Brasil, uma história


Armas: indígenas e mamelucos usavam apenas arco e flecha. Os brancos, mosquetes, pistolas e facas. Roupas



Baixar 2.26 Mb.
Pdf preview
Página27/193
Encontro22.07.2022
Tamanho2.26 Mb.
#24335
1   ...   23   24   25   26   27   28   29   30   ...   193
Eduardo Bueno - Brasil. Uma história
Armas: indígenas e mamelucos usavam apenas arco e flecha. Os brancos, mosquetes, pistolas e facas.
Roupas: nativos e mamelucos marchavam nus ou de tanga. Os brancos iam descalços, de chapéu,
calças largas e “coira de anta”, um colete acolchoado.
Ritmo de marcha: de dez a doze quilômetros por dia. As jornadas podiam durar de seis meses a três
anos.
Alimentação: farinha, mel, palmito, caça e pesca.
Entradas: eram expedições oficiais de exploração do sertão.
Armações: eram as bandeiras financiadas por um investidor, o armador, que não ia ao sertão.
Nativos escravizados: 356.720 “peças” em 150 anos, segundo cálculos de Alfredo Ellis Jr.
Valor das peças: em 1628, 20 mil-réis, ou 1/5 do de um africano.
REDUÇÕES DESTROÇADAS
Entre 1610 e 1750, jesuítas – em sua absoluta maioria espanhóis – estabeleceram uma vasta rede de
reduções na região entre os rios Paraná, Uruguai, Iguaçu e Paranapanema. Elas acabariam se tornando
uma espécie de curral escravista para as bandeiras paulistas. O mapa acima identifica a localização dos
64 aldeamentos originais.
Guairá (área 1): a “florida cristandade”, formada por treze reduções, criadas por Ruiz de Montoya a
partir de 1610. Ficavam no atual estado do Paraná, sendo facilmente alcançáveis a partir de São Paulo
(40 a 60 dias de marcha). A destruição começou em 1628 e continuou com as expedições de 1629, 30, 31 e
32. Mais de cem mil índios foram escravizados.
Tape (área 2): a maioria das dezoito reduções foi obra do jesuíta Roque González. Erguidas no atual Rio
Grande do Sul, foram destruídas a partir de 1636, por iniciativa de Raposo Tavares e Fernão Dias. Cerca
de 60 mil Guarani foram levados para São Paulo.
Itatim (área 3): as treze reduções, localizadas na margem esquerda do Paraguai, em Mato Grosso do Sul,
foram erguidas em 1631. Atacadas no início de 1633, “con impiedad y crueldad nunca oída”, cinco
reduções foram destruídas, e as demais, abandonadas. O ataque rendeu aos bandeirantes 15 mil novos
escravos.

Baixar 2.26 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   23   24   25   26   27   28   29   30   ...   193




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal