A escrita da história do egito antigo


partir dos estudos pioneiros de William Matthew Flinders Petrie (1853-1942), com



Baixar 1.05 Mb.
Pdf preview
Página3/11
Encontro09.07.2022
Tamanho1.05 Mb.
#24189
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11
a escrita da hsitria do egito antigo

partir dos estudos pioneiros de William Matthew Flinders Petrie (1853-1942), com 
base em suas escavações e na tipologia cerâmica. Em uma atual divisão cronológica 
temos a seguinte sequência: Pré-Dinástico Inicial (c. 5500-3800 a.C.) – Fayum, 
Merimde, Tarsiano/Badariano; Pré-Dinástico Médio (c. 3900-3600 a.C.) – Amrantiano/ 
Naqada I; Pré-Dinástico Tardio (c. 3600-3300 a.C.) – Gerzeano/ Naqada II; e 
Protodinástico (c. 3300-3100 a.C.) – início dos reinos regionais, Dinastia “0” 
(CASTILLOS, 2002, 07). 
Para os egípcios antigos da época faraônica tal organização era desconhecida e 
pareceria estranha, visto que a sua contagem do tempo, conforme explicaremos mais 
adiante, era feita com base nos reinados dos faraós, não sendo esta a forma mais 
simples para o estabelecimento de uma cronologia exata em termos ocidentais atuais. 
4
Na constituição das dinastias Manethon não levou em conta o aspecto consanguíneo de forma direta, 
baseando-se principalmente na possibilidade de agrupar os faraós que tinham uma cidade em comum 
sob diversos aspectos: como capital dos reinados, local de origem ou de inumação (QUIRKE, 1990, 06). 


NEARCO – Revista Eletrônica de Antiguidade 
2014, Ano VII, Número I – ISSN 1972-9713 
Núcleo de Estudos da Antiguidade 
Universidade do Estado do Rio de Janeiro 
264
Desta forma, neste artigo discutimos algumas questões que envolvem o 
estabelecimento de uma cronologia para o Egito antigo, baseada em documentos 
produzidos por esta sociedade e que podem ser utilizados para tal fim. 
O TEMPO NO EGITO ANTIGO 
Ao tentarmos definir o que é o tempo poderíamos percorrer um caminho que nos 
levaria a diversas disciplinas. O termo poderia ser referenciado por meio de uma 
fórmula matemática, tal como nas ciências exatas, a exemplo da física, ou tratado 
como algo mais abstrato, conforme o que encontramos no campo das ciências 
humanas. De uma maneira mais simples o tempo pode ser descrito como uma espécie 
de “receptáculo” onde determinados eventos se desenvolvem. Assim, tal como na 
modernidade, onde encontramos diferentes concepções e definições, na antiguidade o 
tempo era percebido de uma maneira plural. Em comum os povos de língua semítica 
têm o fato de perceber o espaço antes do tempo, conforme aponta Ciro Cardoso: 
As línguas mais antigas que nos deixaram documentos – o 
sumério, o egípcio, o acádio e outros idiomas semíticos antigos 
– tendem a espacializar o tempo. O egípcio tardou bastante 
até mesmo a desenvolver um sistema verbal baseado na noção 
de tempo: de início, predominava em forma absoluta a noção 
de aspecto verbal, que distinguia o perfectivo (ações 
completas), o imperfectivo (ações em ato ou reiteradas) e o 
prospectivo (ações que são suscetíveis de vir a ocorrer). 
(CARDOSO, 1998, 07) 
Para os egípcios a concepção do tempo era baseada em um termo, eternidade, 
que possuía duas formas de grafia, “neheh” e “djet”, o que denota, claramente, uma 
diferença em seu significado. Tais designações de eternidade foram associadas, sob o 
ponto de vista mítico, a duas divindades: Ra e Osíris. Ambos os deuses sintetizavam 
uma dualidade, uma complementaridade e algo que era infinito. A primeira forma, 
neheh, estava associada a Ra e a segunda, djed, estava relacionava a Osíris. De acordo 


NEARCO – Revista Eletrônica de Antiguidade 
2014, Ano VII, Número I – ISSN 1972-9713 
Núcleo de Estudos da Antiguidade 
Universidade do Estado do Rio de Janeiro 
265
com a forma de pensamento egípcio o mundo em que eles viviam era desprovido de 
barreiras e tudo o que existia era complementar, assim a oposição binária é 
frequentemente 
encontrada, 

exemplo 
do 
masculino/feminino, 
do 
animado/inanimado, assim por diante. Seguindo esta forma de pensamento a 
existência de duas eternidades pode ser facilmente compreendida, pois ambas são 
também complementares. Neheh simboliza o percurso contínuo do sol que nasce no 
leste e segue para o oeste, conforme é mencionado em uma inscrição da Naos de 
Ismailia: “A eternidade-neheh é o caminho de seu pai Ra” (TRAUNECKER, 1995, 52). 
Esta forma de eternidade é, portanto, cíclica e descontínua, o que explicaria as 
repetições infindáveis, como a subida e a descida das águas do Nilo que regia as 
estações, as fases da lua no seu ciclo de 28 dias e a ocorrência de festivais aos deuses 
(CARDOSO, 2000, 54). Este tempo cíclico estava presente na vida dos camponeses e se 
manifestava tanto nas tarefas de seu cotidiano quanto na posição que tais indivíduos 
ocupavam na sociedade (CAMPAGNO, 2011, 31). 
A eternidade djet representa a permanência do tempo de forma linear 
contínua, tal como o deus Osíris, cujo epíteto era heka djet, ou “governante da 
eternidade”. Segundo José Carreira (1994, 65) “a eternidade djet é criação cultural 
egípcia e traduz a ânsia de conseguir e, sobretudo, de conservar um resultado”. Isto 
explica o investimento dos egípcios em criarem uma tumba que pudesse durar para 
sempre, da mesma forma que conservar os cadáveres por meio do embalsamamento 
era condição sine qua non para garantir-lhes a permanência que foi adquirida por 
Osíris. Mais ainda, tal eternidade se manifestava na projeção de uma memória dos 
antepassados, algo que é contínuo e duradouro, a exemplo de uma linhagem familiar, 
seja ela de origem régia ou não (CAMPAGNO, 2011, 31). Ambas as formas de 
eternidade eram perfeitamente integradas, pois enquanto a djet constituía a 
permanência do existente, a neheh assegurava o seu funcionamento (TRAUNECKER, 
1995, 53). 


NEARCO – Revista Eletrônica de Antiguidade 
2014, Ano VII, Número I – ISSN 1972-9713 
Núcleo de Estudos da Antiguidade 
Universidade do Estado do Rio de Janeiro 
266
Este tempo composto por estas duas noções de eternidade pertencia aos 
deuses e era partilhado pelos mortos, visto que com elas poderiam continuar a vida no 
além, conforme esta inscrição que deseja a eles o ingresso no tempo: “une-te ao 
tempo-neheh quando ele nasce como sol da manhã; e ao tempo-djet quando se põe 
como sol do entardecer” (TRAUNECKER, 1995, 64). Com os vivos a situação era um 
pouco diferente, visto que seu próprio tempo dependia da vontade das divindades
sendo estas responsáveis pelo acréscimo ou diminuição daquele, como nos indica uma 
fórmula em uma carta Raméssida: “De fato eu estou vivo hoje; amanhã está nas mãos 
do deus
5
. Duas palavras expressam bem como os egípcios entendiam a sua existência 
temporal terrena: a primeira delas é at, que significa “momento”, “instante” ou o 
“tempo” (FAULKNER, 1976, 48) em geral de um acontecimento, e a segunda é ahau
que pode ser traduzida como “período” ou “espaço de tempo” (FAULKNER, 1976, 01). 
Esta palavra é utilizada na expressão “ahau ne ankh” que se traduz como “tempo de 
vida”. Trata-se da existência terrena de um indivíduo no Egito antigo que, segundo as 
fontes escritas, era de 110 anos. Esta idade é reconhecida por meio de muitos 
documentos, a exemplo do poema do Reino Novo onde um pupilo faz uma dedicatória 
ao seu mestre: 
Possas tu multiplicar anos felizes, teus meses de prosperidade, 
teus dias da vida e bem estar, tuas horas em saúde, teus 
deuses estando satisfeitos contigo; que eles se contentem com 
tuas declarações, e que um belo Ocidente tenha sido enviado 
para ti. Tu ainda não és velho, tu não estás doente. Que tu 
possas completar 110 anos sobre a terra, com teus membros 
vigorosos, como acontece a alguém que é elogiado como tu 
quando o teu deus o favorece. (JANSSEN & JANSSEN, 1996, 
67). 
Esta expectativa de vida ideal para os egípcios, que era bem diferente de sua 
realidade, pois as pessoas dificilmente ultrapassavam os quarenta e cinco anos, está 
5
Conforme nossa tradução da carta escrita por Djehutymes, Papiro Leiden I, 369. Edição hieroglífica em: 
ČERNÝ, 1939, 01-02. 


NEARCO – Revista Eletrônica de Antiguidade 
2014, Ano VII, Número I – ISSN 1972-9713 
Núcleo de Estudos da Antiguidade 
Universidade do Estado do Rio de Janeiro 
267
relacionada à ideia de um ciclo, algo que começava com o nascimento, passava pelo 
crescimento, pela maturidade, pela velhice e chegava à morte. Tal processo era rápido, 
mas o fim de uma existência nada mais era do que o término de um ciclo vital que, na 
visão dos egípcios antigos, seria uma espécie de limite para o início de uma nova vida, 
sendo assim necessário morrer para poder renascer (SANTOS, 2012, 28). 
De maneira similar, este ciclo, claramente relacionado à eternidade-neheh
deve ter influenciado a forma de contar o tempo para os egípcios, que era feita por 
meio do reinado de cada faraó. O exemplo visto na figura 1, tirado de uma estela da XII 
dinastia, nº 583 do Museu Britânico, apresenta uma data relacionada ao ano 19 de 
Amenemhat II. 

Baixar 1.05 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal