULAS

OBSERVAÇÃO DE AULAS

10h- 11h30

ESTUDO COLETIVO

ALICE / ROSE

ESTUDO COLETIVO

ALICE/ROSE

ESTUDO COLETIVO

ALICE/ROSE

ESTUDO COLETIVO

ALICE/ ROSE

AVALIAÇÃO DA SEMANA

11H30 – 12H

ALMOÇO - ROSEMEIRE

ALMOÇO - ROSEMEIRE

ALMOÇO - ROSEMEIRE

ALMOÇO - ROSEMEIRE

ALMOÇO - ROSEMEIRE

12h – 13h30

HORÁRIO COLETIVO

HORÁRIO COLETIVO

PEA


PEA

ESTUDOS E PESQUISAS

ROSEMEIRE / ALICE

12H – 13H30

ESTUDOS E PESQUISA SROSEMEIRE

ACOMPANAHMENTO AEE- ROSEMEIRE

ACOMPANHAMENTO AEE –

ROSEMEIRE

ESTUDO E PESQUISAS – ROSEMEIRE

ESTUDO E PESQUISAS - ROSEMEIRE

13h30- 14h

ALMOÇO - ALICE

ALMOÇO- ALICE

ALMOÇO - ALICE

ALMOÇO - ALICE

ALMOÇO - ALICE

14h- 15h

ATENDIMENTO DE PAIS


ATENDIMENTO DE PAIS

ATENDIMENTO DE PAIS

ATENDIMENTO DE PAIS

ATENDIMENTO DE PAIS

15H – 17H

ACOMPANHAMENTO DE H A DE PROFESSORES

ACOMPANHAMENTO DE H A DE PROFESSORES

VISITA A AULAS

ACOMPANHAMENTO DE H A DE PROFESSORES

VISITA A AULAS

17h – 18h30

ESTUDOS E PESQUISAS - ALICE

VISITA A AULAS

ESTUDOS E PESQUISAS - ALICE

VISITA A AULAS

ESTUDOS E PESQUISAS - ALICE

PLANO DE AÇÃO

ASSISTENTE DO DIRETOR

ADRIANA ADAMI

FERNANDA SEGUNDO XAVIER MONTEIRO


FILOSOFIA

A gestão da escola é um processo que provê seu funcionamento com tomadas de decisões, planejamento, execução, acompanhamento, avaliação e realinhamentos à luz da legislação vigente, das diretrizes fixadas pela Secretaria Municipal de Educação e da política educacional da escola.

METODOLOGIA DO TRABALHO
A gestão é desenvolvida de modo coletivo, sendo o conselho escolar quem elabora, delibera, acompanha e avalia o funcionamento da escola.

É preponderante que funcionários e professores se envolvam e se comprometam com o projeto pedagógico, sentindo – se valorizados e conscientes da importância e contribuição do trabalho de cada um para o funcionamento da escola e para o desenvolvimento pleno do aluno.

METAS / ESTRATÉGIAS

• Adequação e manutenção do espaço físico;

• Coadjuvar a formação do corpo docente;

• Ampliar o acervo e incentivar o acesso à biblioteca;

• Promover a inclusão dos alunos com necessidades especiais;

• Universalizar o acesso e o entretenimento às informações, projeto pedagógico, PEA, Legislação e verbas que compõem o universo escolar;

• Buscar e promover um bom clima de trabalho;

• Propiciar vivencias extraclasse e extraescolar, bem como convênios e parcerias, visando o aprimoramento do aluno, do professor e do funcionário e atender os limites da legislação;

• Propiciar aos pais dos alunos uma participação ativa no dia-a-dia escolar;

• Delegar tarefas e atividades dentro dos limites e competências de cada um;

• Prezar pela efetividade e pertinência da comunicação por todos os meios;

• Garantir direitos e benefícios e cobrar os deveres de cada um.


EMEF FRANCISCO REBOLO – DRE –CL

PROFESSORAS READAPTADAS:

Adriana de Andrade Pozzi – RF 725.735.0

Aliete Teixeira Lopes Ganancia – RF 676.701.0

Beatriz Fuhrmann Martins – RF 626.944.3

Marilda Lindquist Franco – RF 313.494.8

Maria Flávia Sobreira Gandara Meira - RF 551.081.3


Plano de Trabalho dos professores readaptados da escola para o ano letivo de 2016.

Em atendimento ao PPP da escola e respeitando o laudo individual, nós, professoras readaptadas, nos colocamos à disposição para atender às necessidades da UE com os seguintes objetivos:

1) Atender a comunidade escolar via telefone e/ou balcão fornecendo informações, documentos e declarações;

2) Cooperar com o trabalho na secretaria em relação aos prontuários de alunos e professores, históricos escolares, etc;

3) Apoiar a entrada e saída de alunos, fora do horário, matriculados em projetos;

4) Ler e garantir o recorte e colagem, em livros apropriados, as publicações de leis, decretos, portarias e comunicados relativos à Educação e à vida funcional publicados no Diário Oficial da Cidade;

5) Proporcionar apoio pedagógico aos professores, apresentando os recursos didáticos disponíveis na escola, orientando para o uso consciente destes materiais;

6) Fazer e controlar as cotas de cópias reprográficas estipuladas para cada professor;


Enfim, dar apoio à equipe gestora, técnico e pedagógica no que for necessário, respeitando sempre os respectivos laudos.
Proposta de Trabalho – Agentes de Limpeza Terceirizadas 2017
Considerando que vivemos tempos de modelo democrático, onde todos os atores da escola são envolvidos no processo educativo e que nos leva a refletir sobre a nova função social da escola e a nova função pedagógica de seus profissionais, apresentamos os objetivos de nosso trabalho nas linhas que se seguem:

1- Atender às atribuições discriminadas no Contrato de Trabalho;

2- Engajar-nos na realidade local da escola, tendo em vista sua inserção na Comunidade local;

3- Realizar um trabalho coletivo, conjunto que culmine no reconhecimento das funções do funcionário escolar com as de um educador não docente;

4- Conscientizarmo-nos de nosso papel no âmbito escolar, construindo uma identidade profissional consoante ao ambiente do trabalho;

5- Buscar participar de cursos de atualização e reuniões da escola, inteirando-se, opinando e compreendendo as necessidades locais;

6- Manter a ordem e higienização dos ambientes da escola, avisando a Equipe Gestora de ocorrências concernentes ao ambiente escolar;

7- Inserirmo-nos com os segmentos da escola de maneira cooperativa e amistosa: merendeiras, professores.....

8- Receber, conferir com administrador da escola os materiais recebidos;

9- Diluir os produtos que tem por indicação a diluição, de acordo com normas;

10- Usar os produtos com parcimônia, evitando desperdício ou uso inadequado;

11- Avisar a administração da escola quando houver falta de produtos ou qualquer avaria destes.


Proposta de Trabalho – Equipe de Merenda Terceirizada
Considerando que a qualidade da alimentação repercute na qualidade de vida dos alunos e que, temos um programa do DAE - Departamento de Alimentação Escolar, bastante inovador e apropriado sobre a educação alimentar e nutricional capaz de desenvolver ações práticas diárias e saudáveis de vida com professores, as crianças e suas famílias, temos por objetivos:

- Manter a higienização dos locais de alimentação adequada;

- Conservar os utensílios de cozinha em bom estado e avisar quando algo não funcione;

- Sugerir materiais e outros ítens para uso na cozinha;

- Ampliar o repertório alimentar das crianças, estimulando-as a consumir produtos naturais, apresentando-os de forma estimulante;

Avaliar os alimentos recebidos, relatando sua qualidade à Equipe Gestora/ DAE;

- Controlar as quantidades a serem servidas aos alunos e envolvidos em projetos de alimentação do meio escolar;

- Criar receitas culinárias preparadas com frutas, legumes e verduras e demais do dia;

- Manter um relacionamento positivo e amistoso com as crianças da escola, bem como com funcionários;

- Discutir com a escola ações possíveis para o estímulo a uma alimentação saudável;

- Participar de eventos/projetos da escola sobre o tema alimentação;

- Valorizar a conquista histórica da merenda escolar (almoço/lanche/jantar);

- Orientar alunos, junto aos professores, quanto a bons hábitos alimentares;

- Mostrar abertura no contato com alunos, principalmente quanto à discussão/ avaliação da alimentação escolar;

- Promover a discussão sobre alimentação com toda comunidade educativa;

- Sociabilizar, entre as merendeiras, conhecimentos sobre a alimentação saudável;

-Participar de cursos de reciclagem, quando houver;

- Evitar o desperdício de alimentos, buscando usá-los de maneira proveitosa;

- Estimular as crianças a levarem para seus lares a forma saudável de alimentação conhecida na escola;

- Pesquisar e conhecer novos sabores e saberes para revitalizar o cardápio inicial;

- Manter um contato contínuo com os atores do processo educativo (gestor, coordenador, professor, alunos, pais....), no que concerne a bons hábitos alimentares .

- Trabalhar com disposição, ânimo, garra, união, bom humor e amor.

Plano de Ação – ATEs e Agente Escolar
Auxiliar Técnico de Educação
CACILDA ROGERIA DA SILVA REIS

DOUGLAS DA SILVA DE SOUZA

GABRIEL HENRIQUE DE FREITAS GONÇALVES

JOEL RIBEIRO BARBOSA

CICERO JOSÉ DA SILVA

Nossa Contribuição

Desenvolver atividades no âmbito da organização escolar, entre suas atribuições; zelar pelo bem-estar dos alunos e pela estrutura física da unidade de ensino, além de auxiliar na manutenção da disciplina geral e relacionadas com a execução de ações envolvendo a secretaria escolar e o atendimento á comunidade escolar em geral, controlar a movimentação de alunos no recinto da escola, em suas imediações e na entrada e saída da unidade escolar, orientando-os quanto as normas de comportamento, informando á direção da escola sobre a conduta deles e comunicando ocorrências.

Aqui citamos:

Orientar as crianças nos diversos espaços escolares, quanto á higiene, alimentação e circulação.

Auxiliar os professores quando se fizer necessário.

Atender as crianças prontamente em caso de acidentes e registrar este fato, mesmo que considerado leve, o registro deverá ser feito no livro de ocorrências sempre deverá ser orientado aos pais, levar a criança ao médico.

Atender prontamente as solicitações da gestão.

Entregar em tempo hábil, o número total de alunos presentes na UE diariamente na cozinha, para que seja feita a merenda adequada a quantidade de alunos presentes no dia.

Lembrar aos pais a importância da pontualidade no horário de entrada e saída, pois as crianças passam a se sentir abandonadas quanto aos atrasos.

Orientar os alunos após as refeições a deixarem o refeitório organizado, incentivando a sua autonomia.

Auxiliar nos intervalos para que os alunos sintam-se acolhidos, protegidos e cuidados.

Enfatizar a importância do respeito com colegas, funcionários da escola, professores, enfim; todos que colaboram para o bom andamento da mesma.

Sempre circular pelos corredores e dependências da escola, verificando se há professores nas salas e em caso negativo, providenciar módulo ou aguardar na sala de aula a chegada do mesmo.

Sempre que houver tempo disponível, acompanhar o trabalho da AVE com os alunos especiais, porque na falta dela o ATE será o responsável pelos cuidados deste aluno.
“Refletir sobre nossos atos e colaborar com o grupo de trabalho”

______________ _________________ _________________ _________________



Despacho do Supervisor Escolar:
Homologado em ________ de ___________ de 2017. Assinatura do Supervisor:________________________
Assinatura do Diretor Regional de Educação: __________________


Compartilhe com seus amigos:


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal