Andrade rezende engenharia de projetos s/c ltda



Baixar 3.71 Mb.
Página2/46
Encontro12.01.2022
Tamanho3.71 Mb.
#20973
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   46
FORMAS 95

ARMADURA 95

CONCRETO DE CIMENTO 95

EQUIPAMENTOS 95

EXECUÇÃO 96

CONTROLE 96

ACEITAÇÃO 97

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 97

2.3.10.FRESAGEM 97

OBJETIVO 97

EQUIPAMENTO 98

EXECUÇÃO 98

CONTROLE 98

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 98

2.3.11.TRANSPORTE DE MATERIAL DE FRESADO PARA BOTA FORA (DMT=3 km) 99

OBJETIVO 99

EQUIPAMENTOS 99

EXECUÇÃO 99

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 99

2.3.12.DESCARGA E ESPALHAMENTO EM BOTA FORA 100

OBJETIVO 100

EQUIPAMENTOS 100

EXECUÇÃO 100

CRITERIO DE MEDIÇÃO 100

2.3.13.CONCRETO BETUMINOSO USINADO A QUENTE – CAPA EM CBUQ 100

OBJETIVO 100

MATERIAIS 101

MATERIAL ASFÁLTICO 101

AGREGADOS 101

AGREGADO GRAÚDO 102

AGREGADO MIÚDO 102

FILLER (MATERIAL DE ENCHIMENTO) 102

MELHORADOR DE ADESIVIDADE 103

COMPOSIÇÃO DA MISTURA 103

GRANULOMETRIA DA MISTURA DE PROJETO 103

EQUIPAMENTOS 106

DEPÓSITOS DE MATERIAL ASFÁLTICO 106

SILOS DE AGREGADOS 106

USINAS 106

Poderão ser utilizadas usinas dos tipos gravimétrica ou volumétrica. 106

DO TIPO GRAVIMETRICA 106

DO TIPO VOLUMÉTRICA. 107

ACABADORAS 107

EQUIPAMENTO DE COMPRESSÃO 108

VEÍCULOS DE TRANSPORTE DA MISTURA 108

EXECUÇÃO 108

PREPARAÇÃO 108

TRECHO EXPERIMENTAL 109

PRODUÇÃO DO CONCRETO ASFÁLTICO 110

TRANSPORTE DO CONCRETO ASFÁLTICO 111

DISTRIBUIÇÃO E COMPRESSÃO DA MISTURA 111

JUNTAS FRIAS 112

ABERTURA AO TRÁFEGO 112

CONTROLE 112

CONTROLE DE QUALIDADE DOS MATERIAIS 112

CIMENTO ASFÁLTICO 112

AGREGADOS 113

CONTROLE DE TEMPERATURA 114

CONTROLE DE QUALIDADE DA MISTURA 114

MISTURA PRODUZIDA 114

MISTURA APLICADA 115

ACEITAÇÃO 115

GRANULOMETRIA E TEOR DE ASFALTO 115

ESTABILIDADE, FLUÊNCIA E VOLUME DE VAZIOS 115

DENSIDADE DA MISTURA COMPACTADA E DAS JUNTAS 116

ESPESSURA E GREIDE 116

IRREGULARIDADES 117

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 117

2.3.14.CONCRETO BETUMINOSO USINADO A QUENTE – BINDER 118

OBJETIVO 118

MATERIAIS 118

MATERIAL ASFÁLTICO 118

AGREGADOS 118

AGREGADO GRAÚDO 118

AGREGADO MIÚDO 119

FILLER (MATERIAL DE ENCHIMENTO) 119

MELHORADOR DE ADESIVIDADE 120

COMPOSIÇÃO DA MISTURA 120

GRANULOMETRIA DA MISTURA DE PROJETO 120

REQUISITOS DA MISTURA 122

EQUIPAMENTOS 122

DEPÓSITOS DE MATERIAL ASFÁLTICO 123

SILOS DE AGREGADOS 123

USINAS 123

Poderão ser utilizadas usinas dos tipos gravimétrica ou volumétrica. 123

DO TIPO GRAVIMETRICA 123

DO TIPO VOLUMÉTRICA. 124

ACABADORAS 124

EQUIPAMENTO DE COMPRESSÃO 124

VEÍCULOS DE TRANSPORTE DA MISTURA 125

EXECUÇÃO 125

PREPARAÇÃO 125

TRECHO EXPERIMENTAL 126

PRODUÇÃO DO CONCRETO ASFÁLTICO 127

TRANSPORTE DO CONCRETO ASFÁLTICO 127

DISTRIBUIÇÃO E COMPRESSÃO DA MISTURA 127

JUNTAS FRIAS 128

ABERTURA AO TRÁFEGO 129

CONTROLE 129

CONTROLE DE QUALIDADE DOS MATERIAIS 129

CIMENTO ASFÁLTICO 129

AGREGADOS 130

CONTROLE DE TEMPERATURA 130

CONTROLE DE QUALIDADE DA MISTURA 131

MISTURA PRODUZIDA 131

MISTURA APLICADA 131

ACEITAÇÃO 131

GRANULOMETRIA E TEOR DE ASFALTO 131

ESTABILIDADE, FLUÊNCIA E VOLUME DE VAZIOS 132

DENSIDADE DA MISTURA COMPACTADA E DAS JUNTAS 132

ESPESSURA E GREIDE 133

IRREGULARIDADES 133

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 134

2.3.15.CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS - CART COM ESPESSURA DE 3 cm COM ALTO TEOR DE POLÍMERO E MISTURA DENSA DE AGREGADO MIÚDO, TIPO STRATA OU EQUIVALENTE TECNICO 134

OBJETIVO 134

MATERIAIS 134

MATERIAL ASFÁLTICO 134

AGREGADOS 134

AGREGADO MIÚDO 135

FILLER (MATERIAL DE ENCHIMENTO) 135

MELHORADOR DE ADESIVIDADE 136

COMPOSIÇÃO DA MISTURA 136

GRANULOMETRIA DA MISTURA DE PROJETO 136

EQUIPAMENTOS 138

DEPÓSITOS DE MATERIAL ASFÁLTICO 138

SILOS DE AGREGADOS 138

USINAS 138

Poderão ser utilizadas usinas dos tipos gravimétrica ou volumétrica. 138

DO TIPO GRAVIMETRICA 138

DO TIPO VOLUMÉTRICA. 139

ACABADORAS 139

EQUIPAMENTO DE COMPRESSÃO 140

VEÍCULOS DE TRANSPORTE DA MISTURA 140

EXECUÇÃO 140

PREPARAÇÃO 140

TRECHO EXPERIMENTAL 141

PRODUÇÃO DO CONCRETO ASFÁLTICO 142

TRANSPORTE DO CONCRETO ASFÁLTICO 142

DISTRIBUIÇÃO E COMPRESSÃO DA MISTURA 142

JUNTAS FRIAS 143

ABERTURA AO TRÁFEGO 144

CONTROLE 144

CONTROLE DE QUALIDADE DOS MATERIAIS 144

CIMENTO ASFÁLTICO 144

AGREGADOS 145

CONTROLE DE TEMPERATURA 145

CONTROLE DE QUALIDADE DA MISTURA 145

MISTURA PRODUZIDA 145

MISTURA APLICADA 146

ACEITAÇÃO 146

GRANULOMETRIA E TEOR DE ASFALTO 146

ESTABILIDADE, FLUÊNCIA E VOLUME DE VAZIOS 147

DENSIDADE DA MISTURA COMPACTADA E DAS JUNTAS 147

ESPESSURA E GREIDE 148

IRREGULARIDADES 148

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 149

2.3.16.GEOGRELHA EM POLIESTER 149

OBJETIVO 149

MATERIAIS 149

EQUIPAMENTOS 150

EXECUÇÃO 150

CONTROLE 150

ACEITAÇÃO 151

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 151

2.3.17.IMPRIMAÇÃO 151

OBJETIVO 151

MATERIAIS 152

EQUIPAMENTOS 152

EXECUÇÃO 152

CONTROLE 153

QUALIDADE DO MATERIAL BETUMINOSO 153

CONTROLE DE TEMPERATURA 154

CONTROLE DE QUANTIDADE 154

ACEITAÇÃO 154

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 154

2.3.18.PINTURA DE LIGAÇÃO 155

OBJETIVO 155

MATERIAIS 155

EQUIPAMENTOS 155

PARA LIMPEZA 155

PARA DISTRIBUIÇÃO DO MATERIAL ASFÁLTICO 156

PARA AQUECIMENTO DE MATERIAL ASFÁLTICO EM DEPÓSITO 156

EXECUÇÃO 156

CONTROLE 157

CONTROLE DE QUALIDADE 157

CONTROLE DE TEMPERATURA 158

CONTROLE DE QUANTIDADE 158

CONTROLE DE UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO 158

ACEITAÇÃO 158

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 159

2.3.19.ESTRIAMENTO DO PAVIMENTO POR SERRAGEM (GROOVING) 159

OBJETIVO 159

EQUIPAMENTOS 160

EXECUÇÃO 160

DIMENSÕES DA RANHURAS 160

TRECHO EXPERIMENTAL 160

PREPARO DO PAVIMENTO 161

VELOCIDADE DE AVANÇO 161

LIMPEZA 161

CONTROLE 161

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 161

2.3.20.BASE OU SUB-BASE EM LATERITA (CBR ≥ 40%) 162

OBJETIVO 162

MATERIAIS 162

Solo laterítico proveniente da Jazida canaa 163

EQUIPAMENTOS 163

EXECUÇÃO 164

CONTROLE 165

CONTROLE TECNOLÓGICO 165

CONTROLE GEOMÉTRICO 165

ACEITAÇÃO 165

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 166

2.3.21.FORNECIMENTO E APLICAÇÃO DE RACHÃO 166

OBJETIVO 167

MATERIAIS 167

EQUIPAMENTOS 167

EXECUÇÃO 168

CONTROLE 168

CONTROLE GEOMÉTRICO 168

ACEITAÇÃO 169

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 169

2.3.22.BASE EM SOLO CIMENTO 169

OBJETIVO 169

MATERIAL 169

EQUIPAMENTO 170

EXECUÇÃO 171

CONTROLE 174

Controle dos insumos 174

Preparo da mistura solo-cimento 175

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO 177

2.3.23.BRITA GRADUADA SIMPLES 177

OBJETIVO 177

MATERIAIS 178

AGREGADOS 178

GRANULOMETRIA 178

QUALIDADE 178

EQUIPAMENTOS 179

EXECUÇÃO 179

DOSAGEM DA MISTURA 179

TRANSPORTE E ESPALHAMENTO 180

COMPACTAÇÃO E ACABAMENTO 180

CONTROLE 180

CONTROLE TECNOLÓGICO 180

CONTROLE GEOMÉTRICO 181

ACEITAÇÃO 181

GRANULOMETRIA 182

DENSIDADE DE COMPACTAÇÃO 182

ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA 182

ESPESSURA E GREIDE 182

IRREGULARIDADES 183

LARGURA DA CAMADA 183

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 183

2.3.24.REMOÇÃO MANUAL DE GEOGRELHA EXISTENTE 184

OBJETIVO 184

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 184

2.4.OPERAÇÃO TAPA-BURACO 184

3.ITENS DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VIÁRIA 186

3.1.PINTURA DE SINALIZAÇÂO HORIZONTAL 186

OBJETIVO 186

PINTURA MECÂNICA À BASE DE RESINA ACRÍLICA - COR BRANCA 187

PINTURA MECÂNICA À BASE DE RESINA ACRÍLICA - COR VERMELHA 187

PINTURA MECÂNICA À BASE DE RESINA ACRÍLICA - COR PRETA 187

PINTURA MECÂNICA À BASE DE RESINA ACRÍLICA - COR AZUL 187

MATERIAIS 187

EQUIPAMENTOS 188

EXECUÇÃO 189

PRÉ-MARCAÇÃO 189

PREPARO DA SUPERFÍCIE 189

PINTURA 189

CONTROLE 190

ACEITAÇÃO 190

MEDIÇÃO E PAGAMENTO 190

3.2.REMOÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL 190

OBJETIVO 190

EXECUÇÃO 191

CONTROLE 192

O controle será realizado pela FISCALIZAÇÃO através de inspeção visual. 192


Baixar 3.71 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   46




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal