1984 Edição especial


parte de uma futura sociedade totalitária, de fato conseguimos nos esquivar



Baixar 3.88 Mb.
Pdf preview
Página107/119
Encontro04.08.2022
Tamanho3.88 Mb.
#24481
1   ...   103   104   105   106   107   108   109   110   ...   119
1984 - Edicao especial - George Orwell
07 - Cronograma de Julho 2022

parte de uma futura sociedade totalitária, de fato conseguimos nos esquivar
dessa investida sobre nós. Veja-se esta passagem de seu ensaio de 1946, “A
prevenção contra a literatura”:
É provável que escrever livros por processo mecânico não esteja além da
engenhosidade humana. Um processo desse tipo já pode ser visto em
funcionamento no cinema e no rádio, na publicidade e na propaganda e nas
camadas mais baixas do jornalismo. Os filmes da Disney, por exemplo, são
produzidos por um processo quase industrial: o trabalho é feito em parte
mecanicamente e em parte por equipes de artistas que têm de abrir mão de
seu estilo individual. Os programas de rádio costumam ser escritos por
escritores assalariados aos quais o tema e seu tratamento são ditados de
antemão; mesmo assim, o que escrevem é apenas uma espécie de matéria-
prima que é retalhada por produtores e censores. O mesmo acontece com os
inumeráveis livros e folhetos encomendados por órgãos governamentais.
11
Uma das fúrias satíricas que moviam Orwell resultava claramente da
amarga decepção de que quase um século de sufrágio democrático e de
ensino secundário obrigatório não tivesse concretizado o sonho liberal de
um corpo de cidadãos instruídos, ativos e politicamente informados, mas
que a sociedade industrial tivesse convertido as pessoas em proletas: “…
filmes, futebol, cerveja e, antes de mais nada, jogos de azar, preenchiam o
horizonte de suas mentes. Não era difícil mantê-los sob controle”. Vários de
seus ensaios transbordavam de desdém pelo que ainda chamava de


“imprensa marrom” e, como jornalista profissional, certamente pensara que,
escrevendo num inglês simples e direto, seria possível, se não houvesse
censura ou impedimento, levar questões importantes às pessoas comuns.
Dava a entender que a maioria dos intelectuais agora vivia às custas de uma
ralé rebaixada, fornecendo entretenimento barato, e não tentando mais
“educar e agitar” — aquela boa e velha máxima dos radicais britânicos.
A única coisa em que ele se enganou na sátira foi ao ver o
desenvolvimento da televisão de dois lados como, basicamente, um
mecanismo de vigilância; mas, apesar disso, aquelas outras coisas tinham
degradado tanto os proletas que “a vasta maioria dos proletas não tinha nem
sequer uma teletela em casa”. Não precisavam assistir; estavam tão
degradados que não constituíam ameaça política. O efetivo
desenvolvimento atual da televisão de massas teria dado mais gás à sátira
de Orwell: entretenimento barato, papaproleta, de fato.
Visto como projeção modelar de sociedades “totalitárias” pretensas ou
reais, o texto narrativo de Mil novecentos e oitenta e quatro não funciona
muito bem. Os proletas são deixados em posição passiva, não são
sistematicamente mobilizados, coisa que quase todos os cientistas sociais
ou historiadores da época que usaram o termo "totalitário" pensavam ser a
própria essência do conceito — inclusive o próprio Orwell, em todo um
conjunto de ensaios do tempo de guerra e do pós-guerra. Mil novecentos e
oitenta e quatro não é um modelo exato da sociedade totalitária real, como
ele bem sabia, simplesmente porque os alvos satíricos específicos na
sociedade do próprio Orwell exigem que os proletas sejam rebaixados pelo
Estado, em vez de se tornarem material humano propício à mobilização
política com vistas à transformação revolucionária. Claro que os detalhes do
regime do Socing não podem ser vistos como modelo exato, mas apenas
como partes de uma história satírica. Seria quase tão absurdo contestar
Orwell em relação à obscura ou contraditória estrutura de classes na
Oceânia quanto dizer a Swift que os bebês dos pobres irlandeses estariam
magros demais para servir de alimento aos famintos.



Baixar 3.88 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   103   104   105   106   107   108   109   110   ...   119




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal