Caminhos do homem: do imperialismo ao Brasil no século XXI, 3º ano



Baixar 8.19 Mb.
Página57/464
Encontro08.10.2019
Tamanho8.19 Mb.
1   ...   53   54   55   56   57   58   59   60   ...   464
Sabendo um pouco mais

A seguir, é apresentado um texto que analisa as rejeições do fascismo. Por meio de seu estudo, é possível se chegar a um conceito desse fenômeno político-ideológico.



Professor, peça aos estudantes que analisem o motivo da incompatibilidade do fascismo com a democracia.

Rejeições do fascismo

O que o fascismo rejeita totalmente é a sociedade liberal do século XIX. O fascismo não crê que os homens sejam iguais nem que o homem seja naturalmente bom. Essa condenação global dá origem a algumas rejeições:

1. Rejeição da democracia, considerada “podre”, porque sendo um regime de fraqueza dominado pelos grupos de pressão, é incapaz de salvaguardar o interesse nacional.

2. Rejeição do individualismo; [...] dos direitos do homem; [...] porque o indivíduo não tem nenhum direito; apenas existe pela comunidade na qual se integra; precisa ser enquadrado e comandado.

3. Rejeição da sociedade liberal, porque a liberdade degenera em licença, e a licença em enfraquecimento da união do grupo; o grupo tem o direito de punir aqueles que se recusam se unir a ele.

4. Rejeição dum comportamento comandado pela razão, que abafa o impulso vital; o fascismo é uma reação anti-intelectualista; prega o culto da ação, proclama a virtude da violência.

5. Ao mesmo tempo, o fascismo combate o “socialismo marxista”, porque este é fundado na luta de classes e conduz à divisão e ao enfraquecimento da vida social.

6. Censura também a liberdade econômica, que permite aos fortes esmagar os fracos, e muitas vezes esconde o domínio de um povo pobre por outro mais rico.

MICHEL, H. Os fascismos. Lisboa: Dom Quixote, 1977. p. 13-15.

Em resposta à Crise de 1929, intensificou-se, em muitos países, o nacionalismo econômico, ao qual, nos regimes totalitários italiano e alemão, acrescentou-se a chamada “solução militarista” como mecanismo de contenção do desemprego.


Página 54

O exemplo da Alemanha hitlerista é bastante sintomático: em 1933, quando os nazistas assumiram o poder, havia mais de 6 milhões de desempregados; em 1939, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, o desemprego praticamente não existia mais, conforme demonstra o gráfico a seguir.



O favorecimento ao grande capital, o rápido crescimento da indústria bélica, a repressão brutal ao movimento sindical alemão e o militarismo explicam a drástica redução do desemprego no país.

ROBERTS, J. M. História do século 20. São Paulo: Abril, 1974. v. 4. p. 1 465.




Catálogo: editoras -> liepem18 -> OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> HISTÓRIA%20CAMINHOS%20DO%20HOMEM%201%20AO%203º%20ANO%20-%20BASE -> DOCX
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Ronaldo vainfas
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Oficina de história: volume 1
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Gilberto Cotrim Bacharel e licenciado em História pela Universidade de São Paulo Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie Professor de História e advogado Mirna Fernandes
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Geografia Espaço e identidade Levon Boligian, Andressa Alves 3 Componente curricular Geografia
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Manual do professor
OBRAS%20PNLD%202018%20EM%20EPUB -> Manual do Professor História Global
DOCX -> Caminhos do homem: das origens da humanidade à construção do mundo moderno, 1º ano
DOCX -> Caminhos do homem: da era das revoluções ao Brasil no século, XIX, 2º ano


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   53   54   55   56   57   58   59   60   ...   464


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal