1º Poliedro Enem 2022 1º Dia web indd



Baixar 8.26 Mb.
Pdf preview
Página7/113
Encontro21.09.2022
Tamanho8.26 Mb.
#25456
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   113
Gabarito 1º dia
GabariTO: E
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias
C2H8
No poema “We Are Not Responsible”, a autora constrói 
sua crítica por meio da posição discursiva de um eu lírico 
que faz parte de um grupo detentor do poder na sociedade 
– possivelmente uma voz representativa de um governo
já que se fala em “nossas instruções” (segundo verso da 
primeira estrofe) e “nosso policial” (primeiro verso da última 
estrofe). Em todos os versos, verifica-se uma tentativa 
de isenção da responsabilidade de tratar pessoas como 
cidadãs, ou seja, pessoas que deveriam ter seus direitos 
assegurados pelo Estado: “não podemos garantir sua 
segurança”, “não somos responsáveis por seus parentes 
perdidos”; além disso, alguns versos permitem que se 
verifiquem comentários racistas, o que delimita o grupo de 
pessoas aos quais o eu lírico se refere: “você foi detido 
para interrogatório porque se encaixa no perfil”, “não é 
nossa culpa o fato de você ter nascido vestindo a cor de 
quem pertence a uma gangue”. Por esses versos, percebe-
-se que a crítica reside no fato de as instituições sociais não 
assumirem as pessoas negras como cidadãs, submetendo 
sua cidadania a um estado de constante ameaça.
Alternativa A:
incorreta. O discurso do eu lírico não toma 
a forma do gênero eleitoral, mas de atendimento a um 
interlocutor por um agente público. Ademais, por meio 
do discurso construído, o eu lírico não denuncia a busca 
por negar a existência do racismo, mas o próprio racismo 
presente na constante negação da cidadania da população 
negra associada à tentativa de responsabilizar as pessoas 
por sua condição social.
Alternativa B:
incorreta. O poema não trata de qualquer 
forma de benefício, mas da negação de direitos.
Alternativa C:
incorreta. Embora seja possível traçar uma 
relação entre a ideia de impunidade e a ideia de “não somos 
responsáveis”, presente no título e em alguns versos do 
poema, a crítica do eu lírico se volta para o desamparo 
governamental no que diz respeito à garantia de direitos. 
Além disso, o foco do poema não é a corrupção no sentido 
financeiro.
Alternativa D:
incorreta. No poema, não se constata a 
existência de abordagens permissivas a membros de 
grupos criminosos. A menção do eu lírico à gangue revela 
o racismo que embasa o discurso do agente público ao 
negar direitos à população negra.



Baixar 8.26 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   113




©historiapt.info 2022
enviar mensagem

    Página principal