Brasil, uma história



Baixar 2.26 Mb.
Pdf preview
Página174/193
Encontro22.07.2022
Tamanho2.26 Mb.
#24335
1   ...   170   171   172   173   174   175   176   177   ...   193
Eduardo Bueno - Brasil. Uma história
A ABOLIÇÃO E A REPÚBLICA
A abolição é um dos assuntos mais estudados da história do Brasil e existem muitos livros bons sobre o
tema. A fonte clássica para a compreensão da ideologia abolicionista é o libelo de Joaquim Nabuco, O
abolicionismo (Vozes), uma das mais belas e densas obras de combate já escritas em português. Outros
livros de Nabuco, como Minha formação, Escravos e Um estadista do Império, também foram consultados
e constituem vigorosa denúncia contra a escravidão. O texto de Leslie Bethell, A abolição do tráfico de
escravos no Brasil (EDUSP) e Os últimos anos da escravatura no Brasil, de Robert Conrad
(INL/Brasiliense), também são fontes confiáveis. O pequeno livro de Suely R. Reis de Queiroz, Abolição da
escravidão (Brasiliense), faz um bom apanhado geral sobre o assunto. Outros textos consultados foram A
escravidão reabilitada, de Jacob Gorender (Ática), e Os republicanos paulistas e a Abolição, de José Maria
dos Santos (Martins, 1942). Uma inspiração decisiva veio do capítulo “A escravidão entre dois
liberalismos”, do livro Dialética da colonização, de Alfredo Bosi, já citado. O catálogo da exposição Dois
em Um – José do Patrocínio e Bordalo Pinheiro traz boa biografia geral de Patrocínio, além de belas
imagens.
As fontes mais utilizadas na redação dos textos sobre a proclamação da República foram Os militares e a
República, de Celso Castro (Zahar), e Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi, de José
Murilo de Carvalho (Companhia das Letras), as duas melhores análises sobre o movimento militar que
derrubou a monarquia. Uma visão de “esquerda” da proclamação da República pode ser encontrada em A
República: uma revisão histórica, de Nelson Werneck Sodré (UFRGS).
Existem poucas biografias de Deodoro da Fonseca e de Benjamin Constant e, em geral, a maioria dos
autores recorre aos textos clássicos Benjamin Constant: esboço de uma apreciação sintética da vida e da
obra do fundador da República brasileira, de Raimundo Teixeira Mendes (Apostolado Positivista do Brasil,
1913), e Deodoro: a espada contra o Império, de Roberto Magalhães Júnior (Cia. Ed. Nacional, 1957),
embora nenhuma das duas obras se caracterize pelo distanciamento crítico. Na verdade, como apontou o
historiador Celso Castro, ambas estabeleceram uma espécie de “ditadura” bibliográfica sobre o assunto.
Duas fontes fundamentais para o estudo do papel dos militares na proclamação da República foram escritas


por brasilianistas: O Exército na política, de John Schultz (EDUSP), e Relações entre civis e militares no
Brasil (1889-1898), de June Hahner (Pioneira). Josué Montello escreveu um bom romance histórico sobre o
tão significativo Baile da Ilha Fiscal (Nova Fronteira).

Baixar 2.26 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   170   171   172   173   174   175   176   177   ...   193




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal