A criaçÃo e a queda lição para de outubro de 2018 a unidade original. Criados para amar



Baixar 5.9 Mb.
Encontro29.10.2019
Tamanho5.9 Mb.
#1346

A CRIAÇÃO

E A QUEDA

Lição 1 para 6 de outubro de 2018
  • A unidade original.

  • Criados para amar.
  • Ruptura da unidade.

  • De Adão ao Dilúvio.

    A torre de Babel.
  • Restauração da unidade.

  • O chamado de Abraão.

    A eleição de Israel.

A entrada do pecado no mundo interrompeu a unidade e a harmonia que Deus pretendia para a humanidade. No entanto, Deus expressou seu amor pela humanidade ao planejar uma maneira de restaurar a unidade que se havia perdido. Embora a restauração final viria através da obra de Cristo, Deus também escolheu os seres humanos para que sejam os representantes de seu amor e sua graça.

CRIADOS PARA AMAR

“Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.” (Gênesis 1:27 NVI)

Tudo que Deus criou era “muito bom” (Gênesis 2:1). A terra, os animais e o homem se relacionavam em perfeita harmonia.

O homem, diferente dos animais, foi criado à imagem de Deus, e colocado como responsável pelo resto da criação.

Sendo que a natureza do próprio Deus é o amor (1 João 4:8), a imagem de Deus inclui a capacidade de amar.

A imagem inclui duas pessoas em uma. O homem e a mulher, juntos, foram criados a imagem de Deus.

Isto implica unidade, unidade baseada no amor.

DE ADÃO AO DILÚVIO

“E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou.” (Gênesis 4:8)

O pecado de Adão e Eva rompeu a harmonia, a unidade e o amor que haviam existido entre homem e mulher, entre a humanidade e a criação, e entre a humanidade e Deus.

O homem culpou a mulher (Gênesis 3:12)

A natureza se corrompeu (Gênesis 3:17-18)

Caim matou a Abel (Gênesis 4:8)

A humanidade se corrompeu completa-mente (Gênesis 6:5)

O dilúvio acabou com a história humana (Gênesis 6:7)

Mas Deus preservou um remanescente (Noé e sua família), e deu à humanidade uma segunda oportunidade. O arco íris nos lembra que Deus deseja cumprir em nós seu plano original.

A TORRE DE BABEL



“Por isso se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu o Senhor a língua de toda a terra, e dali os espalhou o Senhor sobre a face de toda a terra.” (Gênesis 11:9)

Os homens decidiram conseguir a união sem Deus. Isto descambou para a adoração aos ídolos e a exaltação própria.

Deus teve que romper esta aparente unidade, gerando uma grande variedade de idiomas.

O resultado final do pecado foi a desunião da raça humana e a ruptura do plano original de Deus, e produziu:

Confusão na adoração.

Difusão do mal e a imoralidade na Terra.

Separação da humanidade em muitas culturas, idiomas e etnias.

Praticou a obediência.

Tinha esperança nas promessas de Deus.

Cria que Deus cumpriria sua promessa de que sua descendência seria tão numerosa como as estrelas.

Confiou no plano de salvação proposto por Deus.

O CHAMADO DE ABRAÃO

“E cumpriu-se a Escritura, que diz: E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus.” (Tiago 2:23)

O chamado de Abraão foi a terceira tentativa de Deus para restaurar a unidade perdida.

Como pai de todos os crentes, Abraão nos proporciona alguns dos elementos básicos da unidade dos cristãos:

A ELEIÇÃO DE ISRAEL

“O Senhor não se afeiçoou a vocês nem os escolheu por serem mais numerosos do que os outros povos, pois vocês eram o menor de todos os povos. Mas foi porque o Senhor os amou e por causa do juramento que fez aos seus antepassados…” (Deuteronômio 7:7-8 NVI)

A eleição de Israel como povo de Deus se baseou exclusivamente no amor divino. Nenhum mérito havia em Israel para receber este privilégio.

Através de Israel, Deus queria preservar o conhecimento de Deus no mundo e levar a cabo a redenção da humanidade.

Para cumprir seu propósito, os encheu de todas as vantagens espirituais.

A igreja cristã –o novo Israel– deve reconhecer com humildade que também não tem nada de que gloriar-se diante de Deus. É por amor que Deus nos escolheu para ser um nEle (Gálatas 3:28).

“O mais convincente argumento que podemos apresentar ao mundo quanto à missão de Cristo encontra-se na perfeita unidade. A mesma unidade que existe entre o Pai e o Filho deve se manifestar em todos os que creem na verdade. Aqueles que estão assim unidos em obediência implícita à Palavra de Deus serão cheios de poder.



Se todos se consagrarem completamente ao Senhor, e mediante a santificação da verdade viverem em unidade perfeita, que poder convincente assistiria a proclamação da verdade! Que triste que tantas igrejas distorcem a influência santificadora da verdade, porque não manifestam a graça salvadora que os faria um com Cristo, assim como Cristo é um com o Pai! Se todos revelassem a unidade e o amor que deveria existir entre os irmãos, o poder do Espírito Santo se manifestaria em sua influência salvadora. Nosso poder de salvar pessoas é proporcional a nossa unidade com Cristo.”

E.G.W. (Manuscrito 88, 1905, “One, Even as We Are One”)
Baixar 5.9 Mb.

Compartilhe com seus amigos:




©historiapt.info 2023
enviar mensagem

    Página principal