Apresentação


Estudos de Religião, Ano XXI, n. 33, 121-135, jul/dez 2007



Baixar 100.45 Kb.
Pdf preview
Página3/16
Encontro29.12.2020
Tamanho100.45 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   16
Estudos de Religião, Ano XXI, n. 33, 121-135, jul/dez 2007

O esforço da Igreja para casar os seus fiéis vem de longa data. O Con-

cílio de Latrão, reunido em 1215 pelo papa Inocêncio III, elaborou a legisla-

ção do matrimônio, alçado à sacramento em 1439, num outro Concílio, o de

Florença. Desde o século VIII a instituição se bateu em favor da monogamia.

Sim, pois os reis francos eram polígamos e a poligamia, meio de exibir rique-

za, poder e alianças políticas. Clotário, por exemplo, teve seis esposas! Um

exagero que interferia tanto em questões dinásticas, quanto enfraquecia a

noção mesma de casamento. A reforma gregoriana no século XI definiu,

portanto, que clérigos devem respeitar o celibato e os casados, a monogamia.

Uns e outros nunca foram totalmente fiéis às exigências da Igreja. Concubinas

e amantes, como sabemos, resistiram. Mas a poligamia desapareceu.

Tais decisões atingiram, de um modo ou de outro, as normas comuni-

tárias que, de alto a baixo da escala social, regulavam as uniões conjugais no

Ocidente cristão. Variando regionalmente, segundo tradições e culturas dos

povos europeus, os ritos matrimoniais espelhavam sempre uma aliança que

atendia, antes de tudo, a interesses ligados à transmissão do patrimônio, a

distribuição de poder, a conservação de linhagens e ao reforço de solidarie-

dades de grupos. Simplificando, diríamos que eles mais eram associação entre

duas famílias – diferentemente de hoje, que é associação entre duas pessoas

– para resolver dificuldades econômicas e sociais, sem padre nem altar.

Mais importante do que as uniões abençoadas eram as “promessas de

casamento” feitas pelo homem à família da noiva – os chamados esponsais

ou desponsórios. Comemorados com grandes festas e troca de presentes, eles

autorizavam aos olhos da comunidade a coabitação dos futuros cônjuges. A

intervenção eclesiástica nesse processo tornou-se crescente a partir do século

XIII, mas se adaptou, em geral, aos costumes de cada lugar.

Assim, em meados do século XVI, já existiam, do lado católico, dois

objetivos a propósito do casamento: reafirmá-lo como sacramento, pois pro-

testantes, como Lutero, o julgavam apenas “necessidade física”. E convertê-

lo em instituição básica da vida dos fiéis, eliminando os ritos tradicionais e

substituindo-os por uma cerimônia oficial, e aí, com padre e altar.

O casamento não era exatamente assunto que tivesse a ver com sentimen-

tos. É que o sacramento ou os ritos que o cercavam se baseavam em critérios

mais pragmáticos do que aqueles cantados pelos trovadores medievais que,

então, se referiam a jardins floridos e encontros de amantes. Mas, onde, afinal,

se escondia o amor? Na introdução do seu O sexo e o ocidente – um jeu de mot

com a obra de Denis de RougemontO amor e o ocidente – Jean-Louis Flandrin

lembra bem que durante séculos o amor foi o tema preferido de poetas e ro-

mancistas e que, aparentemente, muito pouco mudou entre, por exemplo, os

séculos XIII e XX. Mas não seria o mesmo “amor” que se cantaria ao longo de


1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   16


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal