Atualização da Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de Emergência da Sociedade



Baixar 8.81 Mb.
Pdf preview
Página128/535
Encontro30.06.2021
Tamanho8.81 Mb.
1   ...   124   125   126   127   128   129   130   131   ...   535
C) Marca-passo transcutâneo
Intervenção para o tratamento da bradicardia sintomática, 
na qual sua instalação deve ser imediata (Classe de 
Recomendação IIa; Nível de Evidência B).
330
 O acionamento 
pode ser doloroso e não produzir captura mecânica eficaz. 
Este dispositivo tem como finalidade oferecer condição 
hemodinâmica até a reversão do ritmo, tratamento da 
causa desencadeante ou implante de um Marca-Passo 
Transvenoso (MPTV). Recomenda-se solicitar a avaliação de 
um especialista.
200,320
5.9. Taquicardias
Ritmo taquicárdico é aquele cuja frequência é superior 
a 100 bpm. O espectro de apresentação das taquicardias 
é amplo, de casos completamente assintomáticos, 
identificados durante investigação por outra queixa clínica, 
até eventos com instabilidade hemodinâmica significante
que podem ser fatais, caso nenhuma intervenção seja 
realizada. A menos que disfunção ventricular importante 
esteja presente, é consenso entre os especialistas que 
somente ritmos acima de 150 bpm causam sintomas de 
comprometimento hemodinâmico. 
Em indivíduos assintomáticos, uma ampla gama de 
taquiarritmias pode ser identificada e não necessitar de 
qualquer tratamento específico imediato, já que não 
determinam alterações clínicas. Devem, contudo, ser 
documentadas de modo a permitir reavaliação posterior 
para definição diagnóstica e conduta terapêutica apropriada. 
Nos pacientes sintomáticos, devem ser estabelecidos 
dois aspectos fundamentais. O primeiro diz respeito à 
intensidade dos sintomas. Pacientes sintomáticos podem 
apresentar sintomas desconfortáveis, como palpitações, 
tontura e/ou dispneia leve, mas não apresentar qualquer 
sinal clínico de comprometimento hemodinâmico. A 
consequência funcional de uma taquiarritmia é a redução 
do DC. Diversos sistemas manifestam sinais e sintomas 
como os listados a seguir, que são indicativos deste 
comprometimento hemodinâmico: alteração no nível de 
consciência;  hipotensão arterial sistêmica (Pressão Arterial 
Sistólica − PAS < 90 mmHg) ou choque circulatório com 
alteração da perfusão periférica; congestão pulmonar; e 
dor precordial anginosa. 
O segundo aspecto fundamental é o estabelecimento de 
uma relação causal entre a presença da taquiarritmia e os 
sintomas. Em que pese o fato de existir comprometimento 
hemodinâmico que necessite tratamento imediato, nem 
sempre é possível estabelecer relação direta. Por exemplo, 
em situações de hipovolemia secundária a uma hemorragia 
interna ou a um estado de choque séptico, pode ocorrer 
taquicardia sinusal reacional, a qual pode ser sintomática, 
mas cujo tratamento deve ser da causa primária. Se tais 
eventos ocorrerem em indivíduos com bloqueios de ramo 
ou Fibrilação Atrial (FA), podem determinar registros 
eletrocardiográficos compatíveis com taquiarritmias 
potencialmente letais. Cabe, portanto, sempre tratar o 
indivíduo − e não o Eletrocardiograma (ECG). Em todas as 
situações, é mandatória uma história clínica breve, de modo 
a estabelecer a relação causa-efeito entre a taquiarritmia e 
os sintomas presentes. 
Pode-se, de um ponto de vista prático, classificar 
inicialmente as taquicardias em dois grupos, independente do 
diagnóstico eletrocardiográfico: instáveis e estáveis. 



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   124   125   126   127   128   129   130   131   ...   535


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal