Clinical Study Report Version 1



Baixar 365.74 Kb.
Página4/7
Encontro21.08.2021
Tamanho365.74 Kb.
1   2   3   4   5   6   7
RESULTADOS

Um total de 283 pacientes foi submetido à ATJ ou ATQ durante o ano de 2010 nos centros selecionados, no entanto, os prontuários de 50 pacientes (17,7%) estavam indisponíveis para consulta. Dentre os pacientes com informações disponíveis, 92,3% (215/233) foram incluídos no estudo e 7,7% (18/233) excluídos por não preencherem os critérios de elegibilidade. Dentre os pacientes avaliados no estudo, 38% (81/215) eram provenientes do SUS e 62% (134/215) do sistema SS. Na figura 1, está demonstrado o fluxograma da população do estudo.

Aproximadamente, 56% (121/215) dos pacientes da amostra foram submetidos à cirurgia de ATJ e 44% (94/215) à ATQ, sendo artroplastia primária em 80,2% (97/121) e 75,5% (71/94), e unilateral em 97,5% (118/121) e 100% (94/94) dos pacientes, respectivamente. A duração média da cirurgia de ATJ foi de 2:55h com duração média da internação hospitalar de 5 dias, enquanto que esses tempos foram 3:27h e 6 dias para a cirurgia de ATQ. Maior frequência de sangramento como complicação foi demonstrada para a cirurgia de ATQ (11,7% versus 1,7%).

As características da amostra estudada estão descritas na tabela 1. Pacientes submetidos à cirurgia de ATJ apresentavam média de idade de 68,2 anos (DP=9,8) e cerca de 75% eram do gênero feminino, enquanto que pacientes submetidos à cirurgia de ATQ apresentavam média de 56,3 anos (DP 15,6) e 53% eram do gênero feminino. A maioria dos pacientes submetidos a ambas cirurgias não era tabagista, apresentando sobrepeso, com IMC médio de 29,5 kg/m2 (ATJ) e 27,7 kg/m2 (ATQ). Os pacientes submetidos à ATJ apresentavam maior frequência de comorbidades do que os pacientes submetidos à ATQ, como hipertensão (75% versus 55%) e diabetes (22% versus 11%). Aproximadamente, 17% dos pacientes da amostra apresentavam pelo menos uma condição clínica de risco para TEV. (AMB, 2005)

No grupo SUS, 87,7% (71/81) dos pacientes receberam profilaxia para TEV durante o período de internação, sendo a enoxaparina o medicamento prescrito para todos eles, independentemente do tipo de cirurgia. Em um paciente submetido à ATJ, a enoxaparina foi modificada para heparina não-fracionada, sem relato de motivo. Houve relato do uso de meia compressiva como método profilático adjuvante para apenas um paciente. Neste grupo, o esquema de administração da enoxaparina foi semelhante nos pacientes submetidos à ATJ e à ATQ, sendo a dosagem de 40mg/dia, com início do medicamento, em média, 29 horas após o procedimento cirúrgico e duração média de 3 e 4 dias durante a internação, respectivamente. No grupo SS, 98,5% (132/134) dos pacientes realizaram algum tipo de profilaxia para TEV durante o período de internação, sendo a enoxaparina o medicamento prescrito inicialmente em 98,5% (130/132) dos casos. Para dois pacientes (ambos submetidos à ATQ), a profilaxia realizada foi dabigatrana (110 mg 1 vez ao dia) para um e meia compressiva para o outro. Em 3 pacientes, a enoxaparina foi modificada para dabigatrana e em um paciente, para heparina não-fracionada, sem relato de motivo. Dentre os que receberam profilaxia, houve relato de meia compressiva como método profilático adjuvante em 16,7% (22/130), especialmente no grupo submetido à ATJ (22,8%). Para a maior parte dos pacientes, tanto aqueles submetidos à ATJ quanto ATQ, a dosagem de enoxaparina foi de 40mg/dia e com duração média, durante a internação, semelhante (4 dias), porém a média do tempo de início do medicamento após a cirurgia foi maior no grupo ATJ do que no grupo ATQ (20,5 horas versus 16,3 horas). Dois pacientes receberam esquema com enoxaparina 20mg/dia, sendo iniciado, em média, 7,8 horas após o procedimento cirúrgico com duração média de 5,5 dias. Esquema com enoxaparina 60 mg/dia foi administrado para dois pacientes com média de início de 50,5 horas após a cirurgia e duração média de 3,5 dias durante a internação.

Considerando o total de 71 pacientes que receberam profilaxia para TEV durante o período de internação, o custo total da profilaxia para o SUS foi de R$1.873,01, gerando um custo médio de R$26,38 por paciente submetido à profilaxia. Considerando o total de 132 pacientes que receberam profilaxia para TEV durante o período de internação, o custo total da profilaxia para a SS foi de R$21.559,73, com custo médio de R$163,33 por paciente submetido à profilaxia.

A incidência de TEV durante o período de internação hospitalar foi de 2,3% de eventos suspeitos e 0,9% de eventos confirmados. Entre os pacientes submetidos à ATJ, a incidência de TEV suspeito ou confirmado foi de 1,6% (2/121) cada. Entre os pacientes submetidos à ATQ, somente eventos suspeitos foram observados, com incidência de 3,2% (3/94).

O custo total e o custo médio por paciente relacionado à internação hospitalar (incluindo os custos da profilaxia) são demonstrados na tabela 2 para pacientes atendidos pelo SUS e para aqueles da SS. No grupo SUS, o custo médio da internação foi de R$6.210,80 por paciente com suspeita de TEV, enquanto que R$4.630,97 por paciente sem TEV. A duração média da hospitalização nesses grupos foi de 13 (DP 9,0) dias e 4,9 (DP 3,8) dias, respectivamente. No grupo SS, o custo médio da internação foi de R$56.182,34 por paciente com TEV confirmado, R$43.792,59 por paciente com suspeita de TEV sem confirmação e de R$27.872,51 por paciente sem evento. A duração média da internação foi 22 (DP 7,1) dias, 15,7 (DP 11,3) dias e 5,1 (DP 3,0) dias nos grupos com TEV confirmado, TEV suspeito e sem TEV, respectivamente.






Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal