A tomada de lisboa



Baixar 4.33 Mb.
Página4/4
Encontro10.12.2019
Tamanho4.33 Mb.
1   2   3   4
Samuel Schwarz

(1) Elegia.

(2) Península Ibérica.

(3) O copista do manuscrito da Biblioteca Nacional saltou esta linha por completo.

(4) A duplicação da frase “de meus olhos” foi suprimida pelo copista do Manuscrito apesar de corresponder a um texto bíblico formal (Lamentações, 1-16).

(5) ULISIPONA. Na versão do “Divan” , figura 6, o nome dado a Lisboa é ELIOSSANA!

(6) Nação judaica.

(7) Data contada desde a destruição do Templo de Jerusalém no ano 70 da era crista, o que perfaz para a Tomada de Lisboa, a data de 1140, em vez de 1147.

(8) Na versão do Manuscrito diz-se “transtornou-se a sua força”.

(9) Pentateuco

(10) Bíblia.

(11) Escolástica.

(12) Estudos rabínicos.

(13) Alusão aos cruzados.



(14) Na versão do Manuscrito (fig. 5), não existe a repetição do estribilho no final do poema, mas ela figura na versão do “Divan” (fig. 6), devendo ter existido indubitavelmente no próprio original.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4


©historiapt.info 2019
enviar mensagem

    Página principal