A transferência da Nação das elites para o "terceiro-estado" (povo): o povo é a nação e a nação é o povo



Baixar 31.9 Kb.
Página1/7
Encontro12.03.2020
Tamanho31.9 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7

- A transferência da Nação das elites para o “terceiro-estado” (povo): O povo é a nação e a nação é o povo

- A reinvenção da história nacional- omissões e exageros

- As elites intelectuais- os criadores da nação

Começarei por contextualizar e introduzir o momento histórico no qual se dá a mudança drástica do conceito de NAÇÃO partindo de uma conceção obsoleta, associada a regimes absolutistas , para uma conceção muitíssimo próxima da atualidade, marcada pela ascensão das Repúblicas. Como tal, há que compreender as condições que antecederam este momento.


No fim do século XVIII e durante o séc. XIX a Europa foi palco de mudanças históricas, as quais a Humanidade nunca tivera tão pouco tempo para assimilar:


Heinrich Heine

“ Que mudanças devem entrar hoje em dia nas nossas opiniões e as nossas representações?! Até os conceitos elementares de espaço e tempo se tornaram flutuantes. O espaço foi morto pelo caminho-de-ferro; já só nos resta o tempo.”
1871- ilustre historiador da Basileia- Jacob Burckhardt :

“Enquanto os nossos antepassados tinham de suportar pouco mais que a guerra, as três ultimas gerações viveram infinitamente mais coisas : colocação de novos princípios de presença no mundo, fundação maciça de novos tipos de Estado, transformações rápidas dos costumes, da cultura e da literatura. Como abalo da vida, o tempo da Reforma e da Colonização é uma futilidade comparado com aquilo que nós vivemos.”


Destacam-se, nomeadamente, algumas alterações estruturantes na orgânica da sociedade:
- Explosão demográfica (através do progresso cientifico que permitiu a redução das taxas de mortalidade aliado a um aumento regular das esperanças médias de vida)
- Invenção do caminho-de-ferro: Acessível e rápida deslocação de pessoas e informação, o que se traduziu num importante movimento migratório de pessoas maioritariamente do campo para a cidade, mas tambem para fora da Europa (alusão ao sonho americano). No século XIX 85% da população europeia tinha sido afetada por este movimento, sendo que 70% permaneceu dentro da Europa, deslocando-se do campo para a cidade.
- Maior disponibilidade de conhecimentos e informações: explosão do processo de alfabetização, que permitiu a existência de uma classe de escritores e de leitores bem informados que começaram a despertar entre a população temas políticos que antes nunca estariam generalizados com tal facilidade: (No taxation without representation)
Posto isto, o sistema político da europa viu-se forçado a uma regeneração obrigatória. De facto, o estado absolutista que caracterizara a Europa do sécXVIII já não estava apto a exercer os seus deveres em três domínios:


Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal