C. A. Vianna Programa de Pós-graduação



Baixar 162.5 Kb.
Pdf preview
Página3/3
Encontro08.10.2019
Tamanho162.5 Kb.
1   2   3
O objetivo foi estimar a prevalência de uso de ácido 

acetilsalicílico (AAS) na prevenção das doenças cardio-

vasculares (DCV). Estudo transversal de base popula-

cional, realizado em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, 

em 2010. Dois desfechos foram considerados: uso de 

AAS na prevenção primária (indivíduos 

 40 anos com 



pelo menos dois fatores de risco (hipertensão arterial 

sistêmica, diabetes mellitus e/ou dislipidemia) e uso de 

AAS na prevenção secundária (história de angina/in-

farto e/ou acidente vascular encefálico). Os desfechos 

foram analisados de acordo com variáveis demográfi-

cas, socioeconômicas e de estilo de vida. A prevalência 

de uso de AAS foi de 24,8% na prevenção primária e 

34,3% na prevenção secundária. Na prevenção primá-

ria o uso de AAS foi maior nos indivíduos de cor não 

branca, maior faixa etária e com pior autopercepção 

de saúde. Na prevenção secundária, a prevalência de 

uso foi maior nos indivíduos com maior faixa etária, 

maior classe social e ex-fumantes. As prevalências de 

uso de AAS encontradas estão muito abaixo do reco-

mendado para prevenção das DCV.

Doenças Cardiovasculares; Ácido Acetilsalicílico; Pre-

venção de Doenças

Colaboradores

C. A. Vianna, D. A. González e A. Matijasevich participa-

ram igualmente do delineamento e análise do estudo e 

redação do artigo.

Agradecimentos

À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível 

Superior (CAPES) pelo financiamento.




USO DE AAS NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

1131


Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 28(6):1122-1132, jun, 2012

Referências

1.  World Health Organization. World healthy report 

2002: reducing risks, promoting healthy life. Ge-

neva: World Health Organization; 2002.

2.  Ministério da Saúde. Diretrizes e recomendações 

para o cuidado integral das doenças crônicas não 

transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, 

prevenção e assistência. Brasília: Ministério da 

Saúde; 2008.

3.  IV diretriz brasileira sobre dislipidemias e preven-

ção da aterosclerose: Departamento de Ateroscle-

rose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq 

Bras Cardiol 2007; 88 Suppl 1:1-18.

4.  Buse JB, Ginsberg HN, Bakris GL, Clark NG, Costa 

F, Eckel R, et al. Primary prevention of cardiovas-

cular disease in people with diabetes: a scientific 

statement from American Heart Association and 

the American Diabetes Association. Diabetes Care 

2007; 30:162-72.

5.  Antithrombotic Trialist’s Collaboration. Collabora-

tive metanalysis of randomized trials of antiplate-

let therapy for prevention of death, myocardial 

infarction, and stroke in high-risk patientes. BMJ 

2002; 324:71-86.

6.  Baigent C, Blackwell L, Collins R, Emberson J, God-

win J, Peto R, et al. Aspirin in the primary and sec-

ondary prevention of vascular disease: collabora-

tive meta-analysis of individual participant data 

from randomised trials. Lancet 2009; 373:1849-60.

7.  Stafford RS, Monti V, Ma J. Underutilization of as-

pirin persists in US ambulatory care for the sec-

ondary and primary prevention of cardiovascular 

disease. PLoS Med 2005; 2:e353.

8.  Cook NR, Chae C, Mueller FB, Landis S, Saks AM, 

Hennekens CH. Mis-medication and under-utili-

zation of aspirin in the prevention and treatment 

of cardiovascular disease. MedGenMed 1999; 

22:E1.

9.  Sigurdsson EL, Jonsson JS, Thorgeirsson G. Medi-



cal treatment and secondary prevention of coro-

nary heart disease in general practice in Iceland. 

Scand J Prim Health Care 2002; 20:10-5.

10.  Leitão CB, Krahe AL, Picon PX, Pecis M, Zaslavsky 

LM, Gross JL, et al. Aspirin therapy is still under-

utilized among patients with type 2 diabetes. Arq 

Bras Endocrinol Metab 2006; 50:1014-9.

11.  Rocha ASC, Araújo MP, Volscham A, Carvalho LAF

Ribeiro A, Mesquita ET. Evidência de melhora na 

qualidade do cuidado assistencial no infarto agu-

do do miocárdio. Arq Bras Cardiol 2010; 94:726-9.

12.  Stein R, Alboim C, Campos C, Mello RB, Rosito GA, 

Polanczyk CA. Variabilidade entre cardiologistas 

na abordagem aos pacientes em prevenção secun-

dária da cardiopatia isquêmica. Arq Bras Cardiol 

2004; 83:219-22.

13.  Vieira SB, Junges Filho VH, Costa MAPD, Tavares 

MRG. Avaliação do uso do AAS como prevenção 

de eventos coronarianos em pacientes inscritos 

no programa de hipertensão na unidade de saú-

de Nossa Senhora Aparecida do GHC. Momento & 

Perspectiv Saúde 2005; 18:9-15.

14.  Zanati SG, Mouraria GG, Matsubara LS, Giannini 

M, Matsubara BB. Profile of cardiovascular risk 

factors and mortality in patients with symptomatic 

peripheral arterial disease. Clinics 2009; 64:323-6.

15. Ministério da Saúde. Inquérito domiciliar sobre 

comportamentos de risco e morbidade referida de 

doenças e agravos não transmissíveis. Brasília: Mi-

nistério da Saúde; 2003.

16. Craig CL, Marshall AL, Sjostrom M, Bauman AE, 

Booth ML, Ainsworth BE, et al. International 

Physical Activity Questionnaire: 12-country reli-

ability and validity. Med Sci Sports Exerc 2003; 35:

1381-95.

17. Wold Health Organization. Physical status: the 

use and interpretation of anthropometry. Geneva: 

Wold Health Organization; 1995. (WHO Technical 

Report Series, 854).

18.  Barros AJ, Hirakata VN. Alternatives for logistic re-

gression in cross-sectional studies: an empirical 

comparison of models that directly estimate the 

prevalence ratio. BMC Med Res Methodol 2003; 

3:21. 


19. Grundy SM, Balady GJ, Criqui MH, Fletcher G, 

Greenland P, Hiratzka LF, et al. Guide to primary 

prevention of cardiovascular diseases. A statement 

for healthcare professionals from the Task Force 

on Risk Reduction. American Heart Association 

Science Advisory and Coordinating Committee. 

Circulation 1997; 95:2329-31.

20. Pearson TA, Blair SN, Daniels SR, Eckel RH, Fair 

JM, Fortmann SP, et al. AHA Guidelines for Primary 

Prevention of Cardiovascular Disease and Stroke: 

2002 Update: Consensus Panel Guide to Compre-

hensive Risk Reduction for Adult Patients Without 

Coronary or Other Atherosclerotic Vascular Dis-

eases. American Heart Association Science Adviso-

ry and Coordinating Committee. Circulation 2002; 

106:388-91.

21.  Lawlor DA, Whincup P, Emberson JR, Rees K, 

Walker M, Ebrahim S. The challenge of second-

ary prevention for coronary heart disease in older 

patients: findings from the British Women’s Heart 

and Health Study and the British Regional Heart 

Study. Fam Pract 2004; 21:582-6.

22.  Pignone M, Alberts MJ, Colwll JA, Cushman M, In-

zucchi SE, Mukherjee D, et al. Aspirin for primary 

prevention of cardiovascular events in people with 

diabetes. Diabetes Care 2010; 33:1395-402.

23.  De Berardis G, Sacco M, Strippoli GFM, Pellegrini 

F, Graziano G, Tognoni G, et al. Aspirin for primary 

prevention of cardiovascular events in people with 

diabetes: meta-analysis of randomised controlled 

trials. BMJ 2009; 339:b4531.

24.  Vaughan JP, Barros FC, Victora CG. Epidemiologia 

da desigualdade. São Paulo: Editora Hucitec; 2006.

25.  Brown DW, Shepard D, Giles WH, Greenlund KJ, 

Croft JB. Racial differences in the use of aspirin: 

an important tool for preventing heart disease and 

stroke. Ethn Dis 2005; 15:620-6.

26. Kurian AK, Cardarelli KM. Racial and ethnic dif-

ferences in cardiovascular disease risk factors: a 

systematic review. Ethn Dis 2007; 17:143-52.

27.  Bastos GAN, Del Duca GF, Hallal PC, Santos IS. Uti-

lização de serviços médicos no sistema público de 

saúde no Sul do Brasil. Rev Saúde Pública 2011; 

45:475-84.




Vianna CA et al.

1132


Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 28(6):1122-1132, jun, 2012

28.  Dias-da-Costa JS, Olinto MTA, Gigante DP, Mene-

zes AMB, Macedo S, Daltoé T, et al. Utilização de 

serviços ambulatoriais de saúde em Pelotas, Rio 

Grande do Sul, Brasil: alguns fatores relacionados 

com as consultas médicas acima da média. Cad 

Saúde Pública 2008; 24:353-63.

29.  Capilheira MF, Santos IS. Fatores individuais asso-

ciados à utilização de consultas médicas por adul-

tos. Rev Saúde Pública 2006; 40:436-43.

30.  Mendoza-Sassi R, Béria JU, Barros AJD. Outpatient 

health service utilization and associated factors: a 

population-based study. Rev Saúde Pública 2003; 

37:372-8.

31.  Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre ne-

cessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasí-

lia: Organização das Nações Unidas para a Edu-

cação, a Ciência e a Cultura/Ministério de Saúde; 

2002.

32. Paniz VMV, Fassa AG, Facchini LA, Bertoldi AD, 



Piccini RX, Tomasi E, et al. Acesso a medicamentos 

de uso contínuo em adultos e idosos nas regiões 

Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública 2008; 

24:267-80.

33.  Chrestani MAD, Santos IS, Matijasevich A. Hiper-

tensão arterial sistêmica autorreferida: validação 

diagnóstica em um estudo de base populacional. 

Cad Saúde Pública 2009; 25:2395-406.

Recebido em 18/Jan/2011

Versão final reapresentada em 16/Jun/2011



Aprovado em 19/Mar/2012



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal