A importância do estágio nos anos iniciais para a formaçÃo docente: uma pesquisa realizada na universidade estadual de alagoas



Baixar 149.3 Kb.
Página4/7
Encontro03.01.2023
Tamanho149.3 Kb.
#26180
1   2   3   4   5   6   7
TRABALHO EV117 MD1 SA1 ID8279 03092018161418 (3)
A Biosfera

Resultados e discussões


O estágio supervisionado deve acontecer durante a vida acadêmica dos discentes, iniciando com estágio de observação da escola e da sala de aula, e posteriormente a execução das aulas práticas. O estágio será acompanhado e avaliado por um professor supervisor do ensino fundamental, contribuindo com o desenvolvimento do estagiário nesse momento importante para sua formação acadêmica. Esse acompanhamento proporciona ao estagiário a refletir sobre sua prática de sala de aula desafiando a superar as dificuldades encontradas no exercício de suas práticas.
Seguindo essa linha de raciocínio, Borssoi (p.4, 2008) ressalta que:
Acredita-se que o estágio precisa caminhar nesse rumo, ou seja, numa visão dialética, onde professores/orientadores e alunos/acadêmicos possam argumentar, discutir, refletir e dialogar as práticas vivenciadas na escola. Pensar na formação docente é pensar na reflexão da prática e numa formação continuada, onde se realizam saberes diversificados, seja saberes teóricos ou
práticos, que se transformam e confrontam-se com as experiências dos profissionais.
Ressaltando que o estágio no contexto escolar deve acontecer em dois momentos, iniciando pela observação da escola, funcionários e comunidade no qual a escola está inserida, e já na sala de aula observar a atuação pedagógica do professor, a sua relação e interação com a turma, os métodos didáticos usados para o ensino, os conhecimentos já adquiridos pelas crianças e a realidade de cada uma, seguindo da observação, vem a regência que é momento que o estagiário já se sente preparado para estar à frente da sala de aula, no qual irá exercer funções específicas de sua futura profissão.
O estágio é primordial na vida acadêmica, visto que é um elemento curricular que estabelece uma relação entre as escolas, comunidade e universidades. Além de proporcionar ao estagiário experiências que irão ser essencial em sua vida profissional, construindo assim sua identidade como futuro professor.
Alguns autores ressaltam essa seriedade do estágio na formação docente falando que:
Acredita-se que a formação inicial norteará a atuação do futuro professor em sala de aula, possibilitando a esse a apropriação da realidade presente no cotidiano da escola e, certamente, a prática do estágio torna-se o caminho para esta apropriação. Entende-se que o estágio supervisionado tem a função de orientar o acadêmico para reconhecer o espaço escolar, apropriando, problematizando, criando o seu projeto de pesquisa e trabalho a ser realizado na escola, o que viabiliza que o mesmo atue, comprometendo-se com o processo de ensino e aprendizagem no período de estágio. BRAGA; SCHNEIDER (2012, p. 12)
Para darmos conta do objetivo proposto para este artigo procuramos organizar as falas de 7 discentes do 8° período do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Alagoas, campus I, após a realização dos estágio dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Foram usados nomes fictícios para preservar a identidade das entrevistadas nos seguintes pontos: Se a experiência foi positiva ou negativa dentro da modalidade escolhida; Como se deu a metodologia utilizada pelo docente titular, além da realidade vivenciada na sala de aula do estágio; e qual a importância do mesmo para sua formação, e o que poderia ser melhorado nessa disciplina.
Em relação de como se deu a experiência de estágio dentro da modalidade escolhida, as respostas foram as seguintes:

Estagiei no 4º ano do ensino fundamental, avaliando minha experiência defino a mesma como positivo por toda prática e conhecimento adquirido, porém destaca algumas dificuldades encontradas ao me deparar com a sala de aula, dentre elas, exemplos de práticas de acordo com a grade curricular seguido pelo professor titular; e outro ponto seria como reagir diante das dificuldades de aprendizagem dos alunos. Acredito que a disciplina apesar


de ter sido fundamental para minha formação, necessita ter um olhar mais aprofundado a prática que os graduandos vão se deparar, sendo este fundamentado na realidade das salas de aula de escolas públicas. (MARIA, 2018)
Realizei o estágio no 3º ano do Ensino Fundamental em uma escola pública da rede municipal de ensino. A experiência vivenciada foi positiva para minha formação, porém marcada de desafios, visto que senti dificuldade na prática das disciplinas, em como realizar uma “boa aula” que atendesse a diversidade dos alunos, pois na sala que realizei o estágio havia crianças que já sabiam ler, crianças que estavam aprendendo e ainda aquelas com maior dificuldade que estava no processo de codificação do alfabeto. Enfim, senti falta de apoio maior da docente da universidade, pois apesar da mesma se dispor a orientar os licenciandos, somos uma turma de 30 alunos e não tinha como ela oferecer um suporte maior a todos. (JOSEFA, 2018)

No 4°ano; Positivamente, pois me possibilitou estudar mais e me preparar como docente para a sala de aula, não como professora titular deles, mas como uma estagiária que passaria um determinado tempo com eles, encarando, dessa forma uma turma que não me pertencia. (Cecília, 2018)


Terceiro ano do ensino fundamental; Positivamente, porque serviu de experiência para minha futura carreira na pedagogia. A gente se prepara para os desafios do dia-dia na sala de aula. (Daniela, 2018)


Ensino Fundamental anos Iniciais, 3° ano. Positivamente, tive a oportunidade de estagiar em uma sala diversificada, pude conhecer mais da realidade escolar. (Sofia, 2018)


No 3º ano do ensino fundamental; Positivamente, pois minha experiência foi rica de aprendizagem para minha formação. (Natalia, 2018)


Ao decorrer das falas das entrevistadas, fica evidente que a experiência de estágio traz diversas contribuições para a formação de professores, sendo essencial que a prática que proporciona a ação e reflexão diante das situações cotidianas das escolas tenham cada vez mais seriedade .“Ao estagiar, o futuro professor passa a enxergar a educação com outro olhar, procurando entender a realidade da escola e o comportamento dos alunos, dos professores e dos profissionais que a compõem”. JANUÁRIO (2008, p. 3)


Nesse sentido Pimenta; Lima (2004, p.33) enfatiza que:
Não é raro ouvir, a respeito dos alunos que concluem seus cursos, referências como “teóricos”, que a profissão se aprende “na prática”, que certos professores e disciplinas são por demais “teóricos”. Que “na prática a teoria é outra”. No cerne dessa afirmação popular, está a constatação, no caso da formação de professores, de que o curso nem fundamenta teoricamente a atuação do futuro profissional nem toma a prática como referência para a fundamentação teórica. Ou seja, carece de teoria e de prática.
Outro ponto que merece destaque a importância de usar a função dessa disciplina como ferramenta crítica-reflexiva, e nesse aspecto Barros (2011, p.2) ressalta que, “o estágio supervisionado proporciona a construção de atitudes críticas e reflexivas a respeito do processo de ensino e aprendizagem, proporcionando a construção de atitudes e concepções questionadoras e transformadoras referentes ao ensino”.
Quanto à metodologia utilizada pelo docente titular, além da realidade vivenciada na sua sala de aula do estágio, as respostas foram as seguintes:
A metodologia utilizada pela professora titular em sala de aula era bem dinâmica, visto que ela sempre usava aulas expositivas, com cartazes, data show, livro didático; além de proporcionar debates e diálogos muito proveitosos com seus alunos, contextualizando com a realidade dos mesmos. Porém quando foi meu momento de regência senti dificuldades em proporcionar aulas competentes e similares com as da docente titular, visto que esta sempre relacionava os conteúdos com o cotidiano dos alunos. (MARIA, 2018)
O docente titular foi muito receptivo, conversou comigo sobre a diversidade da sala de aula, e as vivências de cada aluno. Seu método, baseava-se na realidade dos educandos, ou seja, o professor planejava suas aulas e as realizava de forma “atrativa”, conseguindo que maioria prestasse atenção no conteúdo explicado, o que achei muito interessante é que as crianças, questionavam, tornando um momento de ensino prazeroso. No momento da regência senti dificuldade em ministrar uma aula tão boa quanto as que eu tinha vivenciado nos períodos de observação, pois na universidade estudamos muitos teóricos e diante da realidade de uma sala de aula tudo é mais complexo e vai muito além de teorias. (JOSEFA, 2018)
O docente da minha sala de aula escrevia muito, e quando eu fui estagiar senti dificuldades para escrever tanto, tendo em vista que só queria explicar o conteúdo e escrever o mínimo possível [...] a realidade me fez perceber que devo me preparar mais para a docência, apesar de já ter experiência na área como professora, me senti despreparada para os anos iniciais. (Cecília, 2018)

Ela tinha uma metodologia diferente da minha. Nos primeiros momentos na sala de aula já tivemos uma conversa onde ela se mostrou disposta a me ajudar em qualquer dúvida durante a regência [...] Pensei que seria mais fácil, mas quando me deparei com a realidade de uma turma muito diversificada que apesar de ser do 3º ano alguns não sabiam ler e escrever e outros possuíam deficiências que necessitavam de atividades diferenciadas. Foi aí que percebi que o professor deve ter um bom planejamento para a sua aula e também um outro para atender as necessidades dos alunos. (Daniel, 2018)


A metodologia da professora titular era muito boa e consegui conciliar com a minha, prosseguindo os conteúdos que ela estava passando. No 6° período você já tem estudado muitas disciplinas que falam muito da realidade da sala de aula e da realidade de algumas crianças, porém algumas situações ainda


me incomodou como, por exemplo, a violência na sala de aula e como os professores e as famílias trabalham com a inclusão.(Sofia, 2018)

Em alguns pontos sim e outros não, mas como estou em fase de aprendizagem me adaptei rapidamente à sua metodologia, visto que não pretendia provocar mudanças na sala de aula da qual eu apenas estava de passagem. A realidade vivenciada foi melhor do que eu esperava, pois através dela foi possível perceber que existe interesse pelo aprendizado, e também ficou claro que não é fácil ser professor, pois são inúmeros os desafios. (Natalia, 2018)


Analisando as respostas acima, percebemos que além de todos os benefícios citados, o estágio também oferece a chance do graduando ver diversas metodologias, podendo configurar seus métodos de acordo com a situação vivida, e com esse contato com a realidade os mesmo podem refletir sobre a escolha da sua referida profissão.


O estagiário pode trabalhar com jogos diversificados, o qual além de despertar o interesse da criança possibilita a mesma o desenvolvimento e criatividade, a descoberta de conhecimentos e habilidades e a interação entre professor-aluno, e aluno-aluno.
Em relação ao método lúdico, ainda ,Braga; Schneider (2012, p. 11) asseguram que:

A ludicidade não pode ser vista somente como uma diversão, pois ela é uma necessidade do ser humano independentemente de idade. Através dela, o professor pode desenvolver um ótimo trabalho no auxílio à aprendizagem, no desenvolvimento pessoal, no social e no cultural. Dessa forma ajuda no processo de socialização, comunicação, expressão e construção do conhecimento, além de permitir que a criança assimile tudo aquilo que está vivenciando.


O momento de estágio proporciona ao acadêmico o compromisso em assumir uma sala de aula, e colocar em prática o que tanto se estudou e aprendeu na universidade, sempre respeitando a diversidade da turma, individualidade e realidade de cada criança, e a comunidade na qual a escola está inserida. Nesta mesma linha de pensamento Moraes; Nascimento (2012, p. 08) relatam que “A vivência no estágio proporcionou reconhecer sua importância para o ingresso na carreira docente. A partir dele percebeu-se a sala de aula como um local prazeroso, mas muito desafiador[...]”.
Por fim, os entrevistados foram indagados sobre a importância do estágio para sua formação, e o que poderia ser melhorado nessa disciplina:
A disciplina de estágio é essencial para formação docente, pois é o momento no qual o graduando vai vivenciar a prática na sua inteira realidade, além de ser agente construtivo de sua práxis, juntando a teoria com a prática. Em relação o que poderia ser melhora na disciplina acredito que o acompanhamento do docente da disciplina, acredito, visto que seu apoio em relação as dúvidas e anseios enfrentados por seus alunos ao se deparar com a prática seria de grande relevância, porém esta mudança só seria possível, se
a demanda de graduandos para ser acompanhado por esse docente fosse devidamente diminuído, para que assim o mesmo sanasse as dúvidas e dificuldades que viesse surgindo ao longo da regência dos estagiários. (MARIA, 2018)
O estágio supervisionado é de suma importância, pois proporciona ao graduando vivências de sua futura profissão, além de nos colocar diante da realidade das escolas públicas e vivendo situações que só estando em sala de aula pode ser vista e sentida, e o estágio me proporcionou essas experiências. Ressaltando que o que mais me marcou nesse período foram os métodos dinâmicos da titular, os quais quero aprimorar e levar pra minha sala de aula, quando formada. No que se refere a melhoria da disciplina, acredito que um suporte maior da docente, pois nos momentos de regência surgem muitas dúvidas e até aflições, além de práticas na universidade que sirvam de embasamento no momento de estágio para o graduando. (JOSEFA, 2018)
Contribuir para a formação docente de maneira que entrelace a teoria e prática. Teoria presente nos quatro anos de formação acadêmica e prática oferecida pela oportunidade de estágio. Não acredito que deveria melhorar nada, pois tive toda a assistência que precisei com a professora de estágio. (Cecília, 2018)

De extrema importância, pois com esse estágio consegui perceber o quanto é importante associar a teoria com a prática. Foi importante também para que eu pudesse ter certeza do que realmente quero. Poderia melhorar a carga horária, [...] mesmo sendo 70 horas de estágio ainda fica faltando muita coisa que não é possível identificar nas escolas e em sala de aula.(Daniel, 2018)


Foi uma oportunidade de experiência e um momento indispensável para a minha formação acadêmica, pois é no estágio o primeiro momento de unir teoria e prática. Acho que deve continuar do mesmo jeito. (Sofia, 2018)


O estágio possibilita o contato com a realidade existente na sala de aula, e permitir uma reflexão sobre a profissão docente demonstrando de forma objetiva os desafios e as realizações que a prática oferece. Na disciplina não mudaria nada, pois acredito que depende de cada um melhorar suas práticas através das teorias e vice-versa, dessa forma o que é transmitido na disciplina é o início de uma longa jornada.(Natalia, 2018)


Segundo Barbosa; Amaral, (2009, p.7), “Os períodos de estágio supervisionado possibilitam essa articulação propiciando atividades complementares de ensino e aprendizagem aos futuros professores por meio da vivência de situações reais de trabalho em diferentes contextos com acompanhamento de um professor orientador”.


Seguindo essa linha de raciocínio, Pimenta, Lima (2004, p.145), destaca que o trabalho do professor ao ensinar os conteúdos específicos muitas vezes se desenvolve direcionados apenas para o conhecimento cognitivo, onde o importante mesmo é o domínio dos conhecimentos daquela área. Essas práticas são geralmente centradas em conteúdos distantes das realidades dos alunos e do contexto em que estão inseridos o que torna as aulas formais, voltadas unicamente para apenas a disciplina trabalhada.



Baixar 149.3 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7




©historiapt.info 2023
enviar mensagem

    Página principal